Pular para o conteúdo principal

Inteligência artificial pode desenvolver preconceito por contra própria


A inteligência artificial não precisará ser incorporada em máquinas complexas para criar seus próprios perigos. Por isso, pesquisadores defendem uma Lei Única da Robótica.[Imagem: CC0 Creative Commons]

Preconceito de máquina

Pode parecer que o preconceito seja um fenômeno específico do ser humano, que requer que a cognição humana forme uma opinião ou estereótipo de determinada pessoa ou grupo.

Contudo, especialistas em ciência da computação e psicologia da Universidade de Cardiff (Reino Unido) e do MIT (EUA) demonstraram matemática e experimentalmente que grupos de máquinas autônomas podem demonstrar preconceito simplesmente identificando, copiando e aprendendo esse comportamento umas das outras - sim, uma máquina se baseando nas outras, independentemente de seres humanos que as ensinem a odiar.

Embora alguns tipos de algoritmos de computador já tenham apresentado preconceitos, como racismo e sexismo, baseados no aprendizado de registros públicos e outros dados gerados por humanos, este novo trabalho demonstra a possibilidade de a inteligência artificial desenvolver grupos preconceituosos por conta própria.

Mais do que isso, o trabalho prova que a emergência do preconceito não requer um alto nível de capacidade cognitiva, ou seja, ele pode ser desenvolvido por máquinas bem simples. Esse comportamento pode ser facilmente incorporado por robôs ou programas de computador projetados seguindo os mecanismos da inteligência artificial.

Desenvolvimento autônomo do preconceito

Todas estas conclusões foram baseadas em simulações em computador de como agentes virtuais podem formar um grupo e interagir uns com os outros.

Em um jogo de dar e receber, cada indivíduo virtual toma uma decisão se doa algo para alguém dentro de seu próprio grupo ou em um grupo diferente, baseando-se na reputação do indivíduo, bem como em sua própria estratégia de doação, que inclui seus níveis de preconceito em relação a pessoas de fora do seu grupo. No início da simulação, todos os agentes foram programados com níveis de preconceito idênticos.

Conforme o jogo se desenrola e um supercomputador acumula milhões de simulações, cada indivíduo começa a aprender novas estratégias copiando o comportamento de outros agentes dentro de seu próprio grupo ou de toda a população.

Também para evitar os riscos dos robôs assassinos, criados intencionalmente pelo homem com esse objetivo, a robótica e a inteligência artificial exigem leis específicas. [Imagem: CC0 Creative Commons]

"Executando essas simulações milhares e milhares de vezes, começamos a entender como o preconceito evolui e as condições que o promovem ou impedem.

"Nossas simulações mostram que o preconceito é uma força poderosa da natureza e, por meio da evolução, pode facilmente ser incentivado em populações virtuais, em detrimento da conectividade mais ampla com outros. A proteção contra grupos preconceituosos pode inadvertidamente levar indivíduos a formar outros grupos preconceituosos, resultando em uma população dividida. Tal preconceito generalizado é difícil de reverter," disse o professor Roger Whitaker.

Máquinas simples com decisões perigosas

Os resultados envolvem indivíduos virtuais que atualizam seus níveis de preconceito copiando preferencialmente aqueles que obtêm um retorno mais alto em curto prazo de suas decisões, o que significa que essas decisões não exigem necessariamente habilidades cognitivas avançadas - elas podem ser apresentadas, por exemplo, pela capacidade computacional incorporada em veículos autônomos ou mesmo em dispositivos simples, como os da Internet das Coisas.

Outra constatação interessante da simulação foi que, sob condições particulares, que incluem subpopulações mais distintas estando presentes em uma população, é mais difícil para que o preconceito se estabeleça.

"Com um número maior de subpopulações, alianças de grupos não preconceituosos podem cooperar sem serem exploradas. Isso também diminui sua condição de minoria, reduzindo a suscetibilidade ao preconceito. Entretanto, isso também exige circunstâncias nas quais os agentes tenham maior disposição de interagir fora do grupo," concluiu o professor Whitaker.

Bibliografia:

Indirect Reciprocity and the Evolution of Prejudicial Groups
Roger M. Whitaker, Gualtiero B. Colombo, David G. Rand
Nature Scientific Reports
Vol.: 8 (1)
DOI: 10.1038/s41598-018-31363-z

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…