Pular para o conteúdo principal

Arquivo Ovni: O Caso Trágico Thomas Mantell


Trágico caso, em que o piloto de um caça Mustang P-51, Thomas Mantell, empreendeu uma perseguição à um grande OVNI que sobrevoava o estado do Kentucky, nos Estados Unidos. O episódio terminou com a destruição do avião e a morte do piloto.

Em 8 de janeiro de 1948 ocorreu um dos mais trágicos registros ufológicos da Ufologia Mundial. Neste dia vários pilotos de caças P-51 Mustang estavam em treinamento no estado do Kentucky, nos Estados Unidos. Ao final do exercício o Centro de Controle solicitou aos pilotos que investigassem a presença de um estranho objeto que estava sendo captado por radar. O objeto surgiu por volta das 13:15 e alarmou os militares americanos pois dirigia-se para Fort Knox, local onde são guardadas as reservas de ouro dos Estados Unidos.

A Esquadrilha era composta inicialmente por quatro aviões. Um deles estava com combustível no fim e precisou retornar à base. Os outros três caças dirigiram-se para o local determinado. Quando chegaram aos 7000 metros de altitude dois caças precisaram retornar pois não possuíam equipamentos para grandes altitudes. Apenas o capitão Thomas Mantell permaneceu na perseguição ao objeto. Através do rádio Mantell relatava o desenvolvimento da perseguição. Ele relatou que o objeto era de grande porte (aproximadamente 70 metros de diâmetro), tinha superfície metálica e deslocava-se a aproximadamente 350 Km/h. Os outros pilotos que participaram da perseguição declararam posteriormente que o OVNI tinha formato de cone branco na parte de baixo e vermelho na parte de cima.


P-51 Mustang e seus destroços.

Mantell permaneceu sozinho na perseguição e informa que abandonará o objeto quando atingir a altitude de 6000 metros. Pouco depois perde-se o contato por rádio com Mantell. Menos de uma hora depois os destroços do avião são encontrados. Eles estavam espalhados em um raio de vários quilômetros indicando que o avião desintegrou-se durante o vôo.

O Governo Americano rapidamente colocou em funcionamento seu sistema de acobertamento de fatos. Eles explicaram o incidente como fruto de erro de interpretação dos pilotos. Eles teriam confundindo Vênus com um OVNI e tentado persegui-lo. Quando atingiram mais de 6000 metros sofreram os efeitos da altitude. Mantell teria subido demais e em determinado momento perdeu os sentidos perdendo o controle de seu avião. Ufólogos rapidamente contestaram os fatos pois o objeto havia sido captado pelo radar o que exclui a possibilidade de o objeto ser o Planeta Vênus. Foi então alegado que o mesmo seria um balão Skyhook da Força Aérea Americana (USAF). Esta explicação também não faz sentido pois Mantell e sua esquadrilha eram veteranos da Segunda Guerra Mundial tendo participado das mais importantes batalhas travadas pelos americanos na Europa. Ele e sua equipe tinham condições de identificar um balão. Além disso a USAF não lançaria balões em área de treinamento militar no momento em que houvessem aviões em manobras. E se por acaso houvesse um lançamento o controle local seria informado dos testes com balões. E não houve qualquer comunicação neste sentido.



FONTE: http://www.fenomenum.com.br/

Comentários

  1. Matéria excelente e que mais uma vez prova o quanto os americanos acobertam os fenômenos OVNI. E apenas o capitão Mantell foi o único prejudicado naquele caso intrigante. Mil vidas humanas parece valer muito menos diante de uma verdade vinda do universo, e que não mais poderá ser ocultada de nós. Os próprios seres interplanetários um dia nos revelará o que os pobres podres poderosos insistem em abafar.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…