Pular para o conteúdo principal

Justiça 'blinda' área do tamanho de 9 mil Maracanãs do Aquífero Guarani


Liminar da Justiça proíbe novas construções e pavimentação na zona rural de Ribeirão Preto, SP (Foto: Milena Aurea/Jornal A Cidade)

Liminar de juíza de Ribeirão Preto protege reservatório da expansão urbana.
Região na zona leste é alvo de impasse em revisão do Plano Diretor local.

Uma área de 65 quilômetros quadrados – equivalente a 9 mil campos do Maracanã – na zona leste de Ribeirão Preto (SP), foi “blindada” no final de setembro por uma liminar da Justiça, que proíbe a construção de casas e barra qualquer pavimentação na região. A medida é uma das maiores já tomadas em nome da preservação do Aquífero Guarani, uma das principais reservas hídricas subterrâneas do mundo.


A determinação é baseada em estudos técnicos e barra os potenciais danos causados pela impermeabilização do solo em uma área considerada fundamental para a recarga do reservatório. A região corresponde à zona rural de Ribeirão, onde existem fazendas com acesso por estradas de terra, e a extensão já era visada pelas construtoras, interessadas no crescimento de bairros como o Jardim Helena e Recreio Internacional, que também foram impedidos de receber novos loteamentos em algumas partes.

A área é também alvo de impasse na revisão do Plano Diretor, que aguarda segunda apreciação da Câmara desde outubro do ano passado. As restrições já estavam previstas em um dos artigos da primeira versão do projeto entregue pela administração municipal, mas a cláusula foi barrada por uma emenda assinada por 11 vereadores.

Consumo acima da capacidade
Segundo o promotor Luís Henrique Paccagnella, do Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente (Gaema) e um dos responsáveis pela ação que motivou a liminar, Ribeirão é a única cidade de grande porte que está integralmente localizada sobre o Aquífero Guarani, e em uma área geograficamente estratégica.

“O aquífero tem uma fissura que permite maior infiltração nesse tipo de solo, mais arenoso, e Ribeirão está exatamente em cima dessa linha, no ponto de afloramento”, explicou o promotor. A água do reservatório é a única que abastece os mais de 660 mil habitantes da cidade e o consumo já está acima da capacidade.

O Aquífero Guarani possui 1,2 milhão de quilômetros quadrados de extensão e estende-se por sete estados do Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai.
Segundo o Gaema, o reservatório sofre rebaixamento de um metro de profundidade por ano e nas últimas décadas o nível hídrico da reserva caiu 72 metros e a situação é preocupante. “Temos preocupação porque não existe outra via de abastecimento. Tem o Rio Pardo, mas é uma situação muito cara e não seria a curto prazo”, disse a promotora Claudia Habib.

Cenário 'trágico'
Na sentença para preservar a região, a juíza Lucilene Canella Mello, da 2ª Vara da Fazenda Pública de Ribeirão, cita a observação feita por um engenheiro agrônomo no estudo técnico realizado sobre o aquífero e diz que “em cinco ou 10 anos não haverá mais água” no reservatório. Um dos pontos visíveis dessa situação é a Lagoa do Saibro, também na zona leste de Ribeirão, que no ano passado teve a margem recuada devido à estiagem prolongada na cidade.

Para Paccagnella, a medida que proíbe a expansão na área não urbanizada do município não impede problemas futuros, mas reduz a gravidade da situação. “Como a urbanização foi muito acelerada e avançada sobre áreas de recarga, a capacidade do aquífero foi reduzida”, disse. “Se nada começasse a ser feito o cenário para o município poderia ser trágico”.

Plano Diretor
As divisões “blindadas” pela Justiça são consideradas pelo Plano Diretor como zona de uso especial e compreendem aos setores 8 e 3A, que são alvo de impasse na revisão do documento que estabelece as diretrizes de crescimento urbano, inalterado desde 2003.

Na versão inicial enviada pela Prefeitura, em fevereiro de 2014, o artigo 23 cria restrições para o plano de expansão da cidade na zona leste. Entretanto, o artigo foi barrado por 11 vereadores, que incluíram uma emenda que possibilitaria a exploração imobiliária da região.

Segundo o Ministério Público, a zona leste é uma área visada por construtoras, de olho em empreendimentos populares. “Há uma pressão das construtoras para que haja uma expansão urbana nessas áreas, porque o metro quadrado é o mais barato e para construções populares, do Minha Casa Minha Vida, o custo acaba caindo bastante”, comentou o promotor Paccagnella.

Após o impasse, a administração municipal mandou novo texto para a Câmara e manteve o artigo polêmico. O projeto foi entregue há um ano e ainda aguarda apreciação dos parlamentares, que voltaram a discutir o assunto na última semana, em duas audiências públicas.

Segundo o presidente da Câmara, Walter Gomes (PR), ainda não há prazo para a nova votação do Plano Diretor, que depende de análise da Comissão de Justiça da casa sobre as emendas apresentadas pelos parlamentares. Entretanto, a previsão é de que o assunto volte ao plenário ainda este ano.


Um cachorro é visto na área do Aquífero Guarani, também conhecida como Lagoa do Saibro, em Ribeirão Preto, em 2014 (Foto: Milena Aurea/A Cidade/Estadão Conteúdo)

FONTE: G1.COM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…