Pular para o conteúdo principal

O que acontece quando um satélite militar americano explode em órbita



Quantos satélites você diria que estão atualmente orbitando a Terra? Algumas centenas? Talvez mil? Na verdade, existem cerca de 3.700 satélites zunindo na órbita acima de nós. Por isso, quando um deles “se rompe”, é algo importante.

Segundo o Space.com, um satélite do Departamento de Defesa americano explodiu no dia 3 de fevereiro, criando um campo de 43 destroços. O satélite em questão é o DMSP-13, que faz parte de um projeto dos anos 1990 chamado Programa de Satélites Meteorológicos para Defesa.

Ele foi projetado para fornecer ao ministério o tempo e condições atmosféricas em zonas de combate, e retransmitiu condições de voo para as operações dos EUA no Iraque e no Afeganistão.

De acordo com a Força Aérea americana, o satélite morreu de causas naturais: “um evento catastrófico associado a uma falha no sistema de energia”. Ele tinha 20 anos, mas considerando que o satélite mais antigo ainda em órbita e intacto é de 1957, esta foi uma morte prematura. Enquanto isso, a Reuters diz que o satélite sofreu um “pico de temperatura” antes de explodir, e a investigação continua.

O DMSP-13 estava em órbita polar, portanto os detritos permanecerão acima da Terra por um bom tempo, ao contrário de satélites em órbita baixa – cujos destroços cairiam para a atmosfera depois de alguns meses ou anos.



A Força Aérea só anunciou a morte do satélite semanas depois de uma empresa privada, chamada CelesTrak, notar o sumiço do DMSP-13. Eles confirmaram o desmembramento, dizendo em comunicado à Reuters que “a resposta inicial foi completa, mas a equipe (das Operações Espaciais) vai continuar a avaliar este evento para aprender mais sobre o que aconteceu”. Outros seis satélites DMSP em órbita continuarão a monitorar condições atmosféricas para o Departamento de Defesa.

Detritos
Os 43 pedaços de detritos não são extraordinários. Como explica o io9, colisões ou rompimentos no espaço criaram centenas ou milhares de pedaços de lixo zunindo pelo espaço a cerca de 28.000 km/h. Cada um desses milhares de pedaços deve ser cuidadosamente monitorado e evitado por qualquer missão que saia da atmosfera ou entre nela.

É um problema perigoso, e ninguém sabe ao certo como lidar com isso; a NASA estima que existam 20 mil peças de material com circunferência maior que 30 cm orbitando a Terra.



Felizmente, há uma infraestrutura internacional complexa dedicada a controlar o que está acontecendo em órbita ao redor da Terra. Uma agência chamada U.S. Joint Space Operations Center, com sede em Vandenberg, Califórnia, possui um centro de comando centralizado que pode fornecer informações vitais sobre a segurança de lançamentos espaciais e sobre eventos catastróficos que ocorram em órbita.

O JSpOC mantém um banco de dados abrangente de objetos artificiais que estejam voando ao redor da Terra a qualquer momento, e acompanha o status desses objetos. Esta é a Rede de Vigilância Espacial, e remonta à década de 1950.

De acordo com o Comando Estratégico dos EUA, a rede está rastreando mais de 16.000 objetos em órbita da Terra. “Cerca de 5% dos objetos rastreados são satélites em funcionamento, 8% são corpos de foguetes, e cerca de 87% são detritos e/ou satélites inativos”, diz o Stratcom.

À medida que a infraestrutura da antiga era espacial começa a entrar em silêncio, e à medida que mais empresas privadas lançam seus próprios satélites, engarrafamentos em órbita se tornarão mais complexos.

FONTE: http://gizmodo.uol.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…