Pular para o conteúdo principal

Estação espacial Skylab



Skylab designa a estação espacial norte-americana que foi lançada ao espaço em 14 de maio de 1973, a uma altitude de 435 km, e reentrou na atmosfera, destruindo-se prematuramente, em 1979. O nome também designa a missão Skylab I, que colocou a estação em órbita, e as três missões tripuladas, Skylab II, III e IV que foram lançadas para trabalhar na estação espacial e usavam a nave Apollo.

A Skylab era composta de cinco partes: um telescópio (ATM); um adaptador para acoplagem múltipla (MDA); um módulo selado (AM); uma unidade de instrumentos (IU); e um espaço de trabalho orbital (OWS).

A missão Skylab I foi a responsável por colocar em órbita a estação/laboratório espacial Skylab. Foi uma missão não tripulada que usou o foguete Saturno V.

As três missões tripuladas da Skylab foram:

Skylab II - 22 de maio até 22 de junho de 1973 - Charles Conrad, Paul Weitz e Joseph Kerwin
Skylab III - 28 de julho até 25 de setembro de 1973 - Alan Bean, Jack Lousma e Owen Garriott
Skylab IV - 16 de novembro de 1973 até 8 de fevereiro de 1974 - Gerald Carr, William Pogue e Edward Gibson
Todas as três missões tripuladas, devido a pequena carga, fizeram uso do foguete Saturno IB, menos potente e mais barato que o Saturno V.

Erro - Falhas de projeto e de avaliação resultaram em danos à estrutura da estação espacial logo em seu lançamento.

Quem - Nasa, a agência espacial americana.

Quando - 1973.

Consequências - Menos da metade das pesquisas científicas inicialmente planejadas pôde ser feita; a vida útil da estação foi abreviada; e o mundo todo ficou com medo de ver um pedaço do Skylab cair na cabeça de alguém.



Precursor da estação espacial soviética Mir e da atual Estação Espacial Internacional, o Skylab prometia grandes avanços científicos. A engenhoca foi colocada em órbita pela Nasa, a agência espacial americana, no ano de 1973. Tinha exatos 36 metros de comprimento, 6,7 metros de diâmetro e pesava 91 toneladas. Tratava-se, portanto, do maior objeto enviado ao espaço pelo homem até então. Serviria de laboratório para pesquisas que, na Terra, não seriam possíveis. Um dos objetivos era avaliar a capacidade dos seres humanos de viver no espaço por longos períodos. Outro era coletar informações mais precisas sobre o Sol, sem a interferência da atmosfera terrestre.

Três anos depois de lançado, porém, o Skylab deu um tremendo chabu. Saiu do controle, despedaçou-se ao reentrar na atmosfera da Terra e deixou todo mundo em pânico, temendo que um pedaço caísse na cabeça de alguém. O episódio entrou para a história como uma das grandes trapalhadas da Nasa.

Vibrações imprevistas
Os problemas com o Skylab começaram logo no lançamento. Vibrações que não haviam sido previstas pelos engenheiros da Nasa acabaram provocando a perda de um de seus painéis solares e do escudo que protegeria a fuselagem de eventuais impactos de meteoroides. Para piorar, os destroços do escudo perdido atingiram o painel solar restante, o que impediria sua plena abertura quando o laboratório entrasse em órbita.

A solução foi manobrar o Skylab - remotamente, já que ele não contava com tripulantes - para que o painel remanescente captasse o máximo de energia. O efeito desse contratempo acabaria sendo sentido na pele pela primeira tripulação, que chegou à estação no dia 25 de maio de 1973 (a bordo de um módulo Apollo) para um mês de estadia. O comandante Charles Conrad, o piloto Paul Weitz e o astronauta cientista Joseph Kerwin descobriram que o funcionamento de um único painel provocava superaquecimento do laboratório. A temperatura interna chegava a 52 graus. Em vez de pesquisas, os tripulantes passaram a maior parte do tempo fazendo consertos e gambiarras para que não morressem de calor.




