Pular para o conteúdo principal

Uma linguagem de programação para automatizar a química


A arquitetura de programação vê o biochip como uma série de ladrilhos, que são arranjados de forma lógica para automatizar as decisões. [Imagem: Daniel Grissom et al. - 10.1145/2567669]

Automatizando a química

A tecnologia microfluídica já está incorporada em um sem-número de biochips, microlaboratórios, lab-on-a-chips e um igualmente sem-número de outros nomes.

De forma geral, um microlaboratório ou biochip é um dispositivo que integra as funções de laboratório em um chip com alguns milímetros ou centímetros de tamanho - eles são fabricados com técnicas similares às usadas para fabricar os processadores e outros circuitos integrados eletrônicos, daí serem chamados de chips.

Mas a intenção é que eles resolvam problemas em áreas muito diferentes, incluindo o sequenciamento de DNA, a descoberta de novos medicamentos, a detecção de vírus e inúmeros exames biomédicos.

Antes, porém, será necessário aprender a programar esses biochips, em cujas veias correm compostos químicos em estado líquido, e não elétrons, como nos chips eletrônicos.

É o que estão fazendo Daniel Grissom e seus colegas da Universidade da Califórnia em Riverside, nos Estados Unidos.

Eles adaptaram uma linguagem de programação voltada à biologia para automatizar as reações bioquímicas no interior dos biochips.

"Se você pensar no início dos computadores, eles eram basicamente ferramentas para automatizar a matemática. O que estamos criando são dispositivos que poderão automatizar a química," afirma o professor Philip Brisk, orientador da equipe.

Linguagem de programação biológica

A linguagem de programação permite automatizar as reações dentro dos biochips. [Imagem: Daniel Grissom et al. - 10.1145/2567669]

Como são parentes muito próximos dos circuitos integrados eletrônicos, os microlaboratórios são equipados com sensores eletrônicos semelhantes aos usados em celulares inteligentes e tablets.

Estes sensores permitem analisar os dados das reações para tomar decisões sobre o que fazer a seguir, por exemplo, selecionando os canais por onde os compostos deverão circular dentro do chip, quais compostos devem se misturar, quais devem ser descartados etc.

A equipe começou com uma linguagem de programação biológica, a BioCoder, desenvolvida pelo escritório de pesquisa da Microsoft na Índia. Ela foi originalmente criada para melhorar a reprodutibilidade e viabilizar a automação de experimentos de biologia usando uma linguagem de programação para expressar a série de passos realizados em cada experimento.

A equipe modificou a BioCoder para torná-la capaz de processar as leituras dos sensores dos microlaboratórios em tempo real.

"Nós estamos realmente tentando eliminar a interação humana o máximo possível," disse Brisk. "Agora, você tem um chip, você o usa e, em seguida, você o analisa. Através da automação e da programação, você elimina o erro humano, reduz os custos e acelera todo o processo."

A equipe planeja agora construir um protótipo de chip que possa ser programado e usado em aplicações do mundo real.

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…