Pular para o conteúdo principal

Tempestades de metano esculpem a superfície da maior lua de Saturno



Por: George Dvorsky

Se você sobrevoar a superfície da maior lua de Saturno, Titã, verá montanhas, rios, lagos e mares, mas você também poderá dar de cara com uma tremenda tempestade. Clima severo não é comum em Titã, mas uma nova pesquisa sugere que, quando o tempo fecha, torrentes de metano líquido são despejados dos céus, causando enchentes e escavando a superfície de gelo da lua.

Titã é a maior das 60 luas de Saturno, cujo tamanho se iguala ao de Mercúrio. Um visitante da Terra reconheceria muitas caracteristicas, incluindo a atmosfera, vulcões, montanhas e dunas de areia. E, assim como a Terra, Titã também tem líquido de fluxo livre em sua superfície, manifestados em rios, lagos e mares. Uma nova pesquisa publicada na Nature Geoscience identifica algumas similaridades que não conhecíamos antes, como padrões climáticos regionais e temporadas de tempestades severas.


Um leque aluvial visto na China. Características similares foram descobertas em Titã, sugerindo a presença de tempestades. (Imagem: NASA)

Que chove metano líquido em Titã nós já sabíamos. Mas Jonathan Mitchell e Sean Faulk, pesquisadores da UCLA que produziram o novo estudo, descobriram que essas tempestades acontecem cerca de uma vez a cada mil anos — são chamadas de “eventos milenares”. Estas tempestades ocorrem uma vez a cada ano Titã, equivalente a 29,5 anos terrestres. Elas são raras, mas não tão raras como anteriormente se acreditava.

Não há nada sutil nessas tempestades, no entanto. Os modeladores climáticos produzidos por Mitchell e Faulk mostram 300 mm de chuva por dia, um valor comparável às chuvas do Furacão Harvey, que bateram recordes.

O principal ponto desta descoberta vem na forma de leque aluvial. Quando a tempestade cai, as intensas chuvas inundam a superfície de gelo da lua da mesma forma que fortes tempestades inundam a superfície rochosa da Terra. O grande fluxo de metano líquido percorre as montanhas, colinas, e as paredes de cânions, coletando e despejando pedaços de areia e sedimentos. Este processo de erosão produz o característico formato triangular dos leques aluviais, que também são encontrados na Terra e em Marte.

Esta imagem da superfície de Titã, capturada pela sonda Huygens, é a única imagem da superfície de um corpo mais distantes que Marte. (Imagem: Nasa/Huygens).

Estas observações foram possíveis graças a saudosa sonda Cassini, que usou o seu radar para detectar os leques aluviais. Conforme apontado pelo estudo, estas características da superfície são primariamente localizadas próximos ao centros dos hemisférios norte e sul, mas mais próximos aos pólos do que aos equadores. Estas variações sugerem, assim como na Terra, que os padrões de precipitação da lua são específicos para cada região; as intensas tempestades são formadas em latitudes mais altas e molhadas, enquanto as condições mais secas persistem nas mais baixas. A Terra possui contrastes similares, com tempestades e nevascas mais comumente presentes na América do Norte e Europa durante o inverno.

As pesadas chuvas e consequentes escoamentos são atores importantes na erosão da superfície e no preenchimento de lagos. Enquanto isso, nas areas onde a chuva é pouca ou até inexistente, a superfície é coberta com dunas de areia. Pesquisas anteriores mostraram que metano liquido tende a ser coletado em latidudes mais altas, mas este é o primeiro estudo a apontar que eventos de tempestades extremas podem desencadear enormes transportes de sedimentos e erosão.

Sobretudo, os cientistas da UCLA não observaram de fato tempestades em Titã. E o motivo é parcialmente devido a duração de um ano Titã; a Cassini pode apenas observar a lua por três estações. As estimativas usadas no estudo foram calculadas por computadores, que simularam o ciclo hidraulico da lua. Com sorte, futuras missões a Titã vão efetivamente capturar estas tempestades em ação.

[Nature Geoscience]

Imagem de topo: A maior lua de Saturno, Titã. É com isso que ela se parecia caso sua grossa e gasosa atmosfera fosse removida. (Imagem: NASA/Cassini)

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…