Pular para o conteúdo principal

Sangue robótico dá vida longa aos robôs


O peixe-leão robótico nadou 36 horas contra a correnteza sem precisar recarregar. [Imagem: Cornell/Rob Shepherd Lab]

Sistema vascular robótico

Pesquisadores da Universidade Cornell, nos EUA, criaram um sistema de circulação de líquidos dentro de estruturas robóticas.

Esse sistema vascular e seu "sangue robótico" permitem armazenar energia para alimentar robôs em tarefas sofisticadas e de longa duração.

Além de bombear um líquido hidráulico denso em energia, o sistema vascular sintético é capaz de transmitir força, operar acessórios e ainda fornecer estrutura ao robô, tudo em um projeto integrado.

"Na natureza, vemos quanto tempo os organismos podem operar enquanto realizam tarefas sofisticadas. Os robôs não podem realizar proezas semelhantes por muito tempo. Nossa abordagem bioinspirada pode aumentar drasticamente a densidade de energia do sistema e permitir que robôs macios permaneçam ativos por muito mais tempo," disse o professor Rob Shepherd, cuja equipe havia criado recentemente um coração de espuma.

Baterias de fluxo

O conceito de sangue robótico foi testado em um robô aquático macio inspirado em um peixe-leão - os peixes-leão usam nadadeiras ondulantes semelhantes a leques para deslizar entre os recifes de coral.

Uma pele de silicone do lado de fora, dotada de eletrodos flexíveis, e uma membrana separadora de íons permitem que o robô se dobre e flexione. O "coração" do robô - são bombas comuns - e a parte eletrônica a bordo são alimentados através de reações eletroquímicas, em baterias de fluxo de iodeto de zinco - as células experimentais alcançaram uma densidade de energia equivalente à metade daquela de uma bateria de íons de lítio.

O robô nada usando a energia transmitida às aletas pelo bombeamento da bateria de fluxo. O protótipo alcançou energia suficiente para nadar contra a correnteza por mais de 36 horas.


As baterias de fluxo funcionam bombeando um eletrólito carregado de energia - quando acaba a energia, basta "encher o tanque" novamente. [Imagem: Aubin et al. - 10.1038/s41586-019-1313-1]

Robôs subaquáticos

Robôs subaquáticos flexíveis oferecem grandes oportunidades de pesquisa e exploração. Como os robôs macios aquáticos são sustentados pela flutuabilidade, eles não precisam de um exoesqueleto ou endoesqueleto para manter a própria estrutura.

Projetando fontes de energia que dão aos robôs a capacidade de funcionar por períodos mais longos, Shepherd acredita que robôs autônomos em breve poderão estar vagando pelos oceanos da Terra em missões científicas e para tarefas ambientais delicadas, como a amostragem de recifes de coral.

Esses robôs submarinos também poderiam ser enviados para mundos extraterrestres para missões de reconhecimento e busca de sinais de vida.

Bibliografia:

Electrolytic Vascular Systems for Energy Dense Robots
Cameron A. Aubin, Snehashis Choudhury, Rhiannon Jerch, Lynden A. Archer, James H. Pikul, Robert F. Shepherd
Nature Physics
DOI: 10.1038/s41586-019-1313-1

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…