Pular para o conteúdo principal

Baleias bebês ‘sussurram’ para suas mães para evitar predadores


Essa técnica de sobrevivência era desconhecida entre as baleias jubarte até então (iStockphoto/Getty Images)

Conhecidos por seus chamados barulhentos, baleias jubarte antárticas evitam chamar atenção quando um predador está por perto, emitindo sons mais baixos

As baleias jubarte antárticas recém-nascidas e suas mães “sussurram” umas às outras para escapar de potenciais predadores, indica um estudo publicado nesta terça-feira no periódico Functional Ecology, revelando a existência de uma técnica de sobrevivência desconhecida até então. Conhecidos por seus chamados barulhentos, usados para reunir o grupo ou para que os machos possam atrair fêmeas durante as épocas de acasalamento, esses enormes mamíferos evitam chamar atenção quando um predador está por perto, emitindo sons mais baixos em situações de risco potencial.

“Elas não querem nenhum ouvinte indesejado”, disse Simone Videsen, autora principal do artigo e pesquisadora da Universidade de Aarhus, na Dinamarca. “Os predadores potenciais, como as orcas, poderiam ouvir suas conversas e usar isso para localizar o filhote e predá-lo”.

Videsen e sua equipe, junto com pesquisadores de universidades australianas, acompanharam oito baleias bebês e duas mães por 24 horas no golfo de Exmouth, localizando na Austrália Ocidental. É comum encontrar baleias jubarte antárticas na região, que vão lá em busca águas mais quentes para acasalar e dar à luz. Usando etiquetas anexadas aos animais, a equipe de cientistas pode registrar seus guinchos e grunhidos fracos.

“Esses sinais entre a mãe e o filhote são mais silenciosos do que os das baleias jubarte comuns adultas”, disse Videsen, observando que eles eram 40 decibéis mais baixos do que o canto dos machos na área.

Enquanto o grito de um macho pode ressoar sobre uma área de vários quilômetros, as baleias analisadas no estudo só conseguiam ouvir os chamados umas das outras dentro de uma distância de menos de 100 metros, acrescentou. Os sons baixos foram detectados quando os animais estavam nadando, sugerindo que o tom discreto ajuda os mamíferos a permanecer juntos nas águas turvas de reprodução, infestadas de orcas atacando filhotes perdidos.

Estratégia de sobrevivência

Os sons fracos são também uma maneira de impedir que o barulho interfira na alimentação dos animais, espantando as presas. Além disso, os pesquisadores acreditam que mãe e filhote – em seu esforço para passar despercebidos – podem ter desenvolvido um método silencioso para iniciar a amamentação. Em vez de sinalizar a fome vocalmente e arriscar ser descoberto, o filhote “se esfrega em sua mãe”, de acordo com o estudo.

As baleias jubarte podem ser encontradas no Ártico e na Antártica. Cada grupo passa o verão nos polos e viaja para áreas tropicais em seus respectivos hemisférios durante o inverno para se reproduzir.

A investigação científica também lançou luz sobre o crescente problema da poluição sonora no oceano, que pode prejudicar gravemente a vida marinha. “Como a mãe e o filhote se comunicam por ‘sussurros’, o ruído do transporte pode facilmente mascarar esses chamados silenciosos”, provocando potencialmente a separação do par, disse Videsen.

(Com AFP)

FONTE: REVISTA VEJA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…