Pular para o conteúdo principal

Sobre ovnis, ETs e outro mundo: saiba como foi o fórum de contatados em Porto Alegre



Era um ET loiro que se comunicava por telepatia, tinha 1m80cm e flutuava em uma bolha a três palmos de altura, na beira do mar. Havia um desenho dele nos dois telões, ilustrando a história que o major Welliston Paiva, do Ceará, contava no palco.

– Sentei na areia e começamos a conversar – disse o major.

Girei a cabeça na minha cadeira: 500 pessoas sentadas no centro de eventos do Hotel Plaza São Rafael, todas muito sérias. Tinha senhoras de cachecol e sobretudo, advogados e empresários anotando as orientações de Welliston sobre como fazer contato com extraterrestres. Nada de fãs de ficção científica. Nada de figuras exóticas prevendo ataques alienígenas.

A faceta mais incomum do 3º Fórum Mundial de Contatados, que reuniu no fim de semana palestrantes que garantem ter sido abduzidos, ficava a cargo dos próprios conferencistas – suas histórias serão reveladas em seguida, mas já adianto que envolvem gente traumatizada e uma visita a outro planeta. A peculiaridade do público só veio à tona quando o ufólogo Francisco Pires de Campos perguntou:

– Quem aqui já avistou um objeto voador não identificado?

Setenta por cento da plateia ergueu o braço. Eu, que nunca vi nada – mas também nunca fui cético –, confesso ter ficado tenso com a palestra de Juan Oscar Pérez (foto abaixo), 47 anos, um peão de fazenda do interior da Argentina. Porque, vá lá, talvez fosse possível duvidar da história dele, mas ninguém duvidaria de que ali havia um homem perturbado.



– Não é fácil falar sobre isso, não quero que nada disso ocorra com ninguém. Só serviu para eu viver com medo e para todo mundo me chamar de louco – começou Juan, franzindo ainda mais o rosto de índio guarani.

Quando tinha 12 anos, como fazia todo dia, montou em um alazão e saiu pelo pampa em busca dos outros cavalos – seu trabalho era guardá-los no estábulo. Havia uma espessa neblina naquela tarde, e Juan galopava sem enxergar nada, tentando guiar-se pelo barulho das sinetas que os equinos carregavam no pescoço. Lá pelas tantas, o nevoeiro sumiu. Achou estranho.

Discos imensos e luminosos

Olhou para trás e a bruma seguia ali, como uma parede de nuvens erguida do solo ao céu. Virou-se para a frente outra vez e deu de cara com um imenso disco prateado e luminoso, suspenso a dois metros do chão. Uma espécie de escada rolante se derramava da porta.

– Foi isso que eu vi na praia! Só não tinha a escada, mas foi isso que eu vi na praia! – cochichou para o marido uma senhora à minha frente.

– Amarrei o cavalo no corrimão. Não tive medo, era criança – continuou Juan. – E aí aquele ser muito estranho desceu de lá.

Luva alienígena perdida no pampa

Pérez gaguejava ao descrever o forasteiro: tinha pelo menos três metros de altura. Vestia um macacão brilhoso, colado no corpo e tapando tudo, inclusive a cabeçorra quadrada. Da altura do nariz, saía-lhe uma mangueira que terminava no interior da nave. Não havia comunicação telepática, e o alienígena murmurava um “gru-gru” incompreensível. Com um gesto largo, o ET chamou o argentino para subir. O menino topou.

Não era possível ver as paredes nem o painel, porque tudo brilhava demais dentro da nave, mas havia outros alienígenas baixinhos correndo de um lado para o outro e cortando o que parecia ser carne em uma bacia. O grandão saiu de perto, então Juan decidiu descer e procurar os cavalos, era melhor voltar para casa – mas lá embaixo havia outro extraterrestre de três metros segurando seu alazão pela corda.

– Ele segurava o cavalo com a facilidade com que eu seguro um ursinho de pelúcia. Pedi para me colocar em cima do bicho, gesticulei com a mão, mas ele entendeu errado: tirou a própria luva e me deu – contou Juan, que ainda lembra da mão verde do tamanho de uma raquete de tênis, com o dedo do meio mais curto do que os outros quatro.

– Não pode ser. Se ele levou a luva, é mentira. ET nenhum deixaria uma prova dessas – comentou Inácio dos Santos Melo, 50 anos, analista de sistemas que assistia ao meu lado à palestra.

Pois Juan saiu montado, agarrado na luva, só que duas outras naves dispararam voando atrás dele. Uma espécie de bumerangue vermelho ia e voltava a centímetros de sua cabeça, até que o aparelho bateu certeiro na luva, que caiu na grama e ficou para trás.

– Só tenho uma sequela: eu sonho com as coisas e elas acontecem – finalizou o argentino. – Previ um acidente no mês passado, duas motos se chocando. Não falei para ninguém porque me chamariam de louco, mas uma moça morreu. E sonhei com isso aqui também. Eu vi esse congresso, vi vocês na minha frente.

Depois de Juan, palestraram também a bisneta do ex-presidente americano Dwight Eisenhower, a astróloga Laura Eisenhower (foto abaixo), e o mais famoso locutor de rodeios do Brasil, Waldemar Ruy dos Santos, o Asa Branca, 53 anos.



Voltando de um rodeio à noite em 2008, com uma antiga namorada no carro, enxergou à beira da estrada uma luz violentíssima. Achou que era um helicóptero e, como conhecia os pilotos da região, decidiu parar.

– Pulei uma cerca de arame e, quando vi, era um disco gigantesco. Estava a uns quatro metros do chão, tinha canhões de luz apontando para baixo – relatou Asa Branca, com o chapéu de caubói lhe tapando os olhos. – Quando cheguei mais perto, zuuup!, um canhão me sugou para dentro.

O locutor se viu em uma cadeira que lhe pressionava o corpo todo. Sentados no entorno dele, havia oito ETs do tipo grey – aqueles acinzentados, com olhos grandes e cabeça tipo ovo de Páscoa.

Assim que o comandante mexeu no painel com o dedo magro, a nave zarpou. Em minutos já estavam em um planeta com solo arenoso e casinhas pequenas, quadradas, brancas, sem telhado nem janela. Os habitantes do planeta saíram para rua, observando a nave dos conterrâneos que trazia um... alienígena.

– Me deram uma picada na palma da mão e, 10 minutos depois, já estava de volta ao lugar onde me pegaram – contou Asa.

Sem espaço para exageros

Houve um único momento de tensão durante o Fórum de Contatados. No sábado, um senhor de barba, cabelos brancos, com uma capa vermelha e roupa clara levantou-se da plateia:

– Eles vão nos atacar! Nós vamos enfrentá-los. Mais cedo ou mais tarde, vamos enfrentá-los, eu sei que estão entre nós!



Ninguém gostou. O homem foi repreendido pela organização e foi embora pisando duro. A plateia bateu palmas. Porque ali não era lugar para maluquices.



FONTE: http://zh.clicrbs.com.br/

Comentários

  1. Deve ter sido interessantíssimo! Uma pena não ter podido assistir de perto. Espero que os relatos sejam publicados algum dia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…