Pular para o conteúdo principal

Baleias bebês ‘sussurram’ para suas mães para evitar predadores


Essa técnica de sobrevivência era desconhecida entre as baleias jubarte até então (iStockphoto/Getty Images)

Conhecidos por seus chamados barulhentos, baleias jubarte antárticas evitam chamar atenção quando um predador está por perto, emitindo sons mais baixos

As baleias jubarte antárticas recém-nascidas e suas mães “sussurram” umas às outras para escapar de potenciais predadores, indica um estudo publicado nesta terça-feira no periódico Functional Ecology, revelando a existência de uma técnica de sobrevivência desconhecida até então. Conhecidos por seus chamados barulhentos, usados para reunir o grupo ou para que os machos possam atrair fêmeas durante as épocas de acasalamento, esses enormes mamíferos evitam chamar atenção quando um predador está por perto, emitindo sons mais baixos em situações de risco potencial.

“Elas não querem nenhum ouvinte indesejado”, disse Simone Videsen, autora principal do artigo e pesquisadora da Universidade de Aarhus, na Dinamarca. “Os predadores potenciais, como as orcas, poderiam ouvir suas conversas e usar isso para localizar o filhote e predá-lo”.

Videsen e sua equipe, junto com pesquisadores de universidades australianas, acompanharam oito baleias bebês e duas mães por 24 horas no golfo de Exmouth, localizando na Austrália Ocidental. É comum encontrar baleias jubarte antárticas na região, que vão lá em busca águas mais quentes para acasalar e dar à luz. Usando etiquetas anexadas aos animais, a equipe de cientistas pode registrar seus guinchos e grunhidos fracos.

“Esses sinais entre a mãe e o filhote são mais silenciosos do que os das baleias jubarte comuns adultas”, disse Videsen, observando que eles eram 40 decibéis mais baixos do que o canto dos machos na área.

Enquanto o grito de um macho pode ressoar sobre uma área de vários quilômetros, as baleias analisadas no estudo só conseguiam ouvir os chamados umas das outras dentro de uma distância de menos de 100 metros, acrescentou. Os sons baixos foram detectados quando os animais estavam nadando, sugerindo que o tom discreto ajuda os mamíferos a permanecer juntos nas águas turvas de reprodução, infestadas de orcas atacando filhotes perdidos.

Estratégia de sobrevivência

Os sons fracos são também uma maneira de impedir que o barulho interfira na alimentação dos animais, espantando as presas. Além disso, os pesquisadores acreditam que mãe e filhote – em seu esforço para passar despercebidos – podem ter desenvolvido um método silencioso para iniciar a amamentação. Em vez de sinalizar a fome vocalmente e arriscar ser descoberto, o filhote “se esfrega em sua mãe”, de acordo com o estudo.

As baleias jubarte podem ser encontradas no Ártico e na Antártica. Cada grupo passa o verão nos polos e viaja para áreas tropicais em seus respectivos hemisférios durante o inverno para se reproduzir.

A investigação científica também lançou luz sobre o crescente problema da poluição sonora no oceano, que pode prejudicar gravemente a vida marinha. “Como a mãe e o filhote se comunicam por ‘sussurros’, o ruído do transporte pode facilmente mascarar esses chamados silenciosos”, provocando potencialmente a separação do par, disse Videsen.

(Com AFP)

FONTE: REVISTA VEJA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…