Pular para o conteúdo principal

A primeira caixa torácica de titânio impressa em 3D do mundo é uma maravilha da medicina



Parece coisa de história em quadrinhos, mas não é. Depois de perder o osso esterno e parte da caixa torácica para um câncer, um homem espanhol de 54 anos recebeu a primeira prótese de peito impressa em 3D do mundo, feita do leve, mas incrivelmente resistente, titânio.

Implantes de titânio não são nenhuma novidade para a medicina, mas substituir grandes porções da caixa torácica pode se provar dificultoso. As próteses de titânio são geralmente feitas de várias placas componentes, e podem até mesmo se afrouxar com o tempo, causando complicações futuras.

Cirurgiões do hospital da Universidade de Salamanca, na Espanha, decidiram que uma prótese de titânio customizada seria a melhor opção para preencher as porções do peito do paciente que foram removidas, além de ser uma opção mais segura a longo termo.



Usando tomografias 3D de alta resolução do peito do paciente, os cirurgiões determinaram quais áreas precisavam ser substituídas, e então solicitaram a Anatomics, uma companhia australiana, para projetar e construir substitutos para o osso esterno e a caixa torácica.

Por mais impressionante que impressoras de 3D, como a MakerBot, possam ser, imprimir com titânio requer um alto nível de especialidade e equipamentos. A Anatomics fez uso de uma impressora 3D com feixes de eletróns avaliada em US$ 1,3 milhões para produzir a prótese, a primeira do tipo no mundo, que foi então enviada à Espanha e cirurgicamente implantada no paciente.

Doze dias depois da cirurgia final, o paciente, que é provavelmente a coisa mais próxima que temos ao Wolverine, recebeu alta e está se recuperando bem. E a impressão 3D dá mais um importante passo para se tornar uma das tecnologias mais importantes do século XXI.



FONTE: http://gizmodo.uol.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …