Pular para o conteúdo principal

Dois planetas com tamanho parecido ao da Terra são candidatos a habitáveis


Há dois meses, pesquisadores descobriram que um sistema estelar próximo tem ao menos três planetas potencialmente habitáveis. Agora eles descobriram que dois desses mundos têm ainda mais potencial de habitabilidade do que eles inicialmente pensavam.

Todos os três planetas pareciam bons candidatos quando foram descobertos em maio. Eles orbitam a mesma estrela anã, TRAPPIST-1, a apenas 40 anos-luz de distância da Terra. Todos têm mais ou menos o mesmo tamanho da Terra, e estão na zona habitável nem quente e nem fria demais capaz de suportar vida.

Em um artigo publicado na Nature, os mesmos pesquisadores determinaram que ao menos dois dos planetas são, como a Terra, planetas terrestres – com superfícies rochosas e atmosferas pequenas e compactas – em vez de gigantes gasosos como Júpiter e Saturno. “Esses planetas não são mini-gigantes gasosos, o que é uma coisa boa porque se fossem não seriam habitáveis,” explicou o autor Julien de Wit do MIT ao Gizmodo. “Nós descartamos esse cenário.


Conceito artístico da vista de um desses planetas. Via ESO/M. Kornmesser

Claro, só porque sabemos que os planetas são rochosos não significa que eles são mais parecidos com a Terra. “Eles podem ser como a Terra,” disse de Wit, “ou podem ser como Vênus, com uma atmosfera dominada por dióxido de carbono e nuvens de alta altitude, ou talvez como Marte.”

Para estudar a atmosfera dos planetas, os pesquisadores observaram eles através do telescópio Hubble conforme eles passaram em frente à estrela que orbitam. Enquanto os planetas estavam nesse chamado trânsito duplo ao redor do seu sol, os pesquisadores mediram as mudanças no comprimento de onda da luz estelar.


Animação do trânsito exoplanetário de TRAPPIST-1b e TRAPPIST-1c.
Crédito: NASA/ESA/STScI

Gigantes gasosos, como Júpiter, possuem atmosferas mais leves e difusas que não são propícias para a habitabilidade. Ao usar pequenas mudanças no comprimento de onda, os pesquisadores conseguiram visualizar a atmosfera dos planetas e descobriram que são bastante firmes ao planeta – como o esperado em um planeta rochoso. Agora eles querem observar ainda mais trânsitos dos planetas da TRAPPIST-1 para determinar com mais precisão como são essas atmosferas.

O sistema TRAPPIST-1 foi encontrado inicialmente usando um protótipo de telescópio robótico localizado no Chile. Os pesquisadores estão curiosos para saber se outras estrelas pequenas e frias podem ser lar de sistemas habitáveis parecidos. Para descobrir isso, eles vão construir mais seis telescópios adicionais – quatro deles já estão em construção e dois outros serão colocados no Chile e Marrocos – baseados nesse protótipo. Assim que os seis estiverem varrendo os céus, podemos descobrir que esses sistemas planetários potencialmente habitáveis são muito mais comuns do que pensamos.

Foto de topo: NASA, ESA e STSCI.

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…