Pular para o conteúdo principal

Rosetta encontra ligação entre o Cometa 67P/C-G e a atmosfera terrestre


Imagem obtida no dia 15 de maio de 2016 pela câmara de navegação da Rosetta, a cerca de 9,9 km do centro do núcleo do Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko. A escala da superfície ronda os 0,8 m/pixel e a imagem abrange mais ou menos 1,5 km de comprimento.
À direita pode ser vista parte do pequeno lóbulo do cometa e uma porção do lóbulo grande à esquerda.
Estas observações foram realizadas ao longo de um período de 3 semanas, no qual a Rosetta passou muito perto do núcleo em busca de xenônio, um importante constituinte da composição primordial do Sistema Solar.
A mistura de xenônio, encontrada no cometa, é muito parecida com a mistura primordial que os cientistas pensam ter sido trazida para o nosso planeta durante os estágios iniciais da formação do Sistema Solar. Estas medições sugerem que os cometas contribuíram com cerca de um-quinto do xénon presente na atmosfera primitiva da Terra.
Crédito: ESA/Rosetta/NavCam


A desafiante descoberta, pela missão Rosetta da ESA, de vários isótopos de gás nobre xénon no Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko estabeleceu o primeiro elo quantitativo entre o cometa e a atmosfera da Terra. A mistura de xenônio encontrada no cometa é muito parecida com U-xenônio, a mistura primordial que os cientistas acreditam ter sido trazida para a Terra durante os estágios iniciais da formação do Sistema Solar. Essas medições sugerem que os cometas contribuíram com cerca de um-quinto da quantidade de xénon na antiga atmosfera da Terra.

Xénon - um gás incolor e inodoro que compõe menos de um bilionésimo do volume da atmosfera da Terra - pode conter a chave para responder a uma pergunta de longa data sobre os cometas: contribuíram estes para a transferência de material para o nosso planeta quando o Sistema Solar estava a tomar forma, há cerca de 4,6 bilhões de anos atrás? E, em caso afirmativo, quanto?

O gás nobre xenônio é formado numa variedade de processos estelares, desde as fases tardias de estrelas de massa baixa e intermédia, até explosões de supernovas, e até fusões de estrelas de nêutrons. Cada um desses fenômenos dá origem a diferentes isótopos do elemento. Como um gás nobre, o xenônio não interage com outras espécies químicas e, portanto, é um importante vestígio do material a partir do qual o Sol e os planetas se originaram e que, por sua vez, deriva de gerações de estrelas anteriores.

"O xenônio é o gás nobre estável mais pesado e, talvez, o mais importante por causa dos seus muitos isótopos que se originam em diferentes processos estelares: cada um fornece uma informação adicional sobre as nossas origens cósmicas", diz Bernard Marty da CRPG-CNRS e Universidade de Lorraine, França. Bernard é o principal autor de um artigo que relata a descoberta de xénon pela sonda Rosetta no Cometa 67P/C-G, que foi publicado a semana passada na revista Science.

É por causa desta "impressão digital" especial que os cientistas têm usado o xénon para investigar a composição do Sistema Solar inicial, que fornece pistas importantes para compelir a sua formação. Ao longo das últimas décadas, recolheram amostras da abundância relativa dos seus vários isótopos em diferentes locais: na atmosfera da Terra e de Marte, nos meteoritos provenientes de asteroides, em Júpiter e no vento solar - o fluxo de partículas carregadas que fluem do Sol.

A mistura de xénon presente na atmosfera do nosso planeta contém uma maior abundância de isótopos mais pesados em relação aos mais leves; no entanto, isto resulta de o fato dos elementos mais leves escaparem mais facilmente da atração gravitacional da Terra e sendo perdidos para o espaço em maiores quantidades. Ao corrigir a composição atmosférica do xenônio para esse efeito desenfreado, os cientistas na década de 1970 calcularam a composição da mistura primordial deste gás nobre, conhecido como U-xenônio, que já estava presente na Terra.

Este U-xénon continha uma mistura de isótopos leves similar à dos asteroides e do vento solar, mas incluiu quantidades significativamente menores dos isótopos mais pesados.

"Por estas razões, há muito que suspeitamos que o xénon na atmosfera inicial da Terra poderia ter uma origem diferente da mistura média deste gás nobre encontrado no Sistema Solar", diz Bernard.

Uma das explicações é que o xenônio no Sistema Solar deriva diretamente da nuvem protossolar, uma massa de gás e poeira que deu origem ao Sol e aos planetas, enquanto o xenônio encontrado na atmosfera terrestre foi entregue num estágio posterior por cometas que, por sua vez, se podem ter formado a partir de uma mistura de material diferente.

Com a visita da missão Rosetta da ESA ao Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, um fóssil gelado do Sistema Solar inicial, os cientistas poderiam finalmente reunir os dados, há muito procurados, para testar essa hipótese.

