Pular para o conteúdo principal

Físico cosmologista Brian Greene quer ciência como 'parte da cultura'


Brian Greene gesticula durante palestra em Porto Alegre (Foto: Luiz Munhoz/Divulgação)

Especialista na Teoria das Cordas exalta a popularização da ciência.
Cientista também abordou religião e possíveis utilidades práticas do saber.

A calma e a didática na fala do físico teórico norte-americano Brian Greene contrastam com o vasto conhecimento de um dos maiores especialistas em cosmologia do mundo. Horas antes de palestrar no Fronteiras do Pensamento, na noite de segunda-feira (15) em Porto Alegre, Greene recebeu o G1 no Salão de Atos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), onde discorreu sobre assuntos como religião, popularização da ciência e utilidades práticas do saber, além de falar sobre a Teoria das Cordas – que ele mesmo define como "estranha" e "bizarra". Tudo sem jargões ou palavras difíceis.

Após palestrar em Porto Alegre, Greene vai para São Paulo, onde participa novamente do Fronteiras do Pensamento. O evento está marcado para as 20h30 desta quarta-feira (17) no Teatro Cetip.

Greene se preocupa não apenas em adquirir o conhecimento, mas também em compartilhar com quem é leigo. Motivado a despertar o interesse na física, principalmente de jovens, ele colhe frutos de programas de televisão que ajuda a produzir desde 2003, quando sua obra "O Universo Elegante" baseou uma minissérie de televisão, até 2011, quando foi editor de quatro episódios de "Nova", outra série inspirada em suas obras.
"Até 10 anos depois, há meninos que vêm me dizer: ‘Agora me especializei em física, e isso começou quando vi seu programa na televisão’. Sinceramente, não há nada mais gratificante que isso", afirma.
O teórico ainda fez uma ponta na série de comédia americana "The Big Bang Theory". Embora não veja conteúdo educacional no programa, ele considera a participação positiva para a ciência. "É bom os cientistas estarem por aí no mundo, em arenas culturais significantes, para que a ciência não seja vista como algo fora da cultura, mas como uma parte realmente orgânica da cultura", justifica.

A fama mundial de Greene se dá por ele ser um dos principais especialistas na Teoria das Cordas, ou Supercordas, segundo a qual há outras dimensões no universo, além das três que se tem conhecimento. O físico deixa claro que não se pode atualmente afirmar que esta é a explicação correta para a existência, já que não há um experimento capaz de tentar comprová-la. Porém, argumenta que a tentativa "vale a pena". "Acredito que as leis da física e da matemática que presumimos sugerem esta possibilidade".
O grande objetivo de Greene é usar a teoria para chegar à "teoria unificada da física" sonhada por Albert Einstein. Para isso, ele sugere, entre outras características, a existência de vários universos, o que poderia conflitar com crenças religiosas. Adepto do naturalismo, filosofia que defende que apenas forças naturais atuam no mundo, o teórico não vê conflito entre a física e outras religiões.
"Sua cabeça não vai explodir se você acreditar em Deus e na física. Não há uma lei fundamental que impede nossas crenças. Pode muito bem ser que Deus esteja por trás de tudo o que observamos no universo, que ele tenha estabelecido as leis e tudo o que nós fizemos é desvendá-las. Por outro lado, eu não vejo uma evidência para isso, ao menos ainda não", afirmou.
Greene olha para trás antes de tentar ver o futuro. Questionado se alguma de suas teorias pode ter uma utilidade prática algum dia, relembra o quanto aparelhos como telefones celulares e computadores eram distantes da realidade no início do século. "Ideias fundamentais podem ter um grande impacto. Só não sabemos onde, quando e o que será", declarou, enquanto fazia testes em equipamentos de áudio e vídeo sobre o palco do evento que aconteceria algumas horas depois, para centenas de espectadores. Entre eles, quem sabe, mais um futuro especialista em física que tenha despertado o interesse na área graças a suas explicações didáticas sobre assuntos tão complexos.
Confira os principais trechos da entrevista:
G1 - É verdade que a física é complexa?
Brian Greene - Sim, é verdade. A Física é complexa e difícil, mas qualquer pessoa pode entender se passar o tempo suficiente pensando sobre ela e a conectando com suas experiências, pois tudo o que você faz tem física. Então se você entende física, entende a realidade.
G1 - Se eu caminho, eu falo, eu faço física...
Brian Greene - Sim, quando você caminha e fala, e gira em torno de em sua vida diária, tudo que está acontecendo é dirigido pela física. A fricção com o chão te permite caminhar, as leis newtonianas da física te permitem ir daqui para lá, e se você for sortudo o suficiente para andar na velocidade da luz – mas a maioria não o é –, aí entra a relatividade do Einstein.

G1 - Gostaria que você falasse resumidamente sobre sua palestra.
Brian Greene - Vou falar sobre a busca pelo sonho de Einstein, de achar o que ele chamava de teoria unificada de física, uma equação básica que poderia descrever tudo. Ele foi ao túmulo desejando poder encontrar essa teoria, mas não conseguiu. Mas nesse sentimento de falta, nós achamos que temos a teoria que Einstein procurava, e ela se chama Teoria das Cordas. São previsões estranhas e muito bizarras, entretanto achamos que pode ser o que Einstein procurava.
Tem características estranhas, como outras dimensões no espaço possivelmente, e até outros universos. Isso tudo são ideias especulativas, mas eu descrevo para a plateia porque estamos perseguindo uma teoria que tem implicações estranhas.
G1 - Você acredita que o universo tem mais de três dimensões?
Brian Greene - Não, eu não acredito em nada até que tenhamos experiências como apoio, mas acredito ser possível, e acredito que as leis da física e da matemática que presumimos sugerem esta possibilidade, sim. E creio que vale a pena a perseguirmos.



