Pular para o conteúdo principal

Exposição revela fotos raras da descoberta da tumba de Tutancâmon


IMAGEM FAMOSA DA TUMBA DO FARAÓ TUTANCÂMON (FOTO: HARRY BURTON / THE GRIFFITH INSTITUTE, UNIVERSITY OF OXFORD)

Durante as escavações na década de 1920, fotógrafo tirou mais de três mil fotos — muitas delas mostram várias pessoas que colaboraram na empreitada mas nunca receberam os devidos créditos

Em 1922, o fotógrafo Harry Burton recebeu um convite que mudou sua vida: o arqueólogo Howard Carter havia ganhado acesso para visitar a câmara de Tutancâmon no Vale dos Reis, no Egito, e queria levar alguém que pudesse registrar essa jornada.

Burton é, claro, aceitou e passou os próximos oito anos tirando fotos do interior da tumba. Ao longo desse período, estima-se que o fotógrafo tenha captado mais de três mil imagens, o que fez com que ganhasse o apelido de "o fotógrafo do faraó".


Uma seleção dessas imagens está disponível para o público no Museu de Arqueologia e Antropologia da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, até o fim de setembro. Trata-se da exposição "Fotografando Tutancâmon", que mistura fotos famosas da descoberta da tumba do jovem faraó até algumas que nunca antes vistas pelo público.


O ARQUEÓLOGO HOWARD CARTER EM UMA DAS CÂMARAS DA TUMBA (FOTO: GRIFFITH INSTITUTE/OXFORD UNIVERSITY)

A professora Christina Riggs da Universidade de Anglia do Leste, também no Reino Unido, foi a responsável pela curadoria da exposição. "Trata-se de mudar toda a nossa perspectiva do Egito antigo, moderno e arqueologia", disse ela em entrevista à BBC. "Quando começamos a pensar sobre as condições complexas e desiguais que ocorreram durante as escavações, fica difícil ver as fotos de forma 'neutra'."

Riggs se refere aos bastidores das escavações: segundo ela, já que explorar a tumba de Tutancâmon era única e histórica, os profissionais envolvidos se aproveitaram da situação. "Por meio das lentes das câmeras, a exibição demonstra toda ajuda fornecida pelo governo egípcio e por centenas de egípcios trabalhando com Harry Burton e Howard Carter", afirmou a pesquisadora em anúncio.


SISTEMA DESENVOLVIDO PARA O TRANSPORTE DA DESCOBERTAS PARA FORA DA TUMBA (FOTO: GRIFFITH INSTITUTE/OXFORD UNIVERSITY)

"Essa nova perspectiva nos ajudará a entender o que o Tutancâmon significava para os egípcios na década de 1920 — e apresenta uma questão importante sobre quem realmente faz a ciência e quem ganha crédito por isso."


CAMA DE TUTANCÂMON (FOTO: GRIFFITH INSTITUTE/OXFORD UNIVERSITY)

"Escolhi, de propósito, não usar nenhuma das fotos 'clássicas' da descoberta. Todas essas foram fabricadas por Howard Carter, Arthur Mace e Alfred Lucas que trabalhavam na tumba", escreveu Riggs no blog da exposição. Ela optou por disponibilizar fotos que mostram as outras pessoas envolvidas na empreitada: trabalhadores, adultos e crianças egípcias que ajudaram em todo o processo, mas nunca são lembrados.


MENINO EGÍPCIO USANDO UMA DAS JOIAS ENCONTRADAS NA CÂMARA DE TUT (FOTO: GRIFFITH INSTITUTE/OXFORD UNIVERSITY)

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …