Pular para o conteúdo principal

Manifesto quer devolver a Plutão o título de planeta


E de quebra promover outros 100 astros do Sistema Solar que têm gravidade suficiente para ganhar a forma redonda

Há duas maneiras de botar ordem na nossa vizinhança espacial. A mais conhecida do público é a que classifica os astros de acordo com as relações que eles estabelecem entre si: um planeta é uma bola de gás ou rocha que está na órbita de uma estrela. E se uma bola de rocha está na órbita de outra bola de rocha, nós damos a ela o nome de satélite. É um método prático, mas ele tem seus problemas.

Acontece que às vezes um satélite — como aquela Lua que brilha aqui no céu da Terra, com 1.737 quilômetros de raio — é maior que um planeta com 1.187 quilômetros de raio — como Plutão era até 2006, antes de ser rebaixado à condição de planeta-anão pela União Astronômica Internacional (IAU). Um hábito meio medieval de classificar alguém pela família em que nasceu em vez de levar em consideração suas capacidades pessoais.

Um grupo de cientistas liderado por Kirby Runyon, da Universidade Johns Hopkins, nos EUA, está disposto a devolver à Plutão seu título de planeta. Mas sem ofender a Lua no processo. Em um manifesto publicado neste mês, os especialistas defendem que mais de 100 pequenos corpos do Sistema Solar sejam promovidos à condição de planetas — o que, por consequência, subverte o primeiro parágrafo e cria a segunda forma de classificação, muito mais “democrática”.

Segundo eles, planeta é qualquer coisa redonda menor que uma estrela. Ou, para usar um pouco de jargão, “um corpo de massa inferior a de uma estrela que nunca sofreu fusão nuclear e que gera gravidade suficiente para assumir o formato de uma esfera, independente de seus padrões orbitais.”

Além de ter a esperança de mudar tudo, da classificação usada por especialistas às definições de livros didáticos, o grupo dissidente também cutuca os astrônomos, que eles afirmam ser muito diferentes de cientistas planetários. A polêmica já existia em 2015, quando Alan Stern, responsável pela missão New Horizons, da NASA, não gostou nada dos comentários depreciativos que ouviu sobre Plutão.

“Eles [astrônomos e cientistas planetários] são como dois médicos com especialidades diferentes, e chamar um astrônomo para definir um planeta é como ir ao podólogo para fazer uma cirurgia no cérebro”, afirmou Stern. “Você precisa ouvir os cientistas planetários para aprender algo sobre o assunto. Quando nós olhamos um objeto como Plutão não conseguimos encontrar outro nome para ele”.

Ou seja: alivie a barra na hora de julgar a rocha flutuante mais próxima. Talvez ela seja um planeta, e você só seja preconceituoso. Ou um astrônomo.

FONTE: http://super.abril.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…