Pular para o conteúdo principal

Dia do Asteroide alerta sobre rochas que podem destruir a Terra


A iniciativa foi criada em 2014 pelo astrofísico e guitarrista do Queen, Brian May, e conjunto com o cientista americano Bill Nye, o Astrônomo Real do Reino Unido, Martin Rees, e três astronautas. (Divulgação/iStock)

Cientistas e celebridades de todo o mundo vão participar de eventos nesta sexta-feira para conscientizar sobre potencial destrutivo desses corpos celestes

Nesta sexta-feira acontece o Dia do Asteroide, uma jornada mundial para divulgar o potencial devastador desses corpos do sistema solar e a necessidade de proteger a Terra. A iniciativa, criada em 2014 pelo astrofísico e guitarrista do Queen, Brian May, e conjunto com o cientista americano Bill Nye, o Astrônomo Real do Reino Unido, Martin Rees, e três astronautas, tem o objetivo de “garantir a sobrevivência das gerações futuras”, segundo os organizadores.

“Quanto mais aprendermos sobre o impacto de asteroides, mais claro ficará que a raça humana está aqui de passagem”, afirma May, no site do evento. “O Dia do Asteroide é uma forma de o público tomar conhecimento de que podemos ser atingidos a qualquer momento. Uma cidade pode ser apagada apenas porque não sabemos direito o que está lá fora.”

Estratégias de defesa?

Em 30 de junho de 1908, um asteroide de 40 metros de diâmetro causou o maior impacto da história recente quando colidiu em Tunguska, na Sibéria. O corpo celeste derrubou 80 milhões de árvores em uma zona pouco povoada de 2.000 quilômetros quadrados – uma superfície superior ao tamanho de Londres. O Dia do Asteroide foi escolhido para recordar a data e alertar para o fato que, até hoje, ninguém consegue prever com precisão quando será a próxima queda de um asteroide sobre a superfície.

Os cientistas trabalham para melhorar as previsões e descobrir como abortar um possível impacto – incluindo um eventual “asteroide surpresa”, que apareça sem dar sinais prévios. “Cedo ou tarde sofreremos um impacto maior ou menor”, disse Rolf Densing, diretor do Centro Europeu de Operações Espaciais, na Alemanha, comentando a importância da data. “E não estamos preparados para nos defendermos. Não temos medidas ativas de defesa planetária.”

As táticas poderiam consistir em destruir o asteroide com laser, tentar desviá-lo ou enviar um “trator” espacial para arrastá-lo. Mas, primeiro, os cientistas precisam detectar a ameaça e pensar em um plano rápido para combatê-la.

Astrofísicos classificam os corpos celestes por tamanho e pela composição. Os asteroides são rochas que podem medir desde alguns centímetros até 10 quilômetros de diâmetro, como o que extinguiu os dinossauros há 65 milhões de anos. Eles penetram diariamente na atmosfera da Terra, muitas vezes pegando fogo durante a queda, e raramente apresentam algum risco – a agência espacial americana estima que a chance de sermos atingidos por um asteroide potencialmente perigoso nos próximos 100 anos é de apenas 0,01%. A maioria dessas rochas vêm de uma região entre Marte e Júpiter, onde há um grande cinturão de asteroides.

Outros corpos celestes, no entanto, habitam o sistema solar, como os cometas e os meteoroides. Cometas são objetos espaciais compostos por rochas, gelo e gases congelados, e quando chegam perto do Sol, o aquecimento dos gases forma uma cauda luminosa que pode chegar a milhões de quilômetros. Já os meteoroides são pequenas partículas rochosas que normalmente se originaram do rompimento de um cometa ou asteroide. Eles têm um tamanho maior do que um grão de areia e menor do que um asteroide. Quando eles penetram a atmosfera da Terra, podem receber dois nomes – meteoro (ou estrela cadente), quando entra em chamas e é completamente vaporizado, e meteorito, quando sobrevive à descida e ao menos uma parte sua chega ao solo.


Ameaças

Até o momento, especialistas conseguiram catalogar 90% dos asteroides de tamanho potencialmente perigosos e determinaram que nenhum supunha uma ameaça imediata. Estima-se que episódios de impacto com objetos tão grandes como o que atingiu os dinossauros aconteçam uma vez a cada 100 milhões de anos – o próximo, teoricamente, poderia levar ao fim da humanidade.

Os mais preocupantes são os asteroides que têm entre 15 e 140 metros, como o que caiu na Sibéria. Outro episódio relevante foi registrado em Chelyabinsk, no centro da Rússia, em 2013, quando um corpo de 20 metros – que não tinha sido detectado com antecedência – entrou na atmosfera, criando uma energia cinética equivalente a 27 bombas de Hiroshima. A onda de choque fez com que as janelas de quase 5.000 edifícios quebrassem e deixou mais de 1.200 feridos.

Evacuar as cidades

Diante da ameaça, a Europa está criando uma série de telescópios, cuja conclusão está programada para daqui a dois anos. Esta rede “escaneará sistematicamente o céu a cada noite, e qualquer asteroide que se aproxime será detectado com uma antecedência de duas a três semanas”, disse Nicolas Bobrinsky, responsável do projeto de vigilância de asteroides Space Situational Awareness, da Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês).

“Não é muito, mas é melhor do que o que temos agora”, acrescentou. No mínimo, permitirá evacuar cidades e alertar sobre a onda de choque. “Ao contrário de outros riscos naturais na Terra, como tsunamis e terremotos, este é o único que podemos prever”, disse Patrick Michel, astrofísico do Centro Nacional de Pesquisas Científicas da França.

O que se necessita, segundo o especialista, é cooperação entre políticos e agências espaciais e, principalmente, dinheiro. Um sistema para desviar um asteroide requereria entre 300 e 400 milhões de euros, estima Bobrinsky, uma soma minúscula comparada com o custo do desastre potencial.

Os eventos agendados para o Dia do Asteroide podem ser conferidos no site Asteroid Day (em inglês).

(Com AFP)

FONTE: REVISTA VEJA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…