Pular para o conteúdo principal

Astronauta Scott Kelly ganhou 5 cm de altura após passar um ano no espaço



O astronauta Scott Kelly passou 340 dias na Estação Espacial Internacional e retornou à Terra esta semana. Pelo visto, a estadia espacial teve alguns efeitos curiosos no corpo dele, pois Scott agora está 5 cm mais alto que o irmão gêmeo.

Aparentemente, isso era esperado: livre dos limites da gravidade, a espinha de uma pessoa tende a se alongar na ausência de gravidade.

Infelizmente, Kelly não conseguirá manter sua vantagem de altura por muito tempo, agora que ele está de volta à Terra – a menos que ele faça yoga, talvez.

O corpo de Scott está nos ajudando a responder algumas questões sobre o efeito prolongado do espaço em humanos – incluindo o que a ausência crítica de gravidade faz com a nossa visão, e se a radiação adicional mexe em nosso DNA.

Scott passou 340 dias consecutivos no espaço, um recorde para astronautas americanos. Esse é quase o tempo que astronautas terão de ficar em uma nave espacial para viajar a Marte e voltar. Assim, o corpo de Scott ofereceu à NASA uma oportunidade valiosa para compreender o que nossos futuros exploradores de Marte vão enfrentar ao longo do caminho.

Durante a missão de um ano, um pequeno exército de pesquisadores médicos vem monitorando as funções corporais de Scott e comparando o astronauta com seu irmão gêmeo, o astronauta aposentado Mark Kelly. São diversos exames de sangue, exames médicos e avaliações cognitivas.

Visão e fluidos
A missão de Scott pode ajudar a NASA a entender como a redistribuição dos fluidos corporais em gravidade zero impacta a nossa saúde e, principalmente, a nossa visão.

“Eu gosto de chamar isso de a investigação biomédica mais complexa já feita na estação espacial,” diz John Charles, cientista-chefe do Programa de Pesquisa em Seres Humanos da NASA, ao Gizmodo.

Na Terra, a força da gravidade está constantemente puxando nossos fluidos corporais para baixo. Enquanto isso, no espaço, tudo – o sangue, a urina, o fluido intersticial que rodeia nossas células – está livre para se redistribuir uniformemente da cabeça aos pés. Como aponta a NASA no gráfico informativo abaixo, dois litros de líquido nas pernas de Scott Kelly se deslocaram em direção à cabeça dele durante seu primeiro ano no espaço.


Crédito da imagem: NASA

O efeito mais óbvio da redistribuição de fluidos é a “cara de lua”, aquela aparência de bochechas inchadas que os astronautas ganham após um curto período de ausência de peso. Mas existem efeitos potencialmente mais sinistros, incluindo a deterioração da visão.

Como o ex-cientista-chefe da HRP, Mark Shelhamer, explicou ao Gizmodo no ano passado, astronautas vão ao espaço com visão perfeita e muitas vezes voltam para a Terra um pouco míopes.

A NASA acredita que isto é causado por um aumento na quantidade de líquido que rodeia o cérebro, o que exerce uma pressão adicional sobre o nervo óptico, deformando os globos oculares do astronauta. Mas quanto tempo dura o comprometimento da visão? Isso pode se tornar grave? Isso ainda não é bem compreendido.

Durante a missão de Scott, o estudo Fluid Shift da NASA vem investigando isso usando o traje russo Chibis: um par de volumosas calças de borracha que agem como um aspirador de pó, sugando o ar ao redor das pernas para imitar os efeitos da gravidade. O processo, que vem ocorrendo no lado russo da ISS durante anos, foi criado para ajudar os cosmonautas a se reajustarem à gravidade, antes de retornarem à Terra.

Várias vezes ao longo do ano, Scott e o cosmonauta russo Mikhail Kornienko vestiram o traje e sentiram o sangue sair do rosto enquanto cientistas russos e americanos monitoravam a frequência cardíaca, visão e distribuição de fluidos corporais em cada astronauta. “Ao restabelecer a distribuição normal dos fluidos, nós queremos ver se o olho responde rapidamente”, diz Charles ao Gizmodo, acrescentando que, embora “pareça que o experimento teve algum efeito”, sua equipe precisa de mais tempo para analisar os dados.


Um paciente usando uma versão do traje russo Chibis na ISS, via NASA

Mutações no DNA
Enquanto isso, outro estudo está investigando se a radiação adicional no espaço exterior danificou o DNA de Scott. Esta é uma questão importante quando consideramos o envio de pessoas a Marte: por todo esse caminho, elas serão expostas a um nível de radiação ultravioleta centenas de vezes maior do que na superfície da Terra, bem como raios cósmicos ainda mais perigosos.

Como, exatamente, o espaço exterior transforma e altera o nosso DNA? Esse é um assunto que Scott pode nos ajudar a entender, porque ele tem um irmão gêmeo com exatamente o mesmo código genético. “Acho que o aspecto genético irá revelar um dos resultados mais importantes desta missão”, diz Charles.

Ao comparar o DNA de Scott com o de seu irmão, a NASA espera descobrir se uma viagem muito longa no espaço leva a mudanças significativas. Isto inclui alterações nos telômeros dos irmãos Kelly, “tampas” nas extremidades do nosso DNA que protegem nossos cromossomos contra danos. Os nossos telômeros naturalmente ficam mais curtos ao longo de nossas vidas, o que causa o envelhecimento celular. Mas o estresse do voo espacial pode fazê-los se reduzir mais rapidamente, acelerando o relógio biológico de um astronauta.

Os principais resultados do grande experimento de Scott Kelly ainda estão por vir, e a NASA já está pensando em mandar mais astronautas para passarem um ano no espaço. Estamos todos ansiosos para viagens interestelares e colonização de Marte, mas, primeiro, temos muito a aprender sobre como o corpo humano responde ao vazio escuro e frio do espaço exterior.

Primeira foto por NASA/Flickr

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…