Pular para o conteúdo principal

Encontro no espaço entre EUA e URSS completa 40 anos


Concepção artística do encontro em órbita entre a nave soviética Soyuz e a norte-americana Apollo

Nesta sexta-feira, 17 de julho, completou-se 40 anos do histórico encontro em órbita entre a nave soviética Soyuz e a norte-americana Apollo. Em 1975, o evento marcava oficialmente o fim da corrida espacial entre Estados Unidos e URSS, com o início de uma colaboração mútua que persiste até hoje, agora com a Rússia.

Os protagonistas foram os astronautas da Nasa Tom Stafford, Deke Slayton e Vance Brand e os cosmonautas russos Aleksey Leonov e Valery Kubasov. Chamada de "Programa de Teste Apollo-Soyuz", a missão previa o encontro em órbita das naves para permitir às duas tripulações que passassem de uma cápsula para a outra.

No entanto, foi bem mais que isso. Se o módulo de conexão, projetado pelas duas potências e construído nos EUA, provou que duas naves diferentes podiam se unir em órbita, o lado humano do evento, enfatizou a Nasa, foi em outra direção. Nesse encontro no espaço, as duas tripulações demonstraram que, em poucos minutos, é possível derrubar barreiras culturais, políticas e linguísticas.

Era a época da Guerra Fria e no início havia bastante tensão.

"Pensava que iríamos encontrar pessoas muito agressivas, e eles provavelmente também achavam que éramos monstros cruéis. Mas esse muro foi destruído rapidamente, porque quando você lida com pessoas que fazem o mesmo trabalho que o seu e você se vê frente a frente com elas, descobre que são humanos como você", disse Brand.

Outro problema a ser superado foi a língua. "O programa previa que cada tripulante deveria dialogar em seu próprio idioma, mas isso não funcionou e, em certo momento, alguns astronautas passaram a falar um na língua do outro, e foi assim que começamos a nos comunicar", afirmou Stafford. (ANSA)



FONTE: http://noticias.uol.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …