Pular para o conteúdo principal

Estudo indica que Marte foi frio e coberto de gelo


Os dois cenários extremos para o clima de Marte entre 3 bilhões e 4 bilhões de anos atrás: quente e úmido, com um grande oceano (à esquerda), ou frio e coberto de gelo (à direita) - Divulgação/Robin Wordsworth

Os oceanos de Marte, onde a vida poderia ter se desenvolvido no planeta, talvez nunca tenham existido, indica estudo que avaliou dois possíveis cenários antagônicos para o clima marciano há bilhões de anos. Segundo os pesquisadores, as análises favorecem mais à visão de que Marte era extremamente frio, com sua água majoritariamente presa na forma de gelo durante a maior parte do tempo na sua superfície, do que a de que era mais quente e úmido, com um grande oceano tomando seu hemisfério Norte, e assim mais parecido com a Terra de hoje.

Desde que as sondas Viking, da Nasa, mostraram sinais de possível erosão causada por água na superfície de Marte nos anos 1970, os cientistas têm debatido sob que condições climáticas seus aparentes canais e vales teriam se formado. Nesta discussão, a ideia de um Marte “quente” e mais hospitaleiro à vida ganhou muito mais atenção do que a possibilidade contrária, em que a vida teria muito mais dificuldades para evoluir.

Para saber qual dos dois cenários melhor explicava as atuais formações geológicas vistas no planeta, Robin Wordsworth e colegas da Escola de Engenharia e Ciências Aplicadas da Universidade de Harvard montaram um modelo tridimensional da circulação atmosférica marciana para comparar como seria o ciclo da água em Marte sob diferentes condições climáticas entre 3 bilhões e 4 bilhões de anos atrás, durante os períodos geológicos marcianos conhecidos como o fim do Noaquiano e início do Hesperiano. Num destes cenários, eles observaram o comportamento de um Marte úmido, sob uma temperatura média global de 10 graus Celsius, enquanto no outro o planeta era gelado, com uma temperatura média de -48 graus Celsius.

Segundo os pesquisadores, o cenário frio é mais provável devido ao que se sabe sobre o histórico do comportamento do Sol e a inclinação do eixo de rotação de Marte então, além de melhor explicar as atuais formações geológicas no planeta. Wordsworth lembra que Marte recebe apenas 43% da energia do Sol que chega à Terra e naquela época nossa então bem mais jovem estrela era 25% menos brilhante do que hoje. Além disso, uma inclinação extrema do eixo de rotação de Marte faria com que seus polos fossem apontados para o Sol frequentemente, levando o gelo a se formar nas regiões equatoriais, onde então poderia ter “cavado” os canais e vales hoje vistos na área.

Por fim, mesmo levando em conta possíveis fatores que aqueceriam Marte, incluindo uma atmosfera mais densa cheia de dióxido de carbono, um dos principais gases causadores do efeito estufa, e incluindo outros desconhecidos que “forçariam” seu clima a ficar mais quente, os modelos mostram que o planeta ainda seria frio demais para ter um oceano.

- Ainda estou tentando manter a mente aberta sobre isso, já que ainda temos muito trabalho a fazer, mas nossos resultados mostraram que o cenário frio e gelado se encaixa melhor à distribuição das formações por erosão na superfície – conta Wordsworth, principal autor de artigo sobre o estudo, publicado na última edição do periódico científico “Journal of Geophysical Research – Planets”, editado pela União Americana de Geofísica (AGU, na sigla em inglês). - Isto sugere fortemente que Marte antigamente era em geral muito frio, e a água chegava aos seus planaltos na forma de neve, e não de chuva.

FONTE: O GLOBO


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…