G1 - Quando você fala em outros universos, que não o nosso, há certo impacto sobre muitas crenças religiosas. Você acha que ainda seria possível acreditar em Deus se esta teoria for comprovada?
Brian Greene - Sim, quero dizer, sua cabeça não vai explodir se você acredita em Deus e na física. Não há uma lei fundamental que impede nossas crenças. Pode muito bem ser que Deus esteja por trás de tudo o que observamos no universo, que ele tenha estabelecido as leis e tudo o que nós fizemos é desvendá-las. Por outro lado, eu não vejo uma evidência para isso, ao menos ainda não. Mas não há conflito fundamental em imaginar que há um Deus por trás de tudo.
G1 - Então ainda é possível existir um Deus?
Brian Greene - É possível que Deus exista? É possível que a Lua seja feita de queijo. Muitas coisas são possíveis. Tem as [coisas] em que você tem confiança, e as em que há suporte experimental e resultados de observação. E as leis da física são as que encontram este tipo de teorias.
G1 - Qual a sua visão religiosa?
Brian Greene - A religião naturalista. As leis da natureza são as com que me importo. As outras não importam.
G1 - Você disse que o próximo passo no conhecimento da física vai ser tão grande quanto o passo que Einsten deu...
Brian Greene - O futuro guarda muitas revoluções, que ainda virão, onde a imagem do universo vai radicalmente mudar. Acho que a mudança pode ser uma parte ou ir além do que veio com a perspectiva de Einstein.
O futuro guarda muitas revoluções, que ainda virão, onde a imagem do universo vai radicalmente mudar"
Brian Greene, físico teórico
G1 - E este passo pode tornar possível falarmos sobre coisas que podem ter um impacto prático na vida, como viagem no tempo ou teletransporte?
Brian Greene - Não tenho ideia se quaisquer dessas teorias das quais falamos tenham um impacto prático, mas direi isso: lá no início do século, pessoas estavam desenvolvendo mecânica quântica, e eles não sabiam se haveria impacto na vida diária. Mas agora, de fato, as pessoas têm telefones celulares e computadores, e há máquinas de MRI [imagem por ressonância magnética, na sigla em inglês] salvando vidas pelo mundo. Tudo o que tem um circuito integrado dentro, o que é mais ou menos tudo, conta com a física quântica. Todo e qualquer um de nós, quando segura um telefone celular, está segurando a mecânica quântica na palma de sua mão, o que é simplesmente dizer que ideias fundamentais podem ter um grande impacto. Só não sabemos onde, quando e o que será. Temos de permitir que a tecnologia siga seu curso.
G1 - É natural que o nome de Einstein surja quando falamos sobre física. Seu grande drama foi ver seu conhecimento usado para guerras. Você acha que no futuro, com todos os passos que a humanidade dará, alguma teoria que você desenvolveu algum dia será usada para a guerra?
Brian Greene - Os cientistas entendem profundamente a natureza. O que as pessoas fazem com este conhecimento é uma história completamente diferente. E não acho que se vá suprimir o conhecimento por medo de como ele poderia ser usado. Mas como um cientista, você dá seu melhor para explicar o que este conhecimento significa e como esse conhecimento pode ser usado. Mas basicamente está nas mãos de todos nós, do mundo, como este conhecimento será usado.
G1 - Essa projeção não te incomoda?
Brian Greene - Como qualquer outro ser humano na face desta terra, quero que o conhecimento seja usado para o bem, para tornar a vida melhor. Mas infelizmente não vivemos em um mundo em que tudo o que queremos acontece. Então fazemos o melhor, como cientistas, para tentar guiar as coisas em uma direção para o bem, em oposição ao mal, mas no final das contas, nenhum único indivíduo controla como a sociedade usará o conhecimento. É uma responsabilidade de todos nós descobrir e determinar como o conhecimento será usado.
G1 - Sua participação no seriado "The Big Bang Theory" teve um propósito educacional ou foi apenas uma chance que você teve de ser parte de algo que você gosta?
Brian Greene - O Big Bang Theory é entretenimento puro e simples. É bom que físicos sejam parte? Sim, isso humaniza um pouco eles, se é que podemos chamar Sheldon Cooper de humano [risos]. É um estereótipo, as pessoas gostam e é divertido estar no programa, mas basicamente, não, eu não acho que isso vá avançar a educação na ciência de uma forma significativa.
Acho que é bom se os cientistas estão por aí no mundo em arenas culturais significantes, que a ciência não seja vista como algo fora da cultura, mas como uma parte realmente orgânica da cultura. Então acho que é bom para cientistas estarem no The Big Bang Theory e outros grandes programas, principalmente para entender que a ciência é uma parte do tecido da vida.
G1 - Você já viu o programa de televisão chamado Cosmos? O que achou?
Brian Greene - É um grande programa. Neil [deGrasse Tyson, astrofísico e apresentador do programa] é um bom amigo meu, e faz um ótimo trabalho. Acho que este tipo de programa, sim, tem um impacto sobre os garotos. Eu já fiz meus próprios programas de televisão, e até 10 anos depois há meninos que vêm me dizer "agora me especializei em física, e isso começou quando vi seu programa na televisão". Sinceramente, não há nada mais gratificante que isso.

FONTE: G1.COM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…