Pular para o conteúdo principal

Manifesto quer devolver a Plutão o título de planeta


E de quebra promover outros 100 astros do Sistema Solar que têm gravidade suficiente para ganhar a forma redonda

Há duas maneiras de botar ordem na nossa vizinhança espacial. A mais conhecida do público é a que classifica os astros de acordo com as relações que eles estabelecem entre si: um planeta é uma bola de gás ou rocha que está na órbita de uma estrela. E se uma bola de rocha está na órbita de outra bola de rocha, nós damos a ela o nome de satélite. É um método prático, mas ele tem seus problemas.

Acontece que às vezes um satélite — como aquela Lua que brilha aqui no céu da Terra, com 1.737 quilômetros de raio — é maior que um planeta com 1.187 quilômetros de raio — como Plutão era até 2006, antes de ser rebaixado à condição de planeta-anão pela União Astronômica Internacional (IAU). Um hábito meio medieval de classificar alguém pela família em que nasceu em vez de levar em consideração suas capacidades pessoais.

Um grupo de cientistas liderado por Kirby Runyon, da Universidade Johns Hopkins, nos EUA, está disposto a devolver à Plutão seu título de planeta. Mas sem ofender a Lua no processo. Em um manifesto publicado neste mês, os especialistas defendem que mais de 100 pequenos corpos do Sistema Solar sejam promovidos à condição de planetas — o que, por consequência, subverte o primeiro parágrafo e cria a segunda forma de classificação, muito mais “democrática”.

Segundo eles, planeta é qualquer coisa redonda menor que uma estrela. Ou, para usar um pouco de jargão, “um corpo de massa inferior a de uma estrela que nunca sofreu fusão nuclear e que gera gravidade suficiente para assumir o formato de uma esfera, independente de seus padrões orbitais.”

Além de ter a esperança de mudar tudo, da classificação usada por especialistas às definições de livros didáticos, o grupo dissidente também cutuca os astrônomos, que eles afirmam ser muito diferentes de cientistas planetários. A polêmica já existia em 2015, quando Alan Stern, responsável pela missão New Horizons, da NASA, não gostou nada dos comentários depreciativos que ouviu sobre Plutão.

“Eles [astrônomos e cientistas planetários] são como dois médicos com especialidades diferentes, e chamar um astrônomo para definir um planeta é como ir ao podólogo para fazer uma cirurgia no cérebro”, afirmou Stern. “Você precisa ouvir os cientistas planetários para aprender algo sobre o assunto. Quando nós olhamos um objeto como Plutão não conseguimos encontrar outro nome para ele”.

Ou seja: alivie a barra na hora de julgar a rocha flutuante mais próxima. Talvez ela seja um planeta, e você só seja preconceituoso. Ou um astrônomo.

FONTE: http://super.abril.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…