Pular para o conteúdo principal

Valeu a pena dirigir 20 horas para conhecer esse museu espacial no Kansas



Hutchinson, no Kansas, não é o tipo de lugar onde você iria se não estivesse procurando pela cidade. A calma cidade de pradaria fica a uma boa hora de carro de distância ao sul da I-70, a estrada que a maioria dos viajantes usa para passar pelos 680 quilômetros de pasto e plantação de milho do estado de Kansas o mais rápido possível. Mas assim que eu entrei no museu de telhado prateado, que fica ao lado de um autêntico veículo de lançamento Mercury-Redstone e um foguete Gemini-Titan II, eu descobri que as horas de direção iriam valer a pena. Afinal de contas, com que frequência você é recebido na porta por um avião espião Blackbird?

Para fãs de viagem espacial e história militar, ficar embasbacado ao lado das mais potentes máquinas de voar já feitas, o Cosmosphere, casa da maior coleção internacional de artefatos espaciais da Guerra Fria, a coisa fica cada vez melhor. A expansiva entrada do museu guarda não só um SR-71 Blackbird de 1966, o ano que o famoso avião espião oficialmente entrou na frota da Força Aérea Americana, mas também uma réplica em escala do ônibus espacial Endeavour e os restos torcidos de uma câmera de motor de decolagem do foguete Saturn V, que levou os astronautas da Apolo 11 para a Lua. Ah, e um planetário, e um laboratório de demonstração ao vivo de ciência de foguetes. É um Disney World para nerds espaciais antes mesmo de você chegar nas exposições principais.



Com uma viagem de carro de oito horas pelas Montanhas Rochosas na minha frente, eu decidi passar o show vespertino no planetário, um documentário sobre buracos negros narrado por Liam Neeson, e fui direto para o Hall of Space Museum, que nos dá um tour pela história da viagem espacial desde o começo, nos laboratórios clandestinos do Terceiro Reich.

Na era do turismo espacial comercial e missões para Plutão, é fácil esquecer que o interesse da humanidade na fronteira final veio de um desejo de matarmos uns aos outros. Na Cosmosphere, você vai ficar bem ciente do fato conforme andar através da infame história da Alemanha nazista de “armas de vingança”, os foguetes V1 e V2. Foram os mísseis de alta velocidade, desenvolvidos para aterrorizar cidades como Londres, que estabeleceram a base para a futura viagem espacial, incluindo os foguetes que levaram os humanos para a Lua.

“Muitas pessoas não sabem que foi do exército que surgiu o programa espacial.”

Foguetes não foram o bastante para fazer a Alemanha nazista vencer a guerra, mas nos anos após a rendição dos poderes do Eixo, a tecnologia aeroespacial continuou a dar saltos.

Do pó da Segunda Guerra, o museu lança os visitantes até a Guerra Fria, onde, novamente, a necessidade de aumentar o poder militar encadeou inovações nos foguetes, satélites e, eventualmente, voo espacial humano.

“Muitas pessoas não sabem que foi do exército que surgiu o programa espacial”, Jim Remar, chefe do Cosmosphere, me disse em uma entrevista por telefone. “Esses foguetes, de ambos os lados”, americanos e soviéticos, “estavam sendo desenvolvidos com objetivos militares”.



Um modelo pronto para voar do Sputnik 1, o satélite soviético que virou o primeiro a alcançar a órbita, desmoralizando os americanos e começando uma corrida espacial de décadas, é apresentado ao lado de um modelo do Sputnik 2, a segunda nave em órbita e a primeira a levar uma criatura viva, a famosa cadela espacial Laika. É claro, os Estados Unidos não ficaram para trás durante muito tempo. A coleção está cheia de inovações espaciais antigas dos americanos, incluindo uma réplica do avião foguete Bell X-1, o primeiro avião tripulado a quebrar a barreira do som, e a espaçonave Gemini X, que lançou os astronautas John Young e Michael Collins ao redor da Terra 43 vezes em 1966. Tendo pensado muito sobre o considerável risco que os astronautas modernos correm ao se aventurarem fora da Terra, olhar as pequenas e primitivas cápsulas onde os primeiros pioneiros do espaço entravam por vontade própria para trazer glória aos seus países me dá arrepios.

Quando eu cheguei à galeria Apollo do museu, eu me senti como se tivesse absorvido seis meses de aula de universidade de conhecimento espacial sobre a história espacial mais antiga. Eu não parei lá. Trajes espaciais americanos gastos, uma rocha lunar coletada durante a missão Apollo 11 e o módulo de comando da Apolo 13 são apenas alguns dos artefatos mais famosos que estão em exposição, convidando os visitantes a apreciarem solenemente sua significância histórica enquanto pira por dentro (pelo menos esse foi eu. A turma de alunos de ensino fundamental que estava na minha frente parecia ter outra ideia).



A partir do Apollo, a coleção chega a tempos mais modernos, com sua galeria final mostrando artefatos da era do Ônibus Espacial, a estação russa Mir, e a Estação Espacial Internacional. Olhando para frente, Remar diz, o museu gostaria de continuar expandindo sua coleção em novas tecnologias aeroespaciais, incluindo inovações comerciais da SpaceX e de outros, porque “é certamente a onda do futuro”.

“Eu acho que a exploração espacial do futuro será conduzida em parte pelo setor privado”, ele disse. “Museus como nós estão em posição de contar essa história”.

O Cosmosphere foi fundado como um pequeno planetário em 1962, pela entusiasta do espaço Patty Carey, que cresceu na cidade de Oklahoma antes de se casar e se mudar com seu marido para a cidade de Hutchinson. Achando que o centro dos EUA tinha pouco entretenimento espacial, ela transformou a antiga granja na fazenda de Hutchinson para compartilhar seu amor pelas estrelas com a comunidade. Em 1966, começaram a ganhar popularidade e se mudaram para seu lugar atual, nos campos do Hutchinson Community College, onde o local virou parte dos primeiros planetários associados a uma universidade comunitária do país.



“Então, Patty começou a pensar sobre que outras oportunidades educacionais eles poderiam providenciar”, Remar disse. “Centros de educação científica e museus espaciais estavam começando a desenvolver em grandes áreas metropolitanas, mas não havia tantos no centro dos EUA.”

Eventualmente, por meio da parceria com o Smithsonian Air and Space Museum e a NASA, o Cosmosphere conseguiu diversos milhares de artefatos espaciais ao final da década de 1970, o bastante para começar o museu. Na década de 1980, ele começou a ganhar artefatos soviéticos também, colocando-o na posição de contar a história da corrida espacial na perspectiva dos dois países.

O Cosmosphere teve seus reveses ao longo dos anos, especialmente o escândalo no começo da década de 2000 quando um ex-diretor foi acusado de roubar artefatos preciosos. Mas, hoje, parece que ele está indo muito bem, e programas educacionais fazem mais de 10.000 crianças passarem por suas portas a cada ano.



A minha única reclamação pessoal com a viagem ao Cosmosphere é que eu não tinha tempo o bastante para apreciar tudo. Depois de duas horas, foi hora de voltar para o meu carro alugado, tomando uma limonada de uma lanchonete local e enchendo o tanque para a longa viagem.

Eu poderia facilmente ter passado um dia inteiro lá.

Todas as imagens: Chris Davidson

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…