Pular para o conteúdo principal

Nova forma de vida indica como poderão ser os ETs

Representação de uma forma de vida baseada em silício e não no carbono. Estes dois elementos são muito similares quimicamente, mas a vida não está feita do primeiro, mas sim do segundo.

Cientistas descobrem que a vida pode ser baseada em silício. Se você quer imaginar um alienígena real, esqueça o ET e pense na Horta, de Star Trek

Uma nova descoberta da CalTech, o Instituto de Tecnologia da Califórnia, pode mudar tudo o que sabemos sobre como a vida se forma – e do que são feitos os extraterrestres.

Quando buscamos evidências de vida extraterrestre, geralmente temos dois objetivos: 1) encontrar água e 2) encontrar matéria orgânica. Se você se lembra das aulas de química, sabe que moléculas orgânicas são aquelas que têm como base o carbono, que se liga aos demais elementos para formar tudo aquilo que chamamos de vida – pelo menos no planeta Terra.

O silício seria um ótimo candidato a parceiro do carbono para abrigar a vida: também é capaz de fazer 4 ligações atômicas e formar longas cadeias, além de ser o segundo elemento mais comum na nossa crosta terrestre. Ainda assim, na Terra, o silício fica de um lado e a vida do outro: não existe um único ser vivo por aqui que consiga incorporar o silício naturalmente, formando ligações carbono-silício.

Até agora, é claro. Os pesquisadores da CalTech conseguiram, pela primeira vez, fazer com que células vivas criassem a conexão entre o carbono e o silício, usando apenas os princípios de Darwin: evolução acelerada em laboratório.

Os cientistas selecionaram uma espécie de bactérias que vive em fontes termais da Islândia. O citocromo c, uma proteína que fica dentro das mitocôndrias, foi a escolhida para tentar alcançar o feito de unir naturalmente o silício e o carbono.

Eles criaram diversas mutações para o DNA que codifica essa proteína. Aí, escolheram as que pareciam mais adequadas e foram refazendo essa seleção artificial até chegar na proteína desejada: “É como cruzar cavalos de corrida”, explicou Frances Arnold, chefe do laboratório responsável pela pesquisa. “Você precisa reconhecer a habilidade inerente do cavalo e extraí-la a cada geração. Estamos fazendo isso com proteínas”.

Demorou apenas três “rodadas” de cruzamentos entre as mutações mais favoráveis para que as enzimas estivessem criando as ligações silício-carbono – e com 15 vezes mais eficiência do que qualquer reação química feita antes em laboratório.

Para a indústria, isso pode significar uma diminuição enorme de custos. Hoje em dia, criar a ligação de forma sintética envolve metais preciosos, solventes tóxicos e muito processamento. Já versão “natural” feita por enzimas realiza a reação em água e em temperatura ambiente.

Mas e os aliens?

O estudo mostra que a natureza é capaz de se adaptar para incorporar silício em moléculas baseadas em carbono. E faz isso muito rápido: em células simples mutadas em laboratório, levou só 3 gerações para acontecer – praticamente a velocidade da luz em termos evolutivos.

Só esse fato já aumenta muito as chances de que, em outro planeta e em outras condições, tenha surgido matéria orgânica com base em silício. Isso pode mudar completamente nossa concepção de seres alienígenas: ao invés dos extraterrestres que vemos no filme Alien, pode ser que o Universo contenha parentes da Horta, uma espécie inteligentíssima com base em silicone que apareceu na série original de Star Trek.

Imaginar como seria o metabolismo de um alien de silício, no entanto, é um exercício interessante. Quando liberamos energia através da respiração, temos um composto de carbono oxidado – o CO2, ou gás carbônico. Facinho de eliminar, certo? Com o silício não é tão simples: o subproduto da respiração, nesse caso, seria o dióxido de silício. É a sílica, o principal componente… da areia de praia. Imagine ter que excretar um pequeno Saara todos os dias, a cada fungada. Seria uma boa explicação para o mal humor dos ETs em Independence Day.



FONTE: http://www.caltech.edu/news/bringing-silicon-life-53049 via http://exame.abril.com.br/


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…