Pular para o conteúdo principal

Livro conta a história dos astrônomos que deram início à exploração solar


(ILUSTRAÇÃO: BÁRBARA MALAGOLI)

Astrofísico dedicou cinco anos de sua vida aos estudos solares dos séculos 18 e 19

Jornalista e astrofísico, Stuart Clark passou cinco anos de sua vida cortejando os reis do Sol. Durante o período, pesquisou sobre os astrônomos europeus pioneiros nos estudos solares dos séculos 18 e 19, principalmente o britânico Richard Carrington. Clark fala sobre seu livro recém-lançado no Brasil, Os Reis do Sol (Editora Record).

Houve algum fato em particular que tenha descoberto durante a pesquisa que o intrigou muito?
Em uma carta particularmente pungente, Carrington lamentava que tempos difíceis poderiam forçá-lo a vender seu observatório: estava tão claramente aflito que minha vontade era voltar pelos séculos e confortá-lo como a um amigo.

Como os Reis do Sol deram à luz a astronomia moderna?
Antes, a astronomia apenas mapeava as estrelas para a navegação. A tempestade solar gigante de 1859 fez os astrônomos quererem entender a natureza dos astros, em vez de só aceitá-los como luzes cintilantes no céu. Viraram astrofísicos.

E se essa tempestade viesse hoje?
Nossa tecnologia estaria em perigo. Em 1989, uma tempestade solar bem menor deixou milhões sem luz no Canadá. Podemos nos proteger prevendo as tempestades. Espaçonaves teriam de ser desligadas. Malhas inteligentes podem “aterrar” correntes excessivas e dissipar a energia com segurança, em vez de canalizá-la para os transformadores.

O que poderíamos aprender com um evento desse porte?
Monitoramos o Sol constantemente e aprendemos sobre o clima espacial. O evento observado por Carrington é o “cenário pesadelo”. Ainda bem que é raro, espero que se passem séculos antes de vermos algo dessa magnitude. Se ocorresse amanhã, aprenderíamos quão robusta é nossa tecnologia. E veríamos auroras incríveis!

A tempestade descrita no livro mostrou que somos vulneráveis. Como isso mudou o entendimento de nosso lugar no cosmos?
A raça humana está conectada ao Sol da mesma forma que os antigos egípcios eram ligados ao Nilo. Não podiam controlar as inundações, mas precisavam delas para as colheitas. Nós precisamos da luz e do calor do Sol, mas não temos controle das tempestades que ameaçam nossa tecnologia. Essa percepção mostrou como somos pequenos no grande esquema das coisas. Foi uma experiência que nos ajudou a olhar para o cosmos com a admiração que persiste até hoje.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…