Pular para o conteúdo principal

Arqueólogos encontraram um dado de 600 anos com lados falsos na Noruega



Por: George Dvorsky

Dados de seis lados podem possuir mais de 5 mil anos e sua origem vem da Persia, assim, a descoberta de um dado de 600 anos na Noruega não é nada especial. Mas este dado recém descoberto – com a evidente ausência dos lados de número um e dois – é bem única, apontando para algumas falcatruas presentes na era medieval.

O dado trapaceiro foi descoberto em uma escavação em Bergen, na Noruega, por arqueólogos do Norwegian Institute for Cultural Heritage Research (Instituto Norueguês para a Pesquisa de Cultura Hereditária, em tradução livre; NIKU, na sigla em inglês). Os pesquisadores atualmente escavam as ruínas de uma rua de madeira do distrito medieval de Vågsbunnen do século XV. Naquele período, esta era uma área densamente povoada, repleta de pubs e pousadas. É bem possível que jogos – particularmente aqueles que envolviam apostas – eram jogados ali.


Créditos: Angela Weigand, UiB

Os arqueólogos em Bergen encontraram mais de 30 dados da Idade Média. Fica claro que o uso do item em jogos era popular. Neste caso, no entanto, parece que alguém decidiu melhorar as próprias chances na jogatina, já que esta relíquia não possui o lado de número um e o lado de número dois. No lugar destes, o dado contém um número quatro e um número cinco a mais. O gerente de projeto Per Christian Underhaug suspeita que a relíquia, baseada no contexto em que foi encontrada, foi perdida ou deliberadamente jogada fora.

De acordo com Ingrid Rekkavik, arqueóloga do NIKU, o dado foi provavelmente usado em Passe-diz (também conhecido como Passage, em inglês), um jogo de aposta antigo e de fácil entendimento. Nele, dois jogadores, cada um com três dados, os joga para somar pelo menos dez pontos. O jogador com uma pontuação menor que dez perde. A média de cada jogada é de 10,5 pontos, mas com o dado trapaceiro esta média sobe para 11,5.

Jogos de azar eram tão disseminados na Noruega durante a Idade Média que as autoridades a tornaram ilegal. Uma lei aprovada em 1276 autorizou o rei Ombudsmen a confiscar dinheiro em mesas de aposta e cobrar multas de meio marco de cada jogador, equivalente a 107 gramas de prata. Apesar da aplicação da lei, ainda existe uma boa razão para suspeitar que os jogos de azar continuaram populares na Noruega nos anos seguintes, de acordo com os pesquisadores.


Representação de um jogo de dados medieval. (Ilustração: “Olav the Sacred Saga,” 1899, National Museum)

“É entusiasmante imaginar o último jogo deste dado – teria sido revelado o trapaceiro? Se sim, quais foram as reações dos participantes?”, perguntou Rekkavik em um comunicado. “Era este um animado grupo de amigos em que tal violação seria humoristicamente compensada ou seria este um violente conflito de zangados apostadores? O que aconteceu com o dado? Teria ele sido jogado pelo nervoso trapaceiro correndo para se livrar da evidência? Ou teria ele sido jogado por um oponente, onde ele ficou para ser encontrado 600 anos depois?”

Infelizmente, provavelmente nunca saberemos, mas gosto de imaginar que este inescrupuloso jogador estava sendo socado na cara.

[Norsk institutt for kulturminneforskning via LiveScience]

Imagem de topo: Angela Weigand, UiB

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …