Pular para o conteúdo principal

Vida como não conhecemos pode existir em lua de Saturno


Representação de um azotossoma, com 9 nanômetros - aproximadamente do tamanho de um vírus - com um pedaço de membrana cortada para mostrar o interior oco. [Imagem: James Stevenson]

Vidas desconhecidas

"A vida como nós a conhecemos" é o jargão mais utilizado quando se trata de procurar sinais de vida em exoplanetas e exoluas - afinal, será mais fácil detectar algo similar ao que já conhecemos, ainda que não conheçamos todas as formas de vida do nosso próprio planeta.

De qualquer forma, os astrônomos têm procurado por vida extraterrestre naquilo que é conhecido como zona habitável das estrelas, a estreita faixa de temperatura em torno de cada estrela na qual pode existir água líquida.

Mas, e se as células de alguma forma de vida extraterrestre não forem baseadas em água? Digamos, talvez, que fosse uma vida baseada em metano, que tem um ponto de congelamento muito menor?

Mais especificamente, apenas para dirigir melhor os esforços, e se fosse uma vida nativa de Titã, a lua gigante de Saturno?

Titã é coberta por mares não de água, mas de metano líquido. Assim, a lua poderia abrigar células à base de metano, que não dependam de oxigênio para metabolizar, reproduzir e fazer tudo que a vida na Terra faz - essencialmente, uma vida como nós não conhecemos.

Projetando uma nova vida

Em 1962, o escritor de ficção científica Isaac Asimov escreveu sobre um conceito de vida não baseada em água, intitulado Not as We Know It (Não como a conhecemos, em tradução literal).

James Stevenson e seus colegas da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, inspiraram-se em Asimov para verificar a possibilidade da existência real de uma membrana celular formada por pequenas moléculas orgânicas que fosse capaz de funcionar nas temperaturas muito abaixo de zero típicas do metano líquido em Titã.

"Nós não somos biólogos e nós não somos astrônomos, mas tínhamos as ferramentas certas," disse a professora Paulette Clancy, que é química. "Talvez tenha ajudado, porque não começamos com qualquer preconceito sobre o que deve haver em uma membrana e o que não deve. Nós simplesmente trabalhamos com os compostos que sabíamos estar lá [em Titã] e nos perguntamos: 'Se esta fosse sua paleta, o que você poderia fazer com ela?'".

Na Terra, a vida é baseada em uma membrana fosfolipídica de duas camadas, a vesícula permeável, forte e à base de água que abriga a matéria orgânica de cada célula - uma vesícula feita com essa membrana é chamada de lipossoma.


O elemento-chave dessa forma projetada de vida é a acrilonitrila, um composto venenoso para o ser humano, mas usado para fabricar resinas e plásticos. [Imagem: James Stevenson et al. - 10.1126/sciadv.1400067]

Azotossoma

A equipe projetou então seu azotossoma.

"Azoto" é a palavra francesa para o nitrogênio. Lipossoma vem do grego "lipos" (lipídio, ou gordura) e "soma" (corpo). Por analogia, "azotossoma" significa "corpo de nitrogênio".

O azotossoma é feito de moléculas de nitrogênio, carbono e hidrogênio que se sabe existirem nos mares criogênicos de Titã, e revelou a mesma estabilidade e flexibilidade do lipossoma terrestre.

O elemento-chave dessa forma projetada de vida é a acrilonitrila, um composto de metano estável, resistente à decomposição e com uma flexibilidade semelhante à das membranas fosfolipídicas da Terra. A acrilonitrila, que está presente na atmosfera de Titã, é um composto venenoso e incolor utilizado na fabricação de fibras acrílicas, resinas e termoplásticos.

A equipe afirma que o próximo passo é tentar demonstrar como essas células se comportariam no ambiente de metano.

Ou, quem sabe, dotar o submarino robótico que a NASA está pensando em enviar à lua de Saturno para procurar sinais dessa "vida como nós já imaginamos".

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…