Pular para o conteúdo principal

Clãs de cachalotes falam dialetos diferentes, segundo estudo



Nós, seres humanos, nos orgulhamos da nossa diversidade cultural, mas não somos as únicas criaturas a formar sociedades. Acontece que dois clãs de cachalotes que vivem nas proximidades das Ilhas Galápagos falam dialetos diferentes – oferecendo ainda mais evidências de que animais também têm cultura.

Cachalotes – caçadores das profundezas do mar que vivem em redes sociais hierárquicas – se comunicam entre si através de uma série de estalos conhecidos como “codas”. Essas vocalizações, que desempenham papel importante na ligação social, não são um comportamento inato. Muito pelo contrário – os pequenos cachalotes aprendem a se comunicar com os mais velhos.

Em muitos aspectos, a comunicação entre os cachalotes carrega marcas da cultura humana. Mas se as codas são de fato um traço cultural, então podemos esperar que elas variem de clã para clã, certo?

É isso o que concluiu o candidato a PhD Mauricio Cantor da Universidade Dalhousie, no Canadá, ao examinar dois conhecidos clãs de cachalotes que compartilham as águas de Galápagos ao menos desde os anos 1980. Ao gravar as vocalizações com um microfone submarino, Cantor e seu orientador de pesquisa Hal Whitehead perceberam que os dois clãs dão seus cliques em batidas diferentes.

“Em um clã, que chamamos de ‘clã regular’, ouvimos cliques espaçados com regularidade, mas no outro clã, que chamamos de ‘outros’, os tipos de codas que eles faziam tinham uma pausa prolongada antes do último clique”, disse Cantor à BBC.

Simulações em computadores feitas em seguida revelaram que essas diferenças linguísticas não são causadas por distinções genéticas, e sim pela transmissão de conteúdo. As baleias de cada clã estão aprendendo e adaptando o comportamento a partir daqueles ao seu redor.

Essa não é a primeira vez que vemos um tipo de transmissão cultural no reino animal. Ecologistas adoram lembrar dos comportamentos de “lavar batata” e “jogar pedra” que os macacos japoneses desenvolvem quando eles não precisam procurar por comida. Golfinhos fashionistas na Austrália Ocidental se distinguem dos irmãos do Atlântico ao usar esponjas marinhas em seus bicos. E na floresta tropical africana, chimpanzés estão ocupados paquerando, aliciando e argumentando com uso de uma linguagem de sinais incrivelmente complexa.

Nossa bússola antropocêntrica pode estar nos impedindo de ver algumas das mais interessantes culturas do nosso planeta.

“Esse estudo nos dá evidências de que recursos chave da cultura humana – que nos faz pensar que somos diferentes de todo o resto da natureza – pode ter papel em populações de outros animais também”, disse Cantor. “Talvez não sejamos tão diferentes como pensamos”.

FONTE: http://gizmodo.uol.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…