Pular para o conteúdo principal

Equipe da New Horizons examina novos dados do próximo alvo da sonda


Paul Maley e Ted Blank, ambos da IOTA (International Occultation Timing Association), observam a ocultação do objeto da Cintura de Kuiper, 2014 MU69, na madrugada do dia 3 de junho de 2017, a partir do deserto de Karoo perto de Vosburg, África do Sul. O campo de visão do alvo - que continha tanto Plutão como MU69 - encontra-se na porção da Via Láctea vista aqui, na direção da constelação de Sagitário. Eles posicionaram o telescópio próximo de um pequena igreja, protegendo-o dos ventos que podiam surgir durante essa fria noite de inverno. A sonda New Horizons da NASA vai passar por MU69 no dia de 1 de janeiro de 2019.
Crédito: NASA/JHUAPL/SwRI/Henry Throop


Foi a campanha de observação de uma ocultação estelar mais tecnicamente desafiadora e complexa já tentada: pelo menos 54 equipes, com dúzias de telescópios espalhados por dois continentes, posicionados para capturar um vislumbre raro e de dois segundos de um pequeno e distante objeto da cintura de Kuiper a passar em frente de uma estrela. E não era um qualquer KBO - é o próximo alvo da missão New Horizons da NASA.

Durante a noite de 2 para 3 de junho, cerca de duas dúzias de membros da equipe da New Horizons e outros observadores da Argentina e da África do Sul esperavam capturar a fugaz sombra de 2014 MU69, que a nave New Horizons irá explorar num voo rasante no dia de Ano Novo de 2019.

"As estrelas alinharam-se para esta campanha de observação, que foi habilmente implementada pela equipe," afirma Adriana Ocampo, do programa New Horizons na sede da NASA em Washington, DC. "É incrível como a astronomia clássica - desde pequenos telescópios até alguns dos mais avançados observatórios da Terra - está ajudando a New Horizons a planejar o seu próximo 'flyby', e mostra quão verdadeiramente global é a exploração espacial."

Todas as 54 equipes telescópicas recolheram dados, relata Alan Stern, investigador principal, acrescentando que os cientistas já começaram a estudar esses dados quando voltaram para casa na semana passada.

"Muita coisa tinha que correr bem para executarmos corretamente uma campanha de observação tão grande," explica Stern, do SwRI (Southwest Research Institute) em Boulder, no estado norte-americano do Colorado. "O objetivo principal dessas observações era procurar perigos; o segundo era tentar vislumbrar a ocultação estelar do próprio MU69, a fim de determinar o seu tamanho com precisão. O estudo das dúzias de conjuntos de dados destes dois objetivos vai demorar algumas semanas."

Posicionamento quase perfeito

Marc Buie, coinvestigador da New Horizons, no SwRI, que liderou a campanha, enfatizou que os dados da missão Gaia da ESA e do Telescópio Espacial Hubble foram fundamentais para o planeamento das observações. "Sem o Gaia e o Hubble, duvido que pudéssemos ter tido um nível tão alto de sucesso," concorda Stern, "o Gaia e o Hubble foram cruciais para esse sucesso e agradecemos a ambos."

A combinação das posições estelares do Gaia com as imagens do Hubble forneceu a informação necessária para prever o caminho estreito da sombra de MU69 pela Terra. "Os dados estelares do Gaia foram críticos nesta operação," afirma Buie. "Sem eles, não havia maneira de prever um percurso tão preciso."

Observando no ar e no solo

A New Horizons tem mais duas chances para observar ocultações estelares de MU69 este verão, no dia 10 de julho e no dia 17 de julho. No dia 10 de julho, a equipe irá utilizar o poderoso telescópio aéreo de 2,5 metros (100 polegadas) do SOFIA (Stratospheric Observatory for Infrared Astronomy) da NASA; o ponto de vista do avião, acima das nuvens, irá remover o mau tempo como obstáculo à observação e o SOFIA poderá fornecer dados melhores do que os telescópios mais pequenos utilizados na ocultação que já teve lugar. No ar, o SOFIA fornecerá o melhor ponto de vantagem para observar a ocultação de dia 10 de julho, uma vez que a sombra cai no meio do Oceano Pacífico.

No dia 17 de julho, os membros da equipe da New Horizons vão novamente utilizar duas dúzias de pequenos telescópios móveis (40 centímetros em diâmetro) nas terras no extremo sul da Patagônia, Argentina, para observar o terceiro e último evento, que proporciona uma estrela muito mais brilhante para estudar, ainda mais profundamente, quaisquer detritos em torno de MU69.


Na Argentina, o cientista da New Horizons, Alex Parker, recolheu dados da ocultação estelar de 2014 MU69.
Crédito: Kai Getrost


Percurso projetado da sombra da ocultação estelar de 2014 MU69, no dia 10 de julho (esquerda) e no dia 17 de julho.
Crédito: Larry Wasserman/Observatório Lowell



Quatro membros da equipe de observação da África do Sul vislumbram o céu à espera do início da ocultação estelar de 2014 MU69, na madrugada de dia 3 de junho de 2017. O campo de visão do alvo estava em frente da Via Láctea, vista aqui a partir do seu local de observação no deserto de Karoo perto de Vosburg, África do Sul. Usaram telescópios portáteis para observar o evento, à medida que MU69, um pequeno objeto da Cintura de Kuiper e o próximo alvo da missão New Horizons da NASA, passava em frente de uma estrela distante.
Crédito: NASA/JHUAPL/SwRI/Henry Throop

FONTE: http://www.ccvalg.pt

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…