"A pesquisa de xénon no cometa foi uma das medições mais cruciais e desafiadoras que realizamos com a Rosetta", diz Kathrin Altwegg, da Universidade de Berna, Suíça, investigadora principal do ROSINA, o Espectrômetro da Sonda Rosetta para Análise de íons e nêutrons, que foi utilizado para este estudo.

O xénon é muito difuso na atmosfera fina do cometa, então a equipe de navegação teve que voar a Rosetta muito perto – entre 5 a 8 km da superfície do núcleo - por um período de três semanas, para que o ROSINA pudesse obter uma detecção significativa de todos os isótopos relevantes.

Voar tão perto do cometa foi extremamente difícil, por causa da grande quantidade de poeira que se levantava à superfície na altura, o que poderia confundir os rastreadores de estrelas que eram usados para orientar a nave espacial.

Eventualmente, a equipe da Rosetta decidiu realizar esta operação na segunda metade de maio de 2016. Esse período foi escolhido como um meio-termo, de modo que teria passado o tempo suficiente após o periélio do cometa, em agosto de 2015, e para que a atividade do pó fosse menos intensa, mas não demasiado de modo que a atmosfera fosse excessivamente fina e a presença de xénon difícil de detetar.

Como resultado das observações, o ROSINA identificou sete isótopos de xenônio, bem como vários isótopos de outro gás nobre, o crípton; elevando assim para três o inventário de gases nobres encontrados no cometa da Rosetta, após a descoberta de árgon, a partir de medições realizadas no final de 2014.

"Estas medições exigiram um longo período dedicado exclusivamente para o ROSINA, e teria sido muito decepcionante se não tivéssemos detectado xénon no Cometa 67P/CG, por isso, fico feliz por termos conseguido detetar tantos isótopos," acrescenta Kathrin.

Uma análise mais aprofundada dos dados revelou que a mistura de xénon no Cometa 67P/C-G, que contém quantidades maiores de isótopos leves do que pesados, é bastante diferente da mistura média encontrada no Sistema Solar. Uma comparação com a amostra de calibração a bordo confirmou que o xénon detetado no cometa também é diferente da mistura atual na atmosfera da Terra.

Em contraste, a composição do xenônio detectada no cometa parece estar mais próxima da composição que os cientistas pensam estar presente na atmosfera inicial da Terra.

"Este é um resultado muito emocionante, porque é a primeira descoberta de um candidato para a hipótese do U-xenônio”, explica Bernard.

"Existem algumas discrepâncias entre as duas composições, que indicam que o xenônio primordial fornecido ao nosso planeta, poderia derivar de uma combinação de cometas e asteroides impactantes."

Em particular, Bernard e seus colegas conseguiram estabelecer o primeiro elo quantitativo entre os cometas e a camada gasosa do planeta: com base nas medições da Rosetta no Cometa 67P/CG, 22% do xenônio, outrora presente na atmosfera da Terra, pode ser originário de cometas - o resto terá sido fornecido por asteroides.

Este resultado não está em contradição com as medições isotópicas da água no cometa da Rosetta, que eram significativamente diferentes daquelas encontradas na Terra. De fato, considerando os vestígios de xenônio na atmosfera da Terra e a quantidade de água muito maior nos oceanos, os cometas poderiam ter contribuído para o xenônio atmosférico sem ter um impacto significativo na composição da água nos oceanos.

A contribuição deduzida das medições de xenônio, por outro lado, concorda com a possibilidade de que os cometas tenham sido transportadores significativos de material pré-biótico - como o fósforo e o aminoácido glicina, que também foram detectados pela Rosetta no cometa - que era crucial para o aparecimento da vida na Terra.

Finalmente, a diferença entre a mistura de xénon encontrado no cometa - que foi incorporado no núcleo no momento da sua formação – e o xenônio observado por todo o Sistema Solar indica que a nuvem protossolar, a partir da qual o Sol, os planetas e pequenos corpos nasceram, era um lugar bastante heterogêneo em termos da sua composição química.

"Esta conclusão está de acordo com medições anteriores realizadas pela Rosetta, incluindo as detecções inesperadas de oxigênio molecular (O2) e di-enxofre (S2), e a alta relação deutério-hidrogênio observada na água do cometa", acrescenta Kathrin.

A evidência adicional da natureza não homogênea da nuvem protossolar veio também de um outro estudo baseado em observações do ROSINA, publicado em maio na Astronomy & Astrophysics, e que revelou que a mistura de isótopos de silício observados no cometa é diferente daquela medida noutro local no Solar Sistema.

"Como antecipamos no ano passado, agora que as operações da missão acabaram, as equipes podem concentrar-se na ciência", diz Matt Taylor, Cientista do Projeto Rosetta da ESA.

