Pular para o conteúdo principal

Incrível descoberta confirma existência de buracos negros supermassivos em órbita um do outro


Ilustração de dois buracos negros supermassivos, parecidos àqueles observados por investigadores da Universidade do Novo México, orbitando-se um ao outro a 750 milhões de anos-luz da Terra.
Crédito. Josh Valenzuela/Universidade do Novo México

Pela primeira vez, astrônomos dizem que conseguiram observar e medir o movimento orbital entre dois buracos negros supermassivos a centenas de milhões de anos-luz da Terra - uma descoberta já esperada há mais de uma década.

Karishma Bansal é estudante do Departamento de Física e Astronomia da Universidade do Novo México e a autora principal do artigo, publicado recentemente na revista The Astrophysical Journal. Ela, juntamente com o professor Greg Taylor e colegas da Universidade de Stanford, do Observatório Naval dos EUA e do Observatório Gemini, têm vindo a estudar a interação entre estes buracos negros há já 12 anos.

"Há muito tempo que tentamos encontrar um par desses buracos negros supermassivos orbitando como resultado da fusão de duas galáxias," comenta Taylor. "Embora tenhamos teorizado tal evento, nunca ninguém havia visto um até agora."

No início de 2016, uma equipe internacional de investigadores, trabalhando no projeto LIGO, detetou a existência de ondas gravitacionais, confirmando a previsão com 100 anos de Albert Einstein e surpreendendo a comunidade científica. Estas ondas gravitacionais foram o resultado de dois buracos negros de massa estelar (+/-30 massas solares) colidindo no espaço. Agora, graças a esta pesquisa mais recente, os cientistas serão capazes de começar a compreender o que leva à fusão de buracos negros supermassivos que criam ondulações no tecido do espaço-tempo e começar a aprender mais sobre a evolução das galáxias e sobre o papel que estes buracos negros desempenham.

Usando o VLBA (Very Long Baseline Array), uma rede composta por dez radiotelescópios espalhados pelos EUA e operado em Socorro, no estado do Novo México, investigadores foram capazes de observar várias frequências rádio emitidas por estes buracos negros supermassivos. Ao longo do tempo, os astrônomos foram essencialmente capazes de traçar a sua trajetória e de confirmá-los como um sistema binário visual. Por outras palavras, observaram estes buracos negros em órbita um do outro.

"Quando o Dr. Taylor me deu estes dados, estava apenas a começar a aprender como os entender," comenta Bansal. "E, quando descobrimos que existiam dados que remontavam até 2003, determinamos que se orbitam um ao outro. É muito emocionante."

Para Taylor, a descoberta é o resultado de mais de 20 anos de trabalho e uma façanha incrível dada a precisão necessária para obter estas medições. A mais ou menos 750 milhões de anos-luz da Terra, a galáxia 0402+379 e os buracos negros supermassivos no seu interior, estão incrivelmente longe; mas também estão à distância perfeita da Terra, e entre eles, para serem observados.

Bansal realça que estes buracos negros supermassivos têm uma massa combinada de 15 bilhões de vezes a do nosso Sol, ou 15 bilhões de massas solares. O tamanho inacreditável destes buracos negros significa que o seu período orbital ronda os 24.000 anos, assim que apesar da equipe já os observar há uma década, ainda não conseguiram ver a menor das curvaturas na sua órbita.

"Imagine um caracol à superfície do recém-descoberto planeta parecido com a Terra em órbita de Proxima Centauri - a 4,243 anos-luz de distância - movendo-se a 1 cm/s; esse é o movimento angular que resolvemos aqui," comenta Roger W. Romani, professor de física na Universidade de Stanford e membro da equipa de investigação.

"O que conseguimos fazer é uma verdadeira conquista técnica ao longo deste período de 12 anos usando o VLBA para alcançar a resolução e precisão suficientes, na astrometria, para ver realmente a órbita a acontecer," acrescenta Taylor. "É um pequeno triunfo tecnológico termos sido capazes de o fazer."

Embora o feito técnico desta descoberta seja realmente surpreendente, Bansal e Taylor dizem que a investigação também nos pode ensinar mais sobre o Universo, sobre a origem das galáxias e da evolução futura.

"As órbitas das estrelas binárias fornecem muitas informações sobre elas," afirma Bob Zavala, astrônomo do Observatório Naval do EUA. "Agora, podemos usar técnicas semelhantes para compreender os buracos negros supermassivos e as galáxias onde residem."

A continuação da observação da órbita e da interação entre estes dois buracos negros supermassivos também nos pode ajudar a melhor compreender o futuro da nossa própria Galáxia. Atualmente, a Galáxia de Andrômeda, que também tem um buraco negro supermassivo no seu centro, está num percurso de colisão com a Via Láctea, o que significa que o evento que Bansal e Taylor estão atualmente a observar, pode ocorrer na nossa Galáxia daqui a alguns milhares de milhões de anos.

"Os buracos negros supermassivos têm muita influência sobre as estrelas em seu redor e no crescimento e evolução da galáxia," explica Taylor. "De modo que sabermos mais sobre eles, e o que acontece quando se fundem uns com os outros, poderá ser importante para a nossa compreensão do Universo."

Bansal diz que a equipe de investigação fará outra observação do sistema daqui a três ou quatro anos para confirmar o movimento e obter uma órbita precisa. Entretanto, a equipe espera que esta descoberta incentive trabalhos relacionados de outros astrônomos espalhados pelo globo.


Mapa VLBA da radiogaláxia 0402+379 a 15 GHz. Alberga dois buracos negros supermassivos no seu centro, legendados C1 e C2.
Crédito: Universidade do Novo México


Mapa colorido, pelo VLBA, da radiogaláxia 0402+379 a 22 GHz. Alberga dois buracos negros supermassivos no seu centro, legendados C1 e C2.
Crédito: Universidade do Novo México


Imagem a cores falsas, pelo VLBA, da radiogaláxia 0402+379 a 15 GHz. Alberga dois buracos negros supermassivos no seu centro, legendados C1 e C2.
Crédito: Universidade do Novo México

FONTE: ASTRONOMIA ONLINE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…