Pular para o conteúdo principal

Um estudo controverso está abalando o mundo da edição genética



Quando as pessoas falam sobre a tecnologia de edição de genes CRISPR, geralmente é acompanhado de adjetivos como “revolucionária” ou “incrível”. Por esse motivo, não é surpreendente que um estudo publicado mês passado questionando o quão revolucionária a tecnologia é realmente, causou certo alvoroço.

Sabe-se que usar o CRISPR pode às vezes resultar em algumas mudanças genômicas, e os cientistas tem trabalhado em formas de melhorar a precisão. Mas pesquisadores descobriram que quando eles usaram o CRISPR para curar a cegueira em ratos, o resultado não foram apenas algumas mutações indesejadas, mas milhares.

“Essas descobertas anunciam que a tecnologia CRISPR precisa ser melhorada, particularmente antes de ser usada como terapia genética humana”, os pesquisadores escreveram. Sua técnica já começou a ser usada em testes humanos na China, e uma está marcada para começar nos EUA ano que vem.

Sua descoberta iniciou uma batalha pela honra do CRISPR, com alguns pesquisadores questionando os métodos do estudo enquanto outros começaram a concordar que o CRISPR ainda não está pronto para as pessoas.

A primeira crítica veio o dia seguinte à publicação do estudo, por meio de um comentário de um pesquisador do PubMed que argumentou “erros descuidados” e falhas na metodologia “sérias dúvidas sobre os resultados ou interpretação”, concluindo que era “difícil imaginar que o CRISPR-cas9 cause tantas alterações homozigóticas em dois ratos independentes”.

Nas mídias sociais, cientistas levantaram preocupações sobre erros básicos, como atrapalhar os genes, rotular errado defeitos genéticos e o pequeno número de animais que os pesquisadores incluíram em sua pesquisa.

“Eu acho que a pesquisa publicada no Nature Methods foi um alarme falso sobre as mutações induzidas pelo CRISPR”, o geneticista Eric Topol disse ao Gizmodo. “Ironicamente, os métodos usados foram errados. Embora permaneçamos atentos a essas preocupações, efeitos genômicos não desejados que podem ocorrer na edição, foram mal identificados”.

Cientistas das companhias focadas no CRISPR Intellia Therapeutics e Editas Medicine mandaram cartas distintas para o periódico, Nature Methods, apresentando suas próprias críticas.

“Baseado na informação disponível no estudo com ratos, a conclusão mais plausível é que as diferenças genéticas refletem um nível normal de variação entre indivíduos em uma colônia”.

“Nós acreditamos que as conclusões tiradas desse estudo são foram substanciadas por experimentos conforme foram pensadas e praticadas”, o cientista do Editas escreveu. “Além do mais, é impossível identificar as diferenças observadas no rato cobaia com os efeitos do CRISPR per se. As diferenças genéticas vistas nessa análise comparativa provavelmente estavam presentes antes da edição com o CRISPR”.

O estudo fez as ações das duas companhias, e uma terceira, a CRISPR Therapeutics, despencarem. Quase duas semanas depois, os preços de mercado ainda não haviam se recuperado completamente. Alguns chegaram a chamar de retração.

“Todos os nossos métodos são descritos na nossa correspondência lida por especialistas e materiais suplementares do Nature Methods e os dados sem análise foram depositados publicamente, para que outros pudessem aprender com os nossos dados”, um dos autores da pesquisa, Alexander Bassuk, disse ao Gizmodo por email.

Springer Nature, que é dono da Nature Methods, disse que eles receberam “vários contatos” sobre a pesquisa e disse que ela foi revisada por especialistas como todas as pesquisas do jornal.

“Estamos analisando cuidadosamente as preocupações que foram levantadas e estamos discutindo elas com os autores”, um porta-voz disse.

Em seu blog, o professor da UC Davis, Paul Knoepfler perguntou a vários cientistas sobre o estudo e recebeu respostas variadas. Um citou os mesmos erros de metodologia que nos apresentaram. Outros defenderam que era uma boa recordação para procurarmos atentamente efeitos colaterais.

“Em geral, esse estudo acrescenta um pouco à base de conhecimento, mas foi mal interpretado pela mídia”, Knoepfler. É improvável, ele escreveu, que tantas edições não intencionadas tenham acontecido, mas ainda sugere que mais estudos são necessários para investigar o problema.

Isso nos leva à única coisa que é definitivamente verdade: apesar do nosso progresso recente, ainda tem muito mais que não sabemos sobre o CRISPR. Ele de fato permite que façamos edições genéticas mais fácil do que nunca, mas essa habilidade tem limitações que podem acabar sendo desastrosas se usadas em humanos, e decepcionantes quando usadas em tudo mais. O CRISPR ainda é uma tecnologia nascente, e se um dia ele puder ser usado para curar doenças ou criar um unicórnio, ainda existem muitas coisas que precisam acontecer antes.

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…