Pular para o conteúdo principal

A forma surpreendentemente óbvia que podemos caçar vida alienígena



Uma equipe de astrônomos está propondo uma nova forma de caçar vida inteligente que parece bem óbvia quando você para pra pensar: nós precisamos ser os alienígenas. Ou, ao menos, precisamos nos colocar no lugar deles e pensar em que parte do céu precisamos estar para que consigam nos ver.

Encontrar outros seres como nós certamente mudaria o mundo, mas não é algo simples de ser feito. A Busca por Inteligência Extraterrestre (SETI, na sigla em inglês) está atrás deles desde a década de 1960, e até agora só conseguiu vasculhar uma pequena parte do céu em busca de sinais de rádio.

Astrobiólogos já propuseram diversas formas de melhorar a busca: nos concentrando em aglomerados ricas em estrelas, ou então direcionando nossos instrumentos para o centro galático, onde as taxas maiores de formação estelar implicam em mais possibilidades de encontrar mundos habitáveis – ou talvez, o mais importante, onde uma espécie inteligente possa ter instalado um farol.

Outra forma de pensar sobre o problema é perguntar onde no cosmos a vida alienígena poderia nos ver. Se existem pessoas por aí buscando mundos habitáveis da mesma forma como estamos, onde eles precisam estar para espionar um planeta com 70% da superfície coberta por oceanos, uma atmosfera rica em nitrogênio, orbitando a 149.600.000 km de uma estrela tipo-G, mais ou menos no meio do caminho entre o centro galático e a borda da Via Láctea?

Se nossos vizinhos cósmicos conseguirem ver a Terra conforme ela transita o Sol, então, dizem René Heller e Ralph Pudritz no Astrobiology, eles podem estar nos enviando um sinal. É por isso que Heller e Pudritz sugerem que devemos voltar os ouvidos para a “zona de trânsito” da Terra, uma pequena faixa do espaço contendo aproximadamente 100.000 estrelas em potencial.

100.000 parece muita coisa, mas é muito menos assustador quando você considera as 100 bilhões de estrelas na Via Láctea – e é esse o volume do espaço que conseguimos ver com nossos telescópios de rádio. No ano passado, o bilionário russo Yuri Milner inaugurou o Breakthrough Listen, um esforço de US$ 100 milhões para descobrir vida alienígena. Isso significa que agora o SETI tem tanto uma fonte de financiamento quanto um potencial mapa a seguir.

Em relação a qualquer argumento “nós deveríamos olhar ali para encontrar aliens!”, tem muita coisa que não sabemos ainda. Não sabemos se existem alienígenas por aí. Se existir vida inteligente em algum lugar, não podemos garantir de maneira alguma que eles usem telescópios e ondas de rádio para estudar as estrelas. Na verdade, filósofos e pesquisadores do SETI defendem que qualquer civilização que conseguirmos detectar será uma civilização bem antiga – e, assim, eles podem ter um conhecimento tecnológico muito superior ao nosso. Talvez não seja uma boa ir atrás deles. Talvez eles não queiram ser vistos.

Mas está na nossa natureza explorar e fazer essas perguntas. E se vasculhar a zona de trânsito da Terra aumenta a chance de acabar com a nossa solidão cósmica – e ainda encontrar vida inteligente com conhecimento tecnológico comparável ao nosso – eu diria que vale o esforço.

[Astrobiology via Motherboard]

Imagem de topo: Cluster Abel 1689, via Wikimedia

FONTE: RT NOTICIAS

Comentários

  1. Enquanto isso KIC 8462852 vai ficando nas sombras...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…