Pular para o conteúdo principal

Inteligência artificial demonstra criatividade criando ficção


O resultado é muitas vezes maluco, mas às vezes funciona, criando ficções que fazem sentido. [Imagem: Kuziki]

Ideação

Pesquisadores do projeto europey WHIM acreditam ter alcançado um grande avanço no campo da criatividade computacional.

Eles desenvolveram um programa de computador que não apenas gera enredos totalmente ficcionais, mas também julga a sua utilidade e o potencial apelo de cada ficção junto aos humanos.

WHIM é um acrônimo para What-if Machine, algo como "máquina do O que acontece Se".

"O WHIM é um antídoto para a inteligência artificial convencional, que é obcecada com a realidade. Estamos entre os primeiros a aplicar a inteligência artificial à ficção," explica Simon Colton, coordenador do projeto e professor da Universidade de Londres.

A "Máquina-O Que-Se" também é o nome da primeira "ideação" ficcional computadorizada - ideação é o processo criativo de gerar, desenvolver e comunicar novas ideias.

Inteligência artificial aplicada à ficção

O software gera mini-narrativas ou histórias de ficção utilizando técnicas de processamento de linguagem natural e um banco de dados de fatos extraídos da web, que funciona como um repositório de fatos "verdadeiros". O software então inverte ou torce os fatos para criar questões do tipo "O que acontece se".

O resultado é muitas vezes maluco, como "E se houvesse uma mulher que acordasse em um beco como um gato, mas ainda pudesse andar de bicicleta?" Mas muitas vezes funciona, criando coisas que fazem sentido. Como as ideias geradas são, em última instância, destinadas ao consumo humano, esses resultados são avaliados por voluntários.

"Pode-se argumentar que a ficção é subjetiva, mas há padrões," diz o professor Colton. "Se 99% das pessoas acham que um comediante é engraçado, então poderíamos dizer que o comediante é engraçado, pelo menos na percepção da maioria das pessoas."

Os pesquisadores também estão tentando ensinar os computadores a produzir ideias metafóricas e ironias, invertendo e cruzando estereótipos coletados na web.

Criatividade computacional

Embora muitas das ideias de ficção geradas pareçam lunáticas, o projeto é baseado em ciência sólida. O esforço é parte do emergente campo da "criatividade computacional", um empreendimento interdisciplinar localizado no cruzamento da inteligência artificial, psicologia cognitiva, filosofia e artes.

Os programas criados pelo projeto poderão ter aplicações em vários domínios. Em uma iniciativa, há planos para transformar as narrativas ficcionais em jogos de vídeo. Outra iniciativa envolve o projeto computacional de uma produção teatral, incluindo o enredo, o cenário e a música. Todo o processo está sendo filmado para um documentário.

A criatividade computacional também poderia ser usada pelos moderadores em conferências científicas para fazer perguntas aos entrevistados, a fim de explorar diferentes hipóteses ou cenários, ou ajudar em processos de "tempestade cerebral" (brainstorming).

O projeto WHIM, que continuará até 2016, conta com pesquisadores de cinco universidades e financiamento da União Europeia de €1,7 milhão (cerca de R$ 6 milhões).

FONTE: http://www.inovacaotecnologica.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …