Pular para o conteúdo principal

Diamantes encontrados dentro de meteorito raro oferecem pistas de um planeta extinto



Por: George Dvorsky

Em 2008, um meteoro de 80 toneladas explodiu sobre o Deserto da Núbia no Sudão, cobrindo a região de centenas de rochas minúsculas. Uma nova pesquisa sugere que diamantes acumulados dentro desses meteoritos só podem ter sido formados dentro de um corpo planetário do tamanho de Mercúrio ou Marte — dentro de um planeta que já não existe mais.

O meteorito é chamado de Almahata Sitta e está fornecendo a primeira evidência tangível que um corpo protoplanetário existiu durante os estágios iniciais de nosso Sistema Solar, de acordo com uma nova pesquisa publicada nesta semana na Nature Communications. Esse planeta nascente, com tamanho próximo daquele de Mercúrio e Marte, colidiu com outro corpo planetário — não sabemos qual —, criando um enorme campo de detritos que semearam o Sistema Solar com pedaços para construir outros planetas grandes e rochosos. Como a Terra.

A evidência para essa hipótese vem de um tipo raro de meteorito chamado de ureilito. Essas rochas representam menos de 1% de todos os meteoritos que caem na Terra. Os ureilitos são carregados de diamantes minúsculos, o maior dos quais tem a largura de um fio de cabelo humano. Assim como os diamantes que se formam na Terra, esses minerais exóticos são produto de intensas pressão e temperatura, condições que são encontradas no fundo do nosso planeta.


Imagem microscópica do interior de um dos diamantes encontrados dentro de um fragmento do meteorito Almahata Sitta. O grafite aparece em cinza, e as inclusões em amarelo (Imagem: Dr. F. Nabiei/Dr. E. Oveisi/Prof. C. Hébert [EPFL, Suíça])

Astrônomos suspeitavam há décadas da existência de um protoplaneta extinto há muito tempo, mas era difícil provar. E, inclusive, a principal hipótese para a origem de nossa Lua é que um protoplaneta colidiu com a Terra quando ela ainda era um “bebê”. Além disso, simulações de computador da formação inicial do planeta também previram a presença desses grandes corpos planetários “embrionários” durante os primeiros dez milhões de anos de existência do Sistema Solar. Mas faltava uma prova física.

Agora, Farhang Nabiei, da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL), na Suíça, principal autor do novo estudo, está argumentando que os ureilitos são os potenciais restos de um protoplaneta extinto.


Inclusões dentro do diamante (Imagem: Dr. F. Nabiei/Dr. E. Oveisi, EPFL, Suíça)

A equipe de Nabiei usou três microscópios diferentes, incluindo um microscópio eletrônico de transmissão, para estudar os pedaços do material, chamados de inclusões, que ficaram presos dentro dos diamantes do meteorito Almahata Sitta depois que a rocha se formou. A composição física, química e mineral dos diamantes sugere que eles se formaram em pressões em torno de 20 gigapascal. Esse tipo de pressão só pode existir dentro de um corpo planetário com massas na faixa de tamanho de Mercúrio a Marte. Além disso, os diamantes, embora pequenos, são grandes o bastante para terem se formado depois de um impacto com a Terra.

“Este estudo fornece prova convincente de que o corpo parental do ureilito era de um grande planeta ‘perdido’ antes de ele ser destruído pelas colisões”, concluem os pesquisadores em seu novo estudo.

Legal, né? A ideia de um objeto do tamanho de Marte colidindo com um objeto de tamanho igual espanta a nossa imaginação. Porém, como aponta esse novo estudo, o Sistema Solar, em seus primórdios, era um lugar muito dramático e tumultuado.

[Nature Communications]

Imagem do topo: NASA/JPL-Caltech

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…