Pular para o conteúdo principal

Estudo ultravioleta revela surpresas na cabeleira de cometa


A sonda Rosetta descobriu processos inesperados na cabeleira do cometa 67P/C-G.
Crédito: sonda - ESA/ATG medialab; cometa, esquerda - ESA/Rosetta/MPS para Equipa OSIRIS MPS/UPD/LAM/IAA/SSO/INTA/UPM/DASP/IDA; cometa, topo à direita - ESA/Rosetta/NavCam; dados: Feldman et al (2015)


O estudo continuado do Cometa 67P/Churyumov–Gerasimenko pela sonda Rosetta revelou um processo inesperado que provoca a rápida separação das moléculas de água e dióxido de carbono expelidas a partir da superfície do cometa.

A missão Rosetta da ESA chegou ao cometa em agosto do ano passado. Desde então, tem orbitado a distâncias que variam entre algumas centenas de quilômetros até tão pequenas quanto 8 km. Enquanto isso, tem vindo a recolher dados sobre todos os aspetos do ambiente cometário com os seus 11 instrumentos científicos.

Um desses instrumentos, o espectrógrafo Alice fornecido pela NASA, tem examinado a composição química da atmosfera do cometa, ou cabeleira, em comprimentos de onda no ultravioleta extremo.

Nestes comprimentos de onda, o Alice permite com que os cientistas detetem alguns dos elementos mais abundantes do Universo como o hidrogênio, oxigênio, carbono e azoto. O espectrógrafo divide a luz do cometa nas suas diferentes cores - o espectro - a partir do qual os cientistas podem identificar a composição química dos gases da cabeleira.

Num artigo aceite para publicação na revista Astronomy & Astrophysics, os cientistas descrevem as deteções feitas pelo Alice durante os primeiros quatros meses da Rosetta no cometa, quando a sonda estava entre 10 e 80 km do centro do núcleo do cometa.

Para este estudo, a equipa focou-se na natureza das "plumas" de água e dióxido de carbono em erupção a partir da superfície do cometa, desencadeadas pelo calor do Sol. Para atingir esse objetivo, observaram a emissão dos átomos de hidrogênio e oxigênio resultantes da quebra das moléculas de água e, da mesma forma, a emissão do carbono a partir das moléculas de dióxido de carbono, perto do núcleo do cometa.

Descobriram que as moléculas parecem dividir-se num processo de dois passos.

Em primeiro lugar, um fotão ultravioleta do Sol atinge uma molécula de água na cabeleira do cometa e ioniza-a, libertando um eletrão energético. Este eletrão, de seguida, atinge outra molécula de água na cabeleira, quebrando-a em dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio, energizando-os no processo. Estes átomos emitem, então, luz ultravioleta que é detetada pelo Alice a comprimentos de onda característicos.


Esta imagem do Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko foi obtida pela câmara de navegação da Rosetta no dia 20 de maio a uma distância de 163,6 km do centro do cometa.
Crédito: ESA/Rosetta/NavCam


Da mesma forma, é o impacto de um eletrão com uma molécula de dióxido de carbono que resulta na sua dissolução em átomos e nas emissões observadas de carbono.

"A análise das intensidades relativas das emissões atômicas permite-nos determinar que estamos a observar diretamente as moléculas progenitoras que estão sendo quebradas pelos eletrões nas imediações do núcleo do cometa (cerca de 1 km ), onde estão sendo produzidas," afirma Paul Feldman, professor de física e astronomia da Universidade Johns Hopkins em Baltimore, EUA, autor principal do artigo que discute os resultados.

Em comparação, a partir da Terra ou com telescópios espaciais como o Hubble, os constituintes atômicos dos cometas só podem ser vistos depois das moléculas-mãe, como a água e o dióxido de carbono, serem quebradas pela luz solar, a centenas de milhares de quilômetros de distância do núcleo do cometa.

"A descoberta que divulgamos é bastante inesperada," afirma Alan Stern, investigador principal do instrumento Alice, vice-presidente associado da Divisão de Ciência e Engenharia Espacial do Instituto de Pesquisa do Sudoeste.

"Mostra-nos o valor de visitar cometas e de observá-los de perto, uma vez que esta descoberta simplesmente não poderia ter sido feita a partir da Terra ou a partir de órbita terrestre com qualquer observatório existente ou planeado. E, fundamentalmente, está a transformar o nosso conhecimento dos cometas."

"Ao observar a emissão dos átomos de hidrogênio e oxigênio quebrados a partir das moléculas de água, podemos também realmente traçar a localização e estrutura das plumas de água a partir da superfície do cometa," afirma o coautor Joel Parker, diretor-assistente da Divisão de Ciência e Engenharia Espacial do Instituto de Pesquisa do Sudoeste em Boulder, no estado americano do Colorado.

A equipa compara a quebra das moléculas com o processo proposto para as plumas na lua gelada de Júpiter, Europa, exceto que os eletrões do cometa são produzidos pelos fotões solares, enquanto os eletrões de Europa vêm da magnetosfera de Júpiter.

Os resultados do Alice são apoiados por dados obtidos por outros instrumentos da Rosetta, em particular o MIRO, ROSINA e VIRTIS, que são capazes de estudar a abundância dos diferentes constituintes da cabeleira e a sua variação ao longo do tempo, e pelos instrumentos de deteção de partículas como o RPC-IES.

"Estes primeiros resultados do Alice demonstram a importância de estudar um cometa em diferentes comprimentos de onda e com técnicas diferentes, a fim de investigar vários aspetos do ambiente cometário," afirma Matt Taylor, cientista do projeto Rosetta na ESA.

"Estamos a observar ativamente como o cometa evolui à medida que se aproxima do Sol e ao longo da sua órbita em direção ao periélio de agosto, estamos vendo como as plumas tornam-se mais ativas devido ao aquecimento solar e estamos a estudar os efeitos da interação do cometa com o vento solar."

FONTE: ASTRONOMIA ONLINE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…