Pular para o conteúdo principal

Experimento chinês revela a estranheza da mecânica quântica batendo recordes de distância



Mecânica quântica é estranha pra caramba. As regras do mundo como você as conhece não se aplicam. Mesmo a distâncias de milhares de quilômetros umas das outras, as partículas parecem conseguir se comunicar entre elas instantaneamente, por exemplo.

Cientistas chineses colocaram essa ideia em um teste extremo, observando o que Albert Einstein chamou de “Fantasmagórica Ação à Distância” entre estações recebendo feixes de luz de satélites. A pesquisa esmaga o recorde anterior de cerca de 100 quilômetros de distância. Não espere que esse tipo de coisa tenha qualquer efeito em sua vida por enquanto, mas, no futuro, pode ter aplicações computacionais quânticas importantes.

Então, o que está acontecendo?

A matemática da mecânica quântica vem com uma estranha propriedade de emaranhamento, em que partículas podem assumir propriedades relacionadas se acabarem juntas em uma equação. Se você separa essas partículas espacialmente, então elas permanecem emaranhadas com essas propriedades até que você observe uma delas — então, a outra partícula assume seu valor correspondente. É como se o o fato de que você tenha observado a primeira partícula imediatamente transmita a informação para a outra partícula sobre qual aspecto ela deve ter.

É por isso que Einstein a chamou de “Fantasmagórica Ação à Distância”. Porque é fantasmagórica e porque as partículas, de alguma maneira, parecem se comunicar à distância. E ele não quis acreditar que seu efeito era real.

Experimentos feitos desde a década de 1970 de fato já provaram que essa Ação Fantasmagórica à Distância existe, mas esses testes anteriores exigiam fibras ópticas ou outros componentes que enfraqueciam o sinal. Dessa vez, no entanto, a equipe chinesa usou seu recém-lançado satélite Micius, que lhe permitiu enviar fótons sem obstrução através do vazio do espaço. Eles publicaram seu resultado na Science, nesta quinta-feira (15).

O experimento em si é um caminho bastante indireto para se fazer essas observações. A equipe teve várias estações terrestres espalhadas longe umas das outras e um satélite. Este contém um laser com um dispositivo para separar o feixe, quando então passa por meio de um cristal especial para enredar os pares de fótons. Os feixes divididos então viajam para dois laboratórios diferentes, com até 1.200 quilômetros de distância. Os pesquisadores então abriram a caixa nos laboratórios e compararam.

Outros físicos ficaram impressionados, mas é importante notar que apenas um em seis milhões de fótons foram recuperados com precisão, como contou o físico Alexander Ling, da Universidade Nacional de Singapura, à Science. Mas mesmo isso é um passo enorme em relação aos experimentos terrestres anteriores, disse o cientista-chefe da equipe, Jian-Wei Pan, da Universidade de Ciência e Tecnologia da China, em Hefei, em entrevista à Scientific American.

Você provavelmente está se perguntando qual o uso que esses satélites de fato teriam. Uma possibilidade é que fótons emaranhados possam ser importantes para as telecomunicações. Se alguém tentasse interceptar dados enviados por uma dessas linhas quânticas, o destinatário saberia imediatamente, já que receberiam dados não emaranhados.

Então, tecnologicamente, esse é um passo gigante, como contou Jürgen Volz, físico do Vienna Center for Quantum Science and Technology, contou ao LA Times. Mas ainda resta muito, muito tempo até que vejamos, de fato, essa tecnologia sendo usada em nossas redes de comunicação.

[Science via Scientific American]

Imagem do topo: Alex Sukontsev/Flickr

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…