Pular para o conteúdo principal

Lançado com sucesso novo telescópio espacial que irá buscar planetas habitáveis


O TESS irá caçar exoplanetas em milhares de estrelas próximas do Sol

Em 18 de abril último foi lançado de Cabo Canaveral, a bordo de um foguete Falcon 9 da Space X, o Satélite Explorador de Trânsito de Exoplanetas (TESS). O primeiro estágio do foguete retornou depois de se separar, realizando um pouso perfeito a bordo da balsa drone chamada I Still Love You, estacionada no Atlântico a 300 km da costa da Florida. Foi o 24º pouso bem sucedido no navio robotizado, e a SpaceX já reutilizou 11 desses foguetes, mas o deste lançamento era novo. Já o telescópio TESS entrou em órbita 49 minutos após o lançamento, e passará os primeiros cinco dias realizando diversas checagens e abrindo seus painéis solares. Os principais instrumentos científicos, quatro câmeras CCD, serão acionados aproximadamente oito dias após o lançamento.

TESS foi inserido em uma órbita muito elíptica, nunca utilizada por outro engenho espacial, no qual o telescópio irá circular o planeta duas vezes para cada órbita completada pela Lua. Além de ser estável e a salvo de lixo espacial, essa trajetória permite boa comunicação com a Terra e não haverá necessidade de muitas correções de curso. Pela metade de junho a nave chegará enfim a sua órbita de operação. O telescópio irá explorar ao longo da missão primária de dois anos cerca de 200.000 das estrelas mais brilhantes e próximas do Sistema Solar. O foco serão astros do tipo G, K e M, e estima-se que a missão possa descobrir mais de 20.000 exoplanetas, sendo de 500 a 1.000 do tamanho da Terra ou maiores, as super-Terras. A maioria deve ser observada a distâncias entre 30 e 300 anos-luz, e o TESS irá caçar exoplanetas utilizando o método do trânsito, o mesmo do conhecido telescópio Kepler.


TESS irá procurar mundos alienígenas em órbita de estrelas próximas de nosso Sistema Solar, proporcionando alvos para pesquisa de vida extraterrestre para a próxima geração de instrumentos, em terra e no espaço

O Kepler foi lançado, em 2009, com a finalidade de determinar o quanto os exoplanetas eram comuns, e uma das grandes surpresas dessa missão, cuja quantidade colossal de informações colhidas continha a ser analisada, foi a descoberta do grande número de super-Terras, mundos de tamanho entre o do nosso planeta e Netuno, existem. Porém a região alvo do Kepler estava entre as constelações Cygnus, Lyra e Draco, e os mundos que descobriu estão na maioria a centenas ou milhares de anos-luz de distância. Mesmo para a próxima geração de telescópios tais alvos são distantes demais para um exame de suas atmosferas. Já o objetivo do TESS é realizar esse trabalho nas estrelas mais próximas do Sol, cobrindo todo o céu em 26 setores.


TESS deverá encontrar centenas de planetas com possibilidade de encontrar vida extraterrestre

BUSCANDO SINAIS DE VIDA ALIENÍGENA

Por estarem mais próximas, as estrelas analisadas pelo TESS serão 30 a 100 vezes mais brilhantes que as do Kepler, e portanto seus exoplanetas candidatos serão ou não confirmados com maior rapidez. Mais importante, essas informações serão utilizadas por telescópios atuais e futuramente por aqueles que ainda estão em construção, a fim de analisar suas atmosferas em busca de sinais de vida extraterrestre. Quando um planeta transita, ou passa diante de sua estrela, a luz desta última atravessa a atmosfera planetária, e quando é captada por nossos instrumentos contém informações sobre a composição da camada gasosa. Assim os telescópios atuais e futuros poderão determinar a presença de elementos como oxigênio, metano e outros possíveis indicativos da presença de vida, em mundos mais próximos de nosso Sistema Solar. Poderá inclusive ser possível, ainda neste século ou nos próximos, lançar minúsculas sondas para explorar tais mundos alienígenas, a promessa do programa Breakthrough Starshot. O TESS dará início a uma nova era de exploração de planetas habitáveis e da vida extraterrestre.

https://tess.gsfc.nasa.gov/
https://ideas.lego.com/projects/225581d0-35ed-4ed0-96a9-38507b67e2fb



FONTE: REVISTA UFO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …