Pular para o conteúdo principal

Domingo com eclipse do Sol (26/02/17)

Eclipse solar em 26 de fevereiro de 2017
Na manhã do domingo, 26 de fevereiro, quase todo o Brasil poderá ver um eclipse solar. Este será o segundo eclipse em fevereiro. No dia 10 tivemos um eclipse lunar, mas agora será um solar.
O professor Marcos Calil, do Momento Astronômico, o canal de Astronomia da Climatempo, fará a transmissão ao vivo do evento de São Paulo, em parceria com o colégio Dante Aleghieri e o professor Ednilson Oliveira.

Qual a diferença entre um eclipse solar e um lunar?
Os eclipses envolvendo o Sol, a Terra e a Lua acontecem somente quando os três corpos celestes se encontram praticamente em linha reta. Isto permite que a sombra da luz solar atinja o corpo eclipsado. A posição relativa entre o Sol, a Lua e a Terra define se o eclipse é solar ou lunar.
No eclipse lunar, o planeta Terra fica entre o Sol e a Lua. A sombra da Terra é projetada na superfície da Lua.
No eclipse solar, a Lua passa entre o Sol e a Terra. A sombra do disco lunar é projetada sobre a superfície da Terra.



Tipos de eclipse solar

Durante um eclipse solar, dependendo da distância entre a Lua e a Terra na hora do evento, a sombra da Lua pode cobrir totalmente o Sol. Nesta situação, para quem está vendo da Terra, o tamanho da Lua aparenta ser praticamente o mesmo do Sol. Assim, temos o eclipse solar total que é representado pela figura "A".
Quando o disco lunar não consegue cobrir completamente o disco solar temos o eclipse solar anular, que é a imagem representada pela letra "D" . O tamanho aparente do disco lunar é menor que o disco solar. Visualmente no eclipse anular, o disco lunar aparenta estar completamente rodeado por um anel de luz do Sol.
O eclipse solar parcial acontece nas situações intermediárias, representadas pelas letras "B" e "C".
Tecnicamente teremos um eclipse solar chamado de anular, mas na maioria das áreas onde o evento será visível, o eclipse será visto como parcial. O visual do Sol, para quase todo o Brasil, será do disco solar com um pedacinho escurecido, como se fosse uma "mordida" no Sol. O tamanho da "mordida" varia bastante de acordo com posição geográfica.



O eclipse anular mesmo, como mostrado na figura abaixo, só será visto em pequenas áreas do extremo sul da América do Sul, numa estreita faixa que cruza o sul da Patagônia chilena e argentina, e em pequena parte de alguns países da África: faixa central de Angola e na fronteira entre a República do Congo e a Zâmbia.



O que o Brasil vai ver?

O eclipse poderá ser visto em quase todo o Brasil como um eclipse parcial. Olhando para o Sol vamos ver pequenas porções do disco solar escurecidas. A parte escura é a "mordida", que é na verdade a sombra da Lua projetada no Sol. O tamanho da "mordida" depende da posição geográfica. Quanto mais próximo da linha do Equador, menor será a sombra da Lua (a mordida). Assim, quem está no Nordeste do país verá só um pedacinho do sol escurecido.
Quanto mais para o sul, maior será o sombreamento da Lua sobre o disco solar (maior o tamanho da "mordida"), maior será a porção do disco solar coberta pela sobra da Lua.
Em algumas regiões do Brasil, o eclipse não será visível em nenhum momento. É o caso de quase toda a Região Norte do Brasil e de uma parte do estado do Maranhão. A capital maranhense, São Luís, não verão este eclipse solar. Das capitais do Norte, apenas Palmas verá uma porção bem pequena do Sol eclipsado.

Veja como o eclipse solar de 26/02/17 será visto em cada capital brasileira?


Previsão de nebulosidade na manhã do dia 26/2/17

O eclipse solar do dia 26 de fevereiro só poderá ser observado se a nebulosidade permitir.
De forma geral, quase todo o Brasil terá muita nebulosidade na manhã do domingo, 26. Então, não conte com aquela manhã linda ensolarada e com céu azul. Para ver o eclipse solar será necessário uma certa dose de paciência com as nuvens, na maioria das áreas do país.

ALERTA: NÃO podemos olhar para o Sol sem proteção porque o risco é de cegueira mesmo!
É MUITO IMPORTANTE usar a proteção correta para os olhos para ver o eclipse.

Como proteger corretamente os olhos para ver o eclipse solar?
A maneira mais simples, segura e barata para proteger os olhos durante a observação do eclipse solar é usar um pedaço de filtro de soldador número 14. Este filtro deve ser colocado próximo aos olhos.
Siga estas dicas para não ter problema!



Embora seja difícil de achar, existem óculos solares que são especiais para fazer observação do Sol e custam pouco.

O que NÃO usar para ver o eclipse solar

Não use telescópios e nem binóculos comuns. Há técnicas, filtros e equipamentos específicos e seguros para fazer a observação do Sol.
No Momento Astronômico, o professor Marcos Calil dá discas especiais sobre como usar telescópios para fazer a observação do Sol.





FONTE: http://www.climatempo.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…