Morte precoce

Segundo Charles Dunlap Benson e William David Compton, autores de Living and Working in Space: A History of Skylab ("Vivendo e Trabalhando no Espaço: Uma História do Skylab", inédito no Brasil), a verdade é que os equipamentos da estação espacial americana sempre foram altamente suscetíveis a falhas. Durante os 8 meses que antecederam seu lançamento, um terço deles exigiu reparos e 20% apresentaram problemas mecânicos durante sua instalação.

Depois de mais duas conturbadas missões (leia mais no quadro à direita), a estação foi abandonada em órbita, a 455 quilômetros de altitude. Ali, os cientistas da Nasa esperavam que o Skylab permanecesse por pelo menos mais 10 anos - garantindo ao programa espacial americano, assim, a possibilidade de reativá-lo em algum momento. Mas um período de fortes tempestades solares, que também não foi previsto pelos engenheiros da Nasa, começou a empurrá-lo de volta para a Terra. Até que, no dia 11 de julho de 1979, a estação desmanchou-se ao reentrar na atmosfera terrestre.

Probabilidades
A chance de um pedaço do Skylab atingir uma pessoa, nas contas da agência espacial, não era nada desprezível: uma em 152. E a possibilidade de uma cidade com pelo menos 100 mil habitantes ser atingida era ainda mais preocupante: uma em apenas 7. Felizmente, os destroços caíram sobre o oceano Índico e áreas desabitadas do oeste da Austrália.

Aquém do esperado
Mais de 60% das experiências que seriam feitas no Skylab acabaram não acontecendo. Mesmo assim, o saldo científico não foi de todo mau.

• Cerca de 300 experimentos foram realizados em aproximadamente 2 000 h de trabalhos científicos.

• Mais de 127 mil fotos do Sol e 46 mil da Terra foram tiradas, além de uma extensa produção de filmes.

• No total, o Skylab orbitou a Terra 2 476 vezes nos 171 dias em que esteve ocupado por astronautas.

Telescópio míope
Por pouco, o Hubble também não acabou se transformando num grande fracasso
Outro projeto da Nasa que, por pouco, não terminou num enorme fiasco foi o do telescópio espacial Hubble. Colocado na órbita da Terra no dia 24 de abril de 1990, ele prometia revelar os segredos mais ocultos do Universo, já que seria capaz de "enxergar" - e fotografar - mais longe do que qualquer outro telescópio. Assim que entrou em operação, no entanto, descobriu-se que, em virtude de um grosseiro erro de projeto, seu espelho principal apresentava uma curvatura inadequada - o que impedia que o Hubble conseguisse focar com precisão os corpos celestes que ele tentava fotografar. Como trocar esse espelho em órbita era caro e muito difícil, o jeito foi desenvolver uma lente corretiva, instalada com sucesso em dezembro e 1993. Assim, o telescópio espacial voltou a "enxergar", salvando a agência espacial americana de mais um papelão.

Show de horror
Nas duas missões que se seguiram à primeira, a tripulação teve mais tempo para o trabalho científico. Mas elas também foram marcadas por algumas trapalhadas


2ª MISSÃO
Tripulantes: Alan Bean (comandante), Jack Lousma (piloto) e Owen Garriott (cientista).

Permanência no Skylab: 60 dias.

Quando: entre julho e setembro de 1973.

Trapalhada: a tripulação enfrentou problemas sérios na hora de acoplar o módulo Apollo à estação espacial, o que obrigou a Nasa a deixar uma equipe de resgate em prontidão.

3ª MISSÃO
Tripulantes: Gerald Carr (comandante), William Pogue (piloto) e Edward Gibson (cientista).

Permanência no Skylab: 84 dias.

Quando: entre novembro de 1973 e fevereiro de 1974.

Trapalhada: os astronautas tentaram esconder do comando, logo no início da missão, que um dos integrantes passava mal - vítima da chamada síndrome de adaptação ao espaço.


Skylab em órbita

FONTE: WIKIPÉDIA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…