Pular para o conteúdo principal

Dois planetas com tamanho parecido ao da Terra são candidatos a habitáveis


Há dois meses, pesquisadores descobriram que um sistema estelar próximo tem ao menos três planetas potencialmente habitáveis. Agora eles descobriram que dois desses mundos têm ainda mais potencial de habitabilidade do que eles inicialmente pensavam.

Todos os três planetas pareciam bons candidatos quando foram descobertos em maio. Eles orbitam a mesma estrela anã, TRAPPIST-1, a apenas 40 anos-luz de distância da Terra. Todos têm mais ou menos o mesmo tamanho da Terra, e estão na zona habitável nem quente e nem fria demais capaz de suportar vida.

Em um artigo publicado na Nature, os mesmos pesquisadores determinaram que ao menos dois dos planetas são, como a Terra, planetas terrestres – com superfícies rochosas e atmosferas pequenas e compactas – em vez de gigantes gasosos como Júpiter e Saturno. “Esses planetas não são mini-gigantes gasosos, o que é uma coisa boa porque se fossem não seriam habitáveis,” explicou o autor Julien de Wit do MIT ao Gizmodo. “Nós descartamos esse cenário.


Conceito artístico da vista de um desses planetas. Via ESO/M. Kornmesser

Claro, só porque sabemos que os planetas são rochosos não significa que eles são mais parecidos com a Terra. “Eles podem ser como a Terra,” disse de Wit, “ou podem ser como Vênus, com uma atmosfera dominada por dióxido de carbono e nuvens de alta altitude, ou talvez como Marte.”

Para estudar a atmosfera dos planetas, os pesquisadores observaram eles através do telescópio Hubble conforme eles passaram em frente à estrela que orbitam. Enquanto os planetas estavam nesse chamado trânsito duplo ao redor do seu sol, os pesquisadores mediram as mudanças no comprimento de onda da luz estelar.


Animação do trânsito exoplanetário de TRAPPIST-1b e TRAPPIST-1c.
Crédito: NASA/ESA/STScI

Gigantes gasosos, como Júpiter, possuem atmosferas mais leves e difusas que não são propícias para a habitabilidade. Ao usar pequenas mudanças no comprimento de onda, os pesquisadores conseguiram visualizar a atmosfera dos planetas e descobriram que são bastante firmes ao planeta – como o esperado em um planeta rochoso. Agora eles querem observar ainda mais trânsitos dos planetas da TRAPPIST-1 para determinar com mais precisão como são essas atmosferas.

O sistema TRAPPIST-1 foi encontrado inicialmente usando um protótipo de telescópio robótico localizado no Chile. Os pesquisadores estão curiosos para saber se outras estrelas pequenas e frias podem ser lar de sistemas habitáveis parecidos. Para descobrir isso, eles vão construir mais seis telescópios adicionais – quatro deles já estão em construção e dois outros serão colocados no Chile e Marrocos – baseados nesse protótipo. Assim que os seis estiverem varrendo os céus, podemos descobrir que esses sistemas planetários potencialmente habitáveis são muito mais comuns do que pensamos.

Foto de topo: NASA, ESA e STSCI.

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…