Pular para o conteúdo principal

Diretamente de um planeta distante: pistas espectrais de intrigante paradoxo


Impressão de artista de vários planetas gigantes gasosos em órbita de uma jovem estrela que tem um disco protoplanetário remanescente. Dado que o disco remanescente de CI Tau está ligeiramente inclinado, mais ou menos idêntico ao que vemos na imagem, os astrónomos conseguiram medir diretamente a luz tanto da estrela quanto do seu íntimo planeta CI Tau b.
Crédito: NASA/JPL-Caltech/T. Pyle

CI Tau b é um planeta paradoxal, mas uma nova investigação sobre a sua massa, brilho e monóxido de carbono na sua atmosfera está a começar a responder a perguntas sobre como um planeta tão grande pode ter-se formado em torno de uma estrela com apenas 2 milhões de anos.

Num encontro da Sociedade Astronômica Americana que decorreu na passada segunda-feira em St. Louis, EUA, os astrônomos Christopher Johns-Krull da Universidade Rice e Lisa Prato do Observatório Lowell apresentaram descobertas de uma análise espectroscópica no infravermelho próximo, ao longo de quatro anos, de CI Tau b, um exoplaneta gigante, um "Júpiter quente", numa órbita íntima de nove dias em torno da sua estrela hospedeira, situada a cerca de 450 anos-luz da Terra na direção da constelação de Touro.

"A coisa mais emocionante é que somos capazes de detetar luz diretamente do planeta, e é a primeira vez que tal foi feito para um planeta tão perto de uma estrela tão jovem," disse Johns-Krull, professor de física e astronomia e coautor de um artigo que será publicado na revista Astrophysical Journal Letters da Sociedade Astronômica Americana. "A maneira mais valiosa de aprender como os planetas se formam é estudando planetas, como CI Tau b, que ainda estão a formar-se ou que acabaram de se formar."

Durante décadas, a maioria dos astrônomos acreditava que planetas gigantes como Júpiter e Saturno formavam-se longe das suas estrelas ao longo de períodos de 10 milhões de anos ou mais. Mas a descoberta de dúzias de "Júpiteres quentes" levou a novos modelos teóricos que descrevem como esses planetas se podem formar.

Johns-Krull disse que a idade de CI Tau b fez dele o candidato perfeito para observação com o IGRINS (Immersion Grating Infrared Spectrograph), o instrumento único de alta resolução usado durante observações de CI Tau b com o Telescópio Harlan J. Smith de 2,7 metros do Observatório McDonald e com o Telescópio do Discovery Channel de 4,3 metros do Observatório Lowell.

Dado que cada elemento atômico e molécula numa estrela emite luz de um conjunto único de comprimentos de onda, os astrônomos podem procurar assinaturas específicas, ou linhas espectrais, para ver se um elemento está presente numa estrela ou em planetas distantes. As linhas espectrais também podem revelar a temperatura, a densidade de uma estrela e a velocidade a que se está a deslocar.

Prato disse que a equipa de investigação usou as linhas espectrais do monóxido de carbono para distinguir entre a luz emitida pelo planeta e a luz emitida pela estrela próxima.

"Muitas das linhas espectrais que estão no planeta também estão na estrela," explicou Prato. "Se tanto o planeta quanto a estrela estivessem estacionários, as suas linhas espectrais juntavam-se e nós não saberíamos dizer quais as que eram da estrela e quais as que eram do planeta. Mas dado que o planeta orbita rapidamente a sua estrela, as suas linhas desviam-se para a frente e para trás dramaticamente. Podemos subtrair as linhas da estrela e ver apenas as linhas do planeta. E, a partir daí, podemos determinar quão brilhante é o planeta, em relação à estrela, o que nos diz algo sobre como foi formado."

Isto porque o brilho de uma estrela ou planeta depende do tamanho e da temperatura.

"As evidências diretas observacionais da massa e do brilho de CI Tau b são particularmente úteis porque sabemos que orbita uma estrela muito jovem," disse a estudante de doutoramento Laura Flagg, da Universidade Rice, autora principal do estudo. "A maioria dos Júpiteres quentes que encontramos estão em órbita de estrelas de meia-idade. A idade de CI Tau b coloca uma forte restrição para testar os modelos: será que podem produzir um planeta tão brilhante e tão massivo em tão pouco tempo?"

A análise de Flagg das linhas espectrais do monóxido de carbono mostraram que CI Tau b tem uma massa de 11,6 Júpiteres e é aproximadamente 134 vezes mais ténue do que a sua estrela-mãe. Prato disse que isto fornece fortes evidências de que se formou através de um "início quente", um modelo teórico que descreve como as instabilidades gravitacionais podem formar planetas gigantes mais depressa do que os modelos tradicionais.

Prato salientou que o novo estudo fornece um padrão empírico único para medir as atuais teorias concorrentes.

"Com cerca de 2 milhões de anos, CI Tau b é de longe o Júpiter quente mais jovem já detetado diretamente," explicou. "Temos agora dados sobre a sua massa e sobre o seu brilho - a única massa e o único brilho medidos diretamente para um jovem Júpiter quente - e isso fornece testes muito fortes para os modelos de formação planetária."

O IGRINS, que foi desenhado pelo coautor do estudo Daniel Jaffe da Universidade do Texas em Austin, usa uma grade de difração com base no silício para melhorar tanto a resolução quanto o número de bandas espectrais no infravermelho próximo que podem ser observadas em objetos distantes como CI Tau b e como a sua estrela-mãe. O IGRINS foi transferido do Observatório McDonald para o Observatório Lowell durante o estudo.


Os astrónomos Laura Flagg e Christopher Johns-Krull com uma impressão de artista de um sistema parecido ao de CI Tau. Juntamente com os colegas do Observatório Lowell, da Universidade do Texas em Austin e do Observatório McDonald, usaram dados espectrais para fazer a primeira medição direta da massa e do brilho de um jovem "Júpiter quente", chamado CI Tau b.
Crédito: Jeff Fitlow/Universidade Rice


Os dados observacionais para o estudo de CI Tau b foram recolhidos com o IGRINS (Immersion Grating Infrared Spectrograph), situado no Telescópio do Discovery Channel de 4,3 metros do Observatório Lowell em Flagstaff, no estado norte-americano do Arizona.
Crédito: Joe Llama/Observatório Lowell



FONTE: ASTRONOMIA ONLINE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…