Pular para o conteúdo principal

Os robôs do futuro talvez sejam controlados por meio de campos magnéticos


Se quisermos que nossos robôs se tornem mais realistas, ou se quisermos começar a utilizá-los para mais aplicações biológicas, eles precisarão se tornar mais flexíveis. Isso inclui robôs projetados para se movimentarem em fluidos, aumentar órgãos no corpo humano e próteses, por exemplo.

Cientistas que estudam robótica flexível estão tentando superar algumas das insuficiências de peças móveis de metal que nem sempre são úteis para entrarem em espaços apertados ou se movimentarem no corpo humano. Utilizar materiais flexíveis, por outro lado, tem seus problemas também – como por exemplo, como controlar robôs que não são rígidos, ou como fazê-los fortes o suficiente para levantar objetos.

Uma equipe de cientistas da Universidade Estadual da Carolina do Norte está trabalhando em novas maneiras de controlar remotamente robôs com partes flexíveis ao incorporar partículas microscópicas de ferro em folhas de polímero. Eles testaram alguns protótipos e surgiram com um novo padrão de medição de eficiência de performance desses robôs.

Antes, os pesquisadores tentaram construir robôs flexíveis controlados remotamente com a utilização de nanopartículas magnéticas feitas em laboratório, mas depois alteraram para soluções disponíveis no mercado. Com a ajuda de estudantes universitários, “o que nos permitiu fabricar os dispositivos muito mais rapidamente”, segundo Joe Tracy, autor do novo artigo publicado nesta semana no periódico ACS Applied Materials & Interfaces.

Para fabricar essas partes magneticamente controláveis dos robôs, os pesquisadores começaram com um polímero líquido, enchendo-os com micropartículas de quatro micrômetros de ferro (a largura de um cabelo humano tem entre 30 a 100 micrômetros, para efeito de comparação). Eles permitiram que o material esfriasse em filmes e depois os cortaram em tiras. Ativar um campo magnético permite que as partículas se organizem em cadeias, que alteram o formato do material, permitindo funções complexas. A equipe criou acordeões que dobravam, tubos que comprimiam e vigas que suportavam 50 vezes o próprio peso – tudo isso ligando um campo magnético.

Micropartículas de ferro antes do campo magnético (Imagem: Schmuach et al)

Micropartículas de ferro depois do campo magnético (Imagem: Schmuach et al)

Tracy estava animado especialmente com a nova métrica que eles criaram para mensurar o quão forte seus materiais são – “torque específico”. Essa medida calcula o torque, ou a força rotacional, por unidade de massa de micropartículas, por unidade de campo magnético. Ao comparar o torque específico entre partes robóticas de diferentes formatos, os pesquisadores podem determinam o quão forte cada uma é, e como elas se saem comparadas com outros modelos.

“Agora que temos esse coeficiente de mérito, queremos trabalhar para maximizá-lo. Temos algo bom, mas podemos deixá-lo melhor e medir o quão bom é”, disse Tracy.

Neste momento, eles basicamente possuem fortes tiras plásticas magnéticas, então se você tem alguma ideia funcional para esse tipo de peça, Tracy é todo ouvidos. “Precisamos de mais ideias do que podemos fazer com isso”, disse ele.

[ACS Applied Materials & Interfaces]

Imagem do topo: Schmuach et al



FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…