Pular para o conteúdo principal

Uma linguagem de programação para automatizar a química


A arquitetura de programação vê o biochip como uma série de ladrilhos, que são arranjados de forma lógica para automatizar as decisões. [Imagem: Daniel Grissom et al. - 10.1145/2567669]

Automatizando a química

A tecnologia microfluídica já está incorporada em um sem-número de biochips, microlaboratórios, lab-on-a-chips e um igualmente sem-número de outros nomes.

De forma geral, um microlaboratório ou biochip é um dispositivo que integra as funções de laboratório em um chip com alguns milímetros ou centímetros de tamanho - eles são fabricados com técnicas similares às usadas para fabricar os processadores e outros circuitos integrados eletrônicos, daí serem chamados de chips.

Mas a intenção é que eles resolvam problemas em áreas muito diferentes, incluindo o sequenciamento de DNA, a descoberta de novos medicamentos, a detecção de vírus e inúmeros exames biomédicos.

Antes, porém, será necessário aprender a programar esses biochips, em cujas veias correm compostos químicos em estado líquido, e não elétrons, como nos chips eletrônicos.

É o que estão fazendo Daniel Grissom e seus colegas da Universidade da Califórnia em Riverside, nos Estados Unidos.

Eles adaptaram uma linguagem de programação voltada à biologia para automatizar as reações bioquímicas no interior dos biochips.

"Se você pensar no início dos computadores, eles eram basicamente ferramentas para automatizar a matemática. O que estamos criando são dispositivos que poderão automatizar a química," afirma o professor Philip Brisk, orientador da equipe.

Linguagem de programação biológica

A linguagem de programação permite automatizar as reações dentro dos biochips. [Imagem: Daniel Grissom et al. - 10.1145/2567669]

Como são parentes muito próximos dos circuitos integrados eletrônicos, os microlaboratórios são equipados com sensores eletrônicos semelhantes aos usados em celulares inteligentes e tablets.

Estes sensores permitem analisar os dados das reações para tomar decisões sobre o que fazer a seguir, por exemplo, selecionando os canais por onde os compostos deverão circular dentro do chip, quais compostos devem se misturar, quais devem ser descartados etc.

A equipe começou com uma linguagem de programação biológica, a BioCoder, desenvolvida pelo escritório de pesquisa da Microsoft na Índia. Ela foi originalmente criada para melhorar a reprodutibilidade e viabilizar a automação de experimentos de biologia usando uma linguagem de programação para expressar a série de passos realizados em cada experimento.

A equipe modificou a BioCoder para torná-la capaz de processar as leituras dos sensores dos microlaboratórios em tempo real.

"Nós estamos realmente tentando eliminar a interação humana o máximo possível," disse Brisk. "Agora, você tem um chip, você o usa e, em seguida, você o analisa. Através da automação e da programação, você elimina o erro humano, reduz os custos e acelera todo o processo."

A equipe planeja agora construir um protótipo de chip que possa ser programado e usado em aplicações do mundo real.

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…