Pular para o conteúdo principal

Quem foi José Reis, o pai da divulgação científica no Brasil


O CIENTISTA JOSÉ REIS (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Pesquisador nasceu no dia 12 de junho de 1907 e defendia a importância da educação e do conhecimento para a construção de uma sociedade mais justa e equilibrada

A divulgação da ciência e tecnologia no Brasil se tornou mais séria a partir da década de 1930, muito graças ao médico José Reis. Natural do Rio de Janeiro, Reis nasceu no dia 12 de junho de 1907 e viveu até os 94 anos. Defendia a importância da educação e do conhecimento para a construção de uma sociedade mais justa e equilibrada, e enxergava na mídia uma aliada para evitar que o conhecimento ficasse restrito a ambientes acadêmicos. Conheça a vida e a carreira de José Reis:

Estudante exemplar e autodidata

Após concluir o curso primário em escolas públicas, Reis se preparou para a prova de admissão do Colégio Pedro II, tradicional colégio público federal e um dos mais antigos em funcionamento no Brasil. Ingressou no ginásio em 1920 e formou-se em 1924 com louvor. No ano seguinte, entrou para a Faculdade Nacional de Medicina. Frustrado com as aulas, dedicou-se aos estudos à sua moda. Dava aulas particulares para complementar o orçamento e passava horas lendo livros sobre temas que iam de biologia e botânica à história e filosofia.

Mudança para São Paulo

Já durante o curso de Medicina, percebeu que não gostaria de seguir carreira médica, e sim na pesquisa. Logo após se formar, Reis se mudou para São Paulo para trabalhar no Instituto Biológico como bacteriologista.

Pesquisa com aves

Uma das pesquisas que o fez ganhar notoriedade foi o sobre doenças aviárias, que teve repercussão em laboratórios dos Estados Unidos, além de no próprio Instituto Biológico. Recebeu um convite para ser pesquisador na Fundação Rockefeller, em Nova York, onde ficou entre 1935 e 1936. Ao voltar ao Brasil, passou a se dedicar a traduzir livros sobre o assunto para uma linguagem mais popular e ajudar a controlar doenças aviárias que afetavam pequenos produtores.


O PESQUISADOR JOSÉ REIS (FOTO: WIKIMEDIA COMMONS)

Divulgação científica

Usando sua capacidade de explicar conceitos da ciência para leigos, Reis deu início a uma carreira paralela como jornalista e escritor. Em 1947, passou a assinar uma coluna de divulgação científica no jornal Folha de S.Paulo, que manteve por 55 anos. Em 1948, juntou-se a outros cientistas para fundar a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que organizou pesquisadores em uma só classe e ajudou a estimular um sentimento de responsabilidade social.

Prêmio José Reis

Além de receber inúmeros prêmios ao longo da carreira, também foi homenageado dando nome a um dos principais prêmios de divulgação científica do Brasil, o Prêmio José Reis de Divulgação Científica e Tecnológica. Concedido anualmente pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), reconhece instituições, veículos de comunicação ou pessoas que contribuíram para a divulgação da ciência e tecnologia no Brasil.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…