Pular para o conteúdo principal

A simulação de um macaco falando como um humano é assustadora


Uma nova pesquisa mostra que os macacos têm um trato vocal capaz de emitir uma fala parecida com a humana. No entanto, eles não contam com um circuito cerebral que formam as palavras. Isso pode ser algo bom, pois ouvir uma simulação vocal de como eles falariam é bem esquisito.

Por quase quatro décadas, cientistas pensavam que a falta de habilidade de primatas não-humanos de produzir a fala tinha relação com limitações anatômicas no trato vocal. Autópsias feitas em macacos pareciam indicar um alcance vocal muito limitado comparado aos humanos.

Um novo estudo publicado no periódico Science Advances sugere que este pensamento está errado, e que pelo menos uma espécie de macaco, no caso os macacos do velho mundo, possui uma anatomia vocal que produz uma fala claramente inteligível. Como observam os pesquisadores do Princeton Neuroscience Institute no paper, a aparente falta de habilidade de produzir sons humanos tem mais relação com os limites no cérebro do macaco.

Para mostrar isso, o neurocientista Asif Ghazanfar e seus colegas investigaram a extensão de movimentos da anatomia vocal do macaco do novo mundo para saber quais sons seriam produzidos. A pesquisa usou vídeos em raio-X para capturar as peculiaridades e então traçar os movimentos das diferentes partes da anatomia da espécie, inclusive a língua, lábios e a laringe, pois o objeto de teste emitiu vários sons e fez diferentes movimentos faciais. Cientistas do laboratório de inteligência artificial VUB, na Bélgica, usaram esses dados em um modelo computacional para prever e então simular como seria a extensão vocal do macaco.

Os resultados demonstram que um macaco do velho mundo, se tivesse capacidade neural para falar, não se pareceria precisamente com um humano, mas sua fala seria compreendida pelo ouvido humano. No exemplo, abaixo, uma simulação do macaco dizendo: “will you marry me?” (você quer casar comigo?).





A fala humana é produzida pela laringe, que é alterada pela posição de outros elementos anatômicos vocais, incluindo os lábios e a língua. Por exemplo, pense como seu rosto muda ao dizer as palavras em inglês “bat” e “bot”. Os macacos, sugere a pesquisa, têm esta mesma capacidade.

Os pesquisadores suspeitam que a presença de um trato vocal parecido com o humano em espécies antigas como os macacos do velho mundo sugere que outros primatas, incluindo outros símios como o chimpanzé, também o tenham. Pode ser uma boa ideia estudar os chimpanzés para ver se eles têm algumas redes neurais que seus primos macacos não têm, e comparar as diferenças com as dos humanos. Consequentemente, os primatas poderiam ser usados como modelos para entender o desenvolvimento inicial da fala humana e a evolução da fala humana.

“Agora ninguém pode dizer que é algo da anatomia vocal que limita os macacos de falarem — tem algo relacionado com o cérebro”, disse Ghazanfar em um comunicado. “Mesmo que esta descoberta se aplique apenas a macacos do velho mundo, ela ainda desmistifica a ideia de que a anatomia limita a fala em não-humanos. Agora, surge uma nova pergunta interessante: o que faz o cérebro humano tão especial?”

A resposta a essa pergunta pode não ser simples. A fala humana, junto com a capacidade de entendimento de uma linguagem, envolve um grande número de capacidades mentais, como a habilidade de converter um objeto ou um conceito em uma palavra, a aplicação da gramática e a capacidade de linguagem recursiva, na qual conceitos estão embutidos dentro de outros conceitos. Humanos e primatas têm uma série de coisas em comum, mas quando o assunto é uso da linguagem, nós claramente estamos longe deles.

[Science Advances]

Imagem do topo: imagem de raio-X de um macaco do velho mundo (imagem por Asif Ghazanfar, Princeton Neuroscience Institute)

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…