Pular para o conteúdo principal

Quais religiões estão preparadas para aceitar a vida no espaço?



Supondo que a humanidade não destrua a si própria, colonizar outros planetas pode ser a nossa última esperança de sobrevivência. A maior parte dos preparativos para essa expansão cósmica gira em torno das dificuldades práticas de transportar nossos corpos para o espaço. Mas e a nossa cultura, onde fica? É aí que reside um problema que nunca recebe muita atenção: as principais religiões monoteístas do mundo serão capazes de conciliar a exploração do espaço e a salvação de nossas almas imortais?

Essa é, na verdade, uma questão debatida há centenas de anos por cientistas e teólogos; como David Weintraub escreve em seu livro recente sobre o tema, Religions and Extraterrestrial Life, o cientista David Rittenhouse afirmou em 1775 que “a doutrina da pluralidade de mundos não pode ser separada dos princípios da astronomia, mas essa doutrina ainda é vista por alguns fiéis… como uma afronta às verdades proferidas pela religião cristã.”

Essa desconfiança não desapareceu no século XVIII. De acordo com um recente estudo sobre a relação entre religião e espaço, grupos como os evangélicos – que representam um quarto da população americana – hesitam em apoiar programas de exploração espacial. Para alguns grupos religiosos, o próprio conceito de viagem espacial — isso sem nem falar na colonização de formas de vida alienígenas — vai contra suas crenças mais básicas.

As questões são infindáveis: existe uma tensão inerente entre nossa ambição espacial e os princípios religiosos terrenos? Como o Islã lidaria com o fato de não ter mais um local central para onde direcionar suas preces? Será que os fundamentalistas tentariam converter os ETs?

Uma combinação de avanços tecnológicos e porta-vozes da inovação como Elon Musk torna essas questões mais urgentes do que nunca. Como escrito no estudo: “Para garantir sua sobrevivência, as religiões terão de aceitar o espaço.”

Então como as três maiores religiões monoteístas (o Cristianismo, o Judaísmo e o Islamismo) lidariam com essas descobertas cósmicas? Bom, a resposta é complicada.

Se colonizássemos um planeta
Por mais absurdo que pareça, a viagem espacial e a religião andam juntas desde que o homem saiu da Terra. Na véspera de Natal de 1968, os primeiros humanos a orbitar a Lua leram uma passagem do Livro de Gênesis, transmitindo a mensagem para todas as famílias que ouviam, atentamente, com os ouvidos grudados em seus rádios.

Esse diálogo ainda existe, mesmo em nosso atual programa espacial. Como descrito na The Atlantic:

Vemos um padre portando as joias de uma igreja ancestral, pingando água benta sobre os motores e invocando a proteção divina para uma jornada à órbita terrestre. Essas duas esferas do cosmos humano coexistem de forma impressionante. O fato de elas interagirem, como no caso desta agência espacial recebendo a bênção da Igreja Ortodoxa Russa, é no mínimo estranho.


Um padre da Igreja Cristã Ortodoxa abençoando o lançamento de uma nave Soyuz em 2012 (NASA)

As religiões passaram a aceitar a viagem espacial dentro de seus próprios termos. Por exemplo, o Livro de Oração Comum – usado pela Igreja da Inglaterra e por outras igrejas da Comunhão Anglicana – dá espaço para a inclusão de astronautas: “Para aqueles que viajam pela terra, pela água, ou pelo ar [ou pelo espaço], rezemos em nome do Senhor”. Mas só porque a maioria das religiões está disposta a aceitar essas curtas viagens ao espaço — e que escolha elas têm? — isso não significa que elas estão prontas para aceitar o próximo passo nessa jornada galáctica.

Cristianismo

No final do século XIX, a Igreja Católica autorizou um padre jesuíta francês e cientista chamado Abbé Moigno a decidir se uma “doutrina da pluralidade dos mundos” poderia coexistir com “a verdade e a moral católica”. Segundo Weintraub, Moigno acabou concluindo que a ideia de vários planetas, alguns dos quais potencialmente habitados, “não ia contra, de forma alguma, as doutrinas da Criação, da Encarnação e da Redenção pregadas pela Igreja Católica”. Portanto, a Igreja Católica não tem objeções contra as colônias espaciais.

Apesar das constatações de Moigno, alguns cristãos modernos (em especial fundamentalistas) se sentem extremamente incomodados com as viagens espaciais. Na verdade, eles acreditam que a Bíblia proíbe essas missões explicitamente. Por exemplo, Ken Ham, um “criacionista da Terra Jovem” e presidente do notório Museu da Criação em Kentucky, acredita que a mera existência de outros planetas habitáveis é uma ideia absurda:

Que parte da Bíblia aborda a criação de vida nos “luminares no firmamento dos céus”? Não existe nenhuma descrição de tal vida, posto que essa luzes no firmamento não foram criadas para receber vida. Os céus são os céus do Senhor, mas a terra, deu-a ele aos filhos dos homens (Salmos 115:16). Da perspectiva bíblica, a vida extraterrestre não parece nada razoável.

