Pular para o conteúdo principal

O oceano de água líquida de Plutão pode ser extremamente profundo



Nos últimos meses, as evidências de que existe um oceano de água líquida sob a superfície congelada de Plutão tem ganhado muita força. Modelos propostos por pesquisadores da Universidade Brown sustentam essa hipótese e dá um passo além: o oceano do planeta pode ter mais de 100 quilômetros de profundidade.

A conclusão, que foi publicada nesta semana na Geophysical Research Letters, foi obtida pela simples observação da Sputnik Planum, aquela mancha enorme que tem forma de coração. A Sputnik Planum fica exatamente no eixo das marés, ligando Plutão à sua maior lua, Charon.

Como outros pesquisadores observaram, a posição da mancha sugere que a anomalia tem massa positiva. A teoria é de que o asteroide responsável por criar a Sputnik Planum teria atingido alguma região próxima ao polo norte do planeta, mas com o passar do tempo o material pesou e fez ele tombar.

Porém, o que teria causado uma grande densidade à região não é algo tão simples.

“Uma cratera de impacto é basicamente um buraco no chão”, diz o líder do estudo, Brandon Johnson, em um comunicado. “Você está pegando um monte de material e o jogando contra algo, então você espera que ele cause uma anomalia negativa, mas não é isso que vemos na Sputnik Planum. Isso fez com que as pessoas pensassem sobre como seria possível ter uma anomalia positiva.”

Esta é uma possibilidade: depois que a cratera se formou, o solo se recuperou, puxando água do interior de Plutão. (Outros estudos indicam que pode existir uma camada muito profunda de líquido, mantida quente por um núcleo rochoso.) O fato da água ser mais densa que o gelo poderia fazer a Sputnik Planum mais pesada do que os arredores.

Mas quanta água, exatamente, é necessária para fazer o coração de Plutão pesado o suficiente? Essa é a pergunta que Johnson e seus companheiros procuram responder, executando uma série de modelos colisionais. Os resultados mostram que, para reproduzir a forma atual da mancha, seria necessário um oceano subsuperficial com mais de 100 quilômetros de profundidade, com níveis de salinidade de aproximadamente 30%. (A salinidade aumenta a densidade da água, aumentando a anomalia positiva da massa.)

Uma salinidade de 30% é algo perto do que temos no Mar Morto — algo extremo, mas que não está fora da nossa experiência terrestre. Um oceano com 100 quilômetros de profundidade, por outro lado, é algo bem fora da nossa realidade. As partes mais profundas do nosso oceano têm pouco mais de 10 quilômetros.

Estamos falando de algo 10 vezes mais profundo, num objeto que é pequeno demais para ser considerado um planeta, no limite congelado do nosso sistema solar.

[Brown University News]

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…