"A análise detalhada realizada neste trabalho, com base em operações especialmente desenhadas, aborda um dos principais objetivos científicos da missão: encontrar pistas quantitativas que se vinculem à formação e evolução precoce do nosso planeta e do Sistema Solar."


A mistura de isótopos do gás nobre xenônio detectada pela missão Rosetta da ESA no Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, em comparação com a mistura de xénon medida noutras regiões do Sistema Solar. Todas as abundâncias são normalizadas relativamente à abundância observada no vento solar, o fluxo de partículas carregadas oriundas do Sol (linha amarela).
A mistura de xenônio medida nos meteoritos condritos que veio dos asteroides (linha cinzenta) é bastante similar com aquela encontrada no vento solar, enquanto a presenta na atmosfera do nosso planeta (linha azul) contém uma abundância maior de isótopos mais pesados em relação aos mais leves.
No entanto, a última é resultado de os elementos mais leves escaparem da atração gravitacional da Terra mais facilmente e serem perdidos para o espaço em maiores quantidades. Ao corrigirem a composição atmosférica do xénon no que toca a este efeito de escape, os cientistas calcularam, na década de 1970, a composição da mistura primordial deste gás nobre, conhecido como U-xenônio, presente na Terra. Este U-xenônio continha uma mistura de isótopos leves parecida com a dos asteroides e do vento solar, mas incluía quantidades significativamente mais pequenas dos isótopos mais pesados.
As observações da Rosetta revelaram que a mistura de xénon no Cometa 67P/C-G (linha e pontos pretos) contém maiores quantidades de isótopos leves do que pesados, assim que é bastante diferente da mistura média encontrada no Sistema Solar. Uma comparação com a amostra de calibração a bordo (dados azuis) confirmou que o xenônio detectado no cometa é também diferente da mistura atual na atmosfera da Terra.
Em contraste, a composição do xénon detectado no cometa parece estar mais perto da composição que os cientistas atribuem à atmosfera primitiva da Terra.
As medições da Rosetta, do xenônio no Cometa 67P/C-G, sugerem que os cometas contribuíram cerca de um-quinto da quantidade de xenônio na atmosfera primitiva da Terra. Também indicam que a nuvem protossolar a partir da qual o Sol, os planetas e os corpos mais pequenos nasceram, era um local não homogêneo em termos da sua composição química.
Crédito: dados de B. Marty et al., 2017



Ilustração da nuvem protossolar, uma massa de gás e poeira que deu origem ao Sol e aos planetas há 4,6 bilhões de anos.
As observações do gás nobre xenônio, realizadas pela missão Rosetta da ESA no Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, revelaram que a mistura de isótopos encontrada no cometa assemelha-se de perto com U-xenônio, a mistura primordial que os cientistas pensam ter sido trazida para a Terra durante os estágios iniciais da formação do Sistema Solar. Em contraste, a mistura deste gás, no cometa, é bastante diferente da mistura de isótopos de xenônio encontrada em meteoritos oriundos de asteroides e do vento solar - o fluxo de partículas carregadas que flui do Sol.
As medições da Rosetta, do xénon no Cometa 67P/C-G, sugerem que os cometas contribuíram cerca de um-quinto da quantidade de xenônio na atmosfera primitiva da Terra. Também indicam que a nuvem protossolar a partir da qual o Sol, os planetas e os corpos mais pequenos nasceram, era um local não homogêneo em termos da sua composição química.
Crédito: ESA



A composição dos isótopos do gás nobre xenônio na composição primordial, conhecida como U-xenônio, que os cientistas pensam estar presente na atmosfera primitiva da Terra (dados azuis). Este U-xénon continha uma mistura de isótopos leves similar à do vento solar (linha amarela), mas incluía quantidades significativamente mais pequenas de isótopos mais pesados.
A mistura de xenônio detetada pela missão Rosetta da ESA, no Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, parece ser mais parecida com a do U-xenônio do que a da composição média encontrada no vento solar. Esta é a primeira descoberta de um candidato à teorizada composição do U-xenônio.
Os cientistas pensam que o xenônio primitivo, entregue ao nosso planeta, pode derivar de uma combinação de cometas e asteroides impactantes (dados cinzentos), que os cometas contribuíram com cerca de 22%. Esta combinação também tem em conta o excesso de um isótopo de xenônio em particular, 129-Xe, observado na atmosfera da Terra (dados pretos).
As medições da Rosetta, do xenônio no Cometa 67P/C-G, sugerem que os cometas contribuíram cerca de um-quinto da quantidade de xenônio na atmosfera primitiva da Terra. Também indicam que a nuvem protossolar a partir da qual o Sol, os planetas e os corpos mais pequenos nasceram, era um local não homogêneo em termos da sua composição química.
Crédito: dados de B. Marty et al., 2017


FONTE: ASTRONOMIA ONLINE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…