Felizmente, Ham representa uma vertente que acredita em interpretações extremas. Em geral, o Cristianismo não tem muitos problemas com a colonização espacial. E outros grupos religiosos são ainda mais compreensivos.

Judaísmo

Em geral, toda vertente do Judaísmo (reformista, conservador, ortodoxo, etc) tem opiniões vagas sobre a maior parte das coisas. As discussões sobre o significado das escrituras são encorajadas; afinal, as possibilidades de interpretação são enormes. É por isso que, em 1340 d.C., o rabino Hasdai Crescas não exitou em afirmar que sim, o espaço é infinito e portanto pode conter infinitos mundos — o que significaria que colonizar outro planeta seria algo totalmente aceitável. Os rabinos e estudiosos passaram os séculos seguintes discutindo essa questão, sem nunca chegar a lugar algum.

O Judaísmo também tem alguns problemas práticos com o espaço. Em 2003, o astronauta israelense Coronel Ilan Ramon viajou para a Estação Espacial Internacional (ISS) no infeliz ônibus espacial Columbia, que se desintegrou durante sua volta à órbita terrestre. No espaço, Ramon se deparou com a dificuldade de observar o Shabat. Os judeus da Terra descansam do pôr do sol da sexta-feira ao pôr do sol de sábado; no entanto, é um pouco complicado calcular esse período quando sua estação espacial passa por um amanhecer a cada 90 minutos.

No fim, os rabinos na Terra decidiram que Ramon poderia continuar seguindo o horário do Cabo Canaveral, local de lançamento de sua espaçonave. E como a maior parte dos rituais praticados durante o Shabat seria impraticável em uma nave espacial (como acender velas, por exemplo, por causa do risco de explosão), foi decidido que, nesse caso, recitar a oração adequada sobre o vinho cerimonial já seria o suficiente. O fato dos líderes religiosos estarem dispostos — e aptos — a adaptar regras essenciais a circunstâncias extraordinárias indica um futuro próspero para os exploradores espaciais judeus.

Islamismo

Os muçulmanos provavelmente estariam preparados para a existência de outros planetas. Na verdade, o Alcorão parece fazer referência ao fato de que a Terra não está sozinha no firmamento. O livro sagrada do Islã contêm passagens como: “Louvado seja Deus, o Clemente e Misericordioso Senhor dos mundos” (Alcorão 1:2) e “Ele é o Senhor de todos os mundos” (Alcorão 41:09).

Nós também temos alguns indícios de como os muçulmanos poderiam se adaptar às restrições dessas jornadas estelares. Em 2007, o astronauta Sheikh Muszaphar Shukor teve que inventar uma forma de se voltar à Meca durante as cinco orações diárias, pois, como diz a The Atlantic, “a nave se move a 27.000 km/h e a região abaixo dela muda a cada minuto; às vezes a nave faz um giro de 180 graus durante uma única oração”.



Após conversar com alguns imames (sacerdotes muçulmanos), Shukor foi instruído a simplesmente fazer o melhor que ele podia. Você pode conferir seus esforços no vídeo acima. A oração é um pouco estranha e não segue a tradição, mas nesse caso, o que conta é a intenção. Esse sentimento foi enfatizado no seguinte documento, utilizado por Shukor como um guia espiritual:

A Guideline of Performing Ibadah at the International Space Station



Se encontrássemos vida inteligente fora da Terra
Colonizar um planeta é a parte fácil. Uma vez que aceitamos a ideia de que a Terra pode não ser o único lugar habitável do universo, temos que começar a considerar a ideia de que esses outros planetas podem abrigar outras criaturas. Afinal, se nós não somos a obra mais especial de Deus, quem somos nós?

Cristianismo

Não é de se supreender que os fundamentalistas cristãos repudiem a ideia de vida extraterrestre; afinal, isso vai diretamente contra a doutrina bíblica. Nas palavras de Ken Ham, o diretor do Museu da Criação:

A Bíblia, ao contrário da doutrina laica, ensina que a Terra foi criada com a bênção divina, e que portanto ela é única e o principal foco de atenção de Deus (Isaías 66:1 e Salmo 115:16). A vida não evoluiu, ela foi criada especialmente por Deus, como podemos ver claramente no Livro de Gênesis. Os cristãos não precisam se preocupar com a existência de vida extraterrestre.

Em outras palavras, a Bíblia fala que Deus criou os céus e a Terra — e só. Como bons literalistas, os fundamentalistas não estão interessados em analisar as entrelinhas da Bíblia. Se ela não menciona explicitamente a vida alienígena em outros planetas, o assunto está encerrado.

Apesar disso, nem todas as vertentes do Cristianismo são radicalmente opostas à ideia de vida fora da Terra. Por exemplo, o padre argentino José Gabriel Funes, atual diretor do Observatório do Vaticano, já disse que “quando não acreditamos na existência de aliens, estamos impondo limites à criatividade divina”. É assim que a maioria dos grupos cristãos lida com a questão da vida fora da Terra.

