Pular para o conteúdo principal

Cientistas buscam sinais de matéria escura no interior da Terra


HALITA, UM DOS MINERAIS QUE OS PESQUISADORES ACREDITAM SERVIR PARA DETECÇÃO DE PARTÍCULAS MASSIVAS QUE INTERAGEM FRACAMENTE. (FOTO: DIDIER DESCOUENS, VIA WIKIMEDIA COMMONS)

Alguns minerais abaixo da superfície do planeta podem ser a chave para novos métodos de detecção de partículas da matéria escura

Além de tentar detectar matéria escura diretamente do espaço, novos estudos estão procurando por traços do material em antigos minerais localizados abaixo da superfície da Terra. Para alguns pesquisadores, rochas do interior do planeta podem apresentar indícios de colisões com a matéria escura.

A ideia é que experimentos com detectores sofisticados instalados nas profundezas da Terra possam um dia complementar ou até competir com as técnicas de detecção de matéria escura consolidadas hoje em dia.


Estudos desse tipo já estão em curso há algumas décadas e, agora, uma equipe de pesquisadores liderados pela física Katherine Freese, da Universidade de Michigan, propõe que minerais como a halita (cloreto de sódio) e a zabuyelita (carbonato de lítio) possam ser usados como detectores.

Geralmente, os cientistas tentam encontrar os fracos efeitos da matéria escura por meio da colisão entre suas partículas constituintes (partículas massivas que interagem fracamente, conhecidas pela sigla em inglês WIMP) e os núcleos de átomos de germânio, silício e iodeto de sódio — que ficam dentro a maioria dos detectores.

No entanto, esses experimentos instalados abaixo da superfície da Terra também detectam e interagem com raios cósmicos que chegam até o planeta, e isso pode prejudicar a descoberta de matéria escura.

Por enquanto, apenas o experimento DAMA/LIBRA, do Laboratório Nacional de Gran Sasso, na Itália, afirma ter detectado matéria escura. O estudo, porém, ainda não foi verificado.

Segundo a equipe de Freese, ao contrário de outros minerais presentes no interior do planeta, a halita e a zabuyelita são capazes de se proteger do efeito dos raios cósmicos e, caso uma WIMP colida com um átomo de sódio ou cloro, seu núcleo apresentará um recuo de um a mil nanômetros que ficará gravado no mineral.

Com técnicas de perfuração usadas em pesquisas geológicas e na prospecção do petróleo, os pesquisadores poderiam extrair os minerais com cerca de 500 milhões de anos e escaneá-los para encontrar os núcleos recuados.

Colisões com WIMPs terão diferentes efeitos em cada elemento do mineral, fornecendo diferentes fontes de informação.

Críticas

“Embora existam vários detalhes a serem demonstrados antes de que este tipo de programa possa ser realmente implementado, eu não vejo porque isso possa dar errado, pelo menos em princípio”, elogiou Dan Hooper, físico do Laboratório do Acelerador Nacional Fermi.

Outros pesquisadores, no entanto, são mais céticos em relação a estratégia da equipe de Freese funcione. Isso porque, em meados dos anos 1990, cientistas haviam proposto um método que usava mica, mas que não conseguiu distinguir as colisão de WIMPs com a de outras partículas, como as de urânio. “Eles podem ser capazes de encontrar minerais que reduzam esse problemas, mas eu acho que, neste momento, as afirmações deles são muito otimistas.”

A física admite que o urânio é uma preocupação para o grupo, mas acredita que seja possível identificar especificamente estes efeitos de radioatividade e ignorá-los. “A verdade é que você tem que fazer para descobrir”, defende.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …