Pular para o conteúdo principal

O espaço tem feito com que alguns astronautas fiquem míopes


Nós sabemos que os corpos dos astronautas são muito impactados durante o tempo que eles ficam no espaço. No entanto, conforme eles vão voltando para a Terra, após um bom tempo sem gravidade, mais problemas vão aparecendo.

Vamos pegar como exemplo o caso do astronauta John Philips, que estava a bordo da Estação Espacial Internacional em 2005. Segundo o Washington Post, ele começou a ter problemas em seus olhos enquanto estava no espaço, mas estava um pouco relutante em falar sobre o assunto. Ele tinha a visão perfeita quando deixou a Terra, porém, após o voo, médicos descobriram que ela deteriorou 20/100 em 6 meses.

Com o passar do tempo, pesquisadores descobriram que cerca de 80% dos astronautas são afetados pelo que ficou conhecido como VIIP (visual impairment intracranial pressure syndrome, algo como síndrome da deficiência visual causada por pressão intracranial). Eles acreditam que isso tem relação com problemas fisiológicos nos rostos dos astronautas, enquanto não estão na gravidade.

Pesquisadores sabem que o fluído corporal que normalmente acumula na metade inferior do corpo (em função da gravidade) tende a ir para cima, causando um aumento de pressão no cérebro. Por exemplo, dois litros de líquido mudaram de local no cérebro de Scott Kelly durante o tempo dele no espaço. Isso pode causar pressão extra na parte de trás dos globos oculares, o que pode achatá-los, empurrando as retinas para frente e distorcendo a vista. Os nervos ópticos de Phillips estavam inflamados e ele tinha coroides dobradas.

Isto é apenas uma teoria que ainda está sendo desenvolvida, pois os cientistas ainda não conseguiram testá-la em condições que não sejam as espaciais. Eles ainda também não têm certeza sobre a duração dessa condição, ou se ela é temporária.

No entanto, estudos estão sendo feitos no espaço para verificar se manter o fluxo normal de fluídos corporais ajuda a combater (ou não) a miopia. Kelly e outras astronautas usaram a Russian Chibis, que consiste em um calça volumosa que tenta trazer fluídos da parte superior para a inferior do corpo. Mais estudos ainda precisam ser feitos, no entanto John Charles, o cientista-chefe do programa de pesquisa humana da NASA, disse que retomar o fluxo mostrou que ele exerce um efeito no olho.


Na imagem, o cosmonauta russo Yuri Malenchenko usa a Chibis. Crédito: Roscosmos

Esta pesquisa acaba adicionando mais um problema a uma longa lista de problemas de saúde que astronautas têm durante o tempo deles no espaço. Além da falta de gravidade arruinando os fluídos corporais dos astronautas, ela também pode bagunçar o senso do que está em cima e do que está em baixo, pois o cérebro não consegue entender onde o chão e o teto estão. Há também a possibilidade de que os ossos dos astronautas se tornem frágeis e quebrem durante o impacto na volta à Terra — ainda bem que os assentos deles são customizados para mantê-los seguros.

[Washington Post]

Foto do topo: astronauta John Philips recebe cuidados médicos ao voltar da Estação Espacial Internacional, em 2005, na Rússia. Crédito: AP Photo/Ivan Sekretarev

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…