A pergunta mais importante para os cristãos é, na verdade, se os ETs deveriam — ou não — ser catequizados. A resposta, pelo menos na opinião dos católicos e do Vaticano, é basicamente “e por que não?” Em outra entrevista, o Padre Funes afirmou que a existência de vida alienígena inteligente é possível e que a mesma não entraria em conflito com a doutrina católica:

Creio que não há contradição. Assim como há uma multiplicidade de criaturas sobre a Terra, é possível que existam outros seres, até mesmo inteligentes, criados por Deus… Para citar São Francisco de Assis, se consideramos alguma criaturas terrenas como “irmãos” e “irmãs”, por que não poderíamos considerar um alien como nosso irmão? Ele também pertenceria à criação.

O próprio Papa Francisco chegou ao ponto de dizer que, caso algum alien batesse nas portas divinas do Vaticano, ele ficaria mais do que feliz em batizá-lo. Ele chegou ao ponto de especificar a espécie desse alien cristão:

Se, por exemplo, amanhã um grupo de marcianos viesse até nós e um deles dissesse ‘Eu quero ser batizado!’, o que iria acontecer? Marcianos, sabe? Verdes, com longos narizes e orelhas gigantes, iguais aos desenhos de uma criança. Quem somos nós para fechar nossas portas?

No entanto, os protestantes não parecem se empolgar muito com a ideia de um missionário marciano. Como narra Weintraub, o teólogo reformista alemão Jurgen Moltmann escreveu que “Nós não deveríamos converter todos em luteranos ou batistas, ou espalhar congregações católicas por onde formos… [Os povos de Deus] terão suas próprias experiências e assim desenvolverão suas próprias crenças e formas de louvar a Deus.”

Judaísmo

O Judaísmo é, mais uma vez, deliciosamente aberto à interpretações. Como Weintraub explicou em uma entrevista para a LiveScience, “Não existe nada sobre isso nas escrituras judias. É preciso vaculhar muito para encontrar alguma coisa que possa se referir à vida extraterrestre.”

Mas se nós quisermos procurar, no mesmo texto de 1340 d.C., Crescas conclui que, em um universo com múltiplos mundos habitáveis, “nada na física, nas escrituras ou no Talmude pode negar a existência de vida extraterrestre”. Ou seja, aliens? Sim, por que não?

É claro que nem todos líderes judeus concordam; como tudo na vida, o tema ainda é muito discutido. Por exemplo, um cabalista do século XVIII popularmente conhecido como Sefer Habris acreditava que a vida extraterrestre pode existir em algum nível, mas que a mesma não seria agraciada com inteligência ou livre-arbítrio. Afinal, essas são características exclusivas da humanidade. Outros importantes pensadores judeus insistem que quase tudo é possível. Tudo depende do interlocutor.

Islamismo

A religião mais aberta à possibilidade de vida alienígena é de longe, pelo menos de acordo com Weintraub, a religião islâmica. Apesar de eles acreditarem que “o Islã é uma série de práticas criadas para os humanos da Terra”, isso não exclui a possibilidade de outras formas de vida no universo. Na verdade, Weintraub defende que “a descoberta de alienígenas apenas fortaleceria a fé dos muçulmanos no poder infinito de Deus.”

Qualquer acréscimo ao conhecimento científico deve “incentivar as pessoas a ver esses fenômenos como um sinal da divina criação”. Visto que os muçulmanos veem o Islã como algo que se aplica unicamente à Terra e não à imensidão do universo, qualquer coisa estranha ou nova seria apenas uma prova das infinitas maravilhas de Deus. O que significa que, apesar da vida extraterrestre não ser considerada como uma vida islâmica, ela seria tão valiosa quanto uma — e igualmente possível.

Mais do que um interessante exercício intelectual, entender como as religiões veem os avanços tecnológicos é essencial para nossa evolução como espécie. De acordo com o estudo citado anteriormente, “Apesar de a frequência regular à igreja [causar] um efeito negativo no apoio à exploração espacial, o apoio do clero exerce um efeito positivo”. Quer gostemos ou não, as pessoas se espelham em seus líderes religiosos em todos os aspectos de suas vidas — não apenas na fé. E as descobertas científicas precisam de todo o apoio possível.

Além dos benefícios a longo prazo – como abrir as mentes das pessoas para o potencial das viagens espaciais -, Weintraub espera que a discussão traga bons frutos aqui na Terra: “Depois de pensar um pouco, é fácil perceber que, se alguém em outra parte do universo pode ter outra religião, talvez seja justo que outra pessoa em outra parte da Terra também tenha uma religião diferente. Quem sabe não descobrimos alguma coisa que nos faça conviver um pouco melhor”. A paz é sempre uma boa ideia — seja você cristão, judeu, muçulmano ou marciano.

FONTE: http://gizmodo.uol.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…