Pular para o conteúdo principal

Serão ETs? Detectados sinais misteriosos do espaço



Rajadas rápidas de rádio

No filme Contato, baseado no livro de Carl Sagan, quando astrônomos do projeto SETI recebem sinais de rádio vindos das proximidades da estrela Vega, em um instante eles estão cercados de militares e repórteres, provocando uma comoção mundial.

A realidade é bem menos cinematográfica, mas os astrônomos e astrofísicos estão igualmente às voltas com uma série de sinais de rádio para os quais até agora não há nenhuma explicação.

Os radiotelescópios têm captado as chamadas RRRs - "rajadas rápidas de rádio" (ou FRB: fast radio bursts) - desde 2001.

Já são 10 até agora, mas as coisas ficaram mais emocionantes em 2014, quando o Telescópio Parkes, na Austrália, captou a primeira RRR "ao vivo" - todas as demais foram identificadas quando os dados gravados eram analisados.

E a "coisa" é espantosamente forte: embora dure apenas alguns milissegundos, cada RRR tem praticamente a mesma energia que o Sol libera durante um mês.


[Imagem: Hippke/Domainko/Learned/New Scientist]

Precisão matemática

Ninguém sabe o que causa essas rajadas - menos ainda se são mensagens alienígenas.

O mais interessante, contudo, é que todas as RRRs ajustam-se a um padrão que não bate com nada do que sabemos hoje sobre a física cósmica.

E não é só isso: uma nova análise acaba de revelar que todas as rajadas de rádio detectadas até agora têm medidas de dispersão que são múltiplas de um único número: 187,5.

Segundo Michael Hippke e seus colegas, há duas explicações prováveis para esse alinhamento caprichoso.


Os bilhões de planetas que agora se reconhece existirem apenas em nossa galáxia estão ajudando os cientistas a tomarem coragem para falar abertamente sobre os extraterrestres: alguns já afirmam que vamos encontrar vida no espaço neste século. [Imagem: NASA Ames/SETI Institute/JPL-Caltech]

A primeira seria a existência de cinco fontes para as rajadas, todas de distâncias regularmente espaçadas da Terra, a bilhões de anos-luz de distância.

A outra, que eles consideram mais provável, é que as RRRs vêm de algum lugar muito mais perto de nós, de um grupo de objetos dentro da Via Láctea que emitiriam ondas de rádio, primeiro de alta frequência e, logo a seguir, de baixa frequência, com um retardo que é um múltiplo exato de 187,5.

Humana ou alienígena

Contudo, onde quer que a fonte, ou as fontes das emissões, estejam localizadas, falta descobrir o que gera as emissões.

Uma das possibilidades é a existência de corpos celestes ainda desconhecidos que tenham emissões com essas características - os pulsares emitem rajadas de ondas de rádio, mas não com a intensidade das RRRs e nem com um arranjo tão preciso.

Outra possibilidade seria um satélite espião ainda não descoberto emitindo pulsos extremamente intensos, com uma precisão caprichosa, por razões igualmente ainda não imaginadas.

Mas os três pesquisadores concluem seu estudo com uma terceira possibilidade: se nenhuma explicação natural for confirmada, "uma fonte artificial (humana ou não-humana) deve ser considerada".

FONTE: http://www.inovacaotecnologica.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…