Pular para o conteúdo principal

O que é o bóson de Higgs?



Hoje o CERN sinalizou que finalmente pode ter encontrado o bóson de Higgs. Mas o que é isto, por que alguns o chamam de “partícula de Deus”, e qual sua importância? O Giz explica.

O bóson de Higgs é uma partícula subatômica…
O Modelo Padrão é uma das teorias mais proeminentes (mas não a única) que tenta descrever como o universo é organizado: as partículas que formam os átomos, a matéria que existe, e as forças que agem sobre ela.

O modelo padrão faz parte da física de partículas, dedicada a reduzir nosso universo tão complicado em seus componentes mais simples. Fazemos isso há séculos: começamos com os átomos; depois vieram prótons, nêutrons e elétrons; e finalmente os quarks e léptons.

O modelo padrão postula que a matéria é composta por 12 partículas: seis tipos de quarks, e seis tipos de léptons. Segundo o modelo, quarks e léptons são indivisíveis.

Além dessas partículas, o modelo padrão reconhece quatro forças fundamentais: gravitacional, eletromagnética, forte e fraca. Cada uma delas tem uma partícula correspondente, que atua sobre a matéria – é o bóson.

…que explica porque existe massa no universo…
Só que essa teoria tem uma grande lacuna: por que algumas partículas têm massa, e outras não? O modelo não explica a existência de massa, só que ela é muito importante. Se não fosse pela massa, todas as partículas fundamentais estariam andando pelo universo à velocidade da luz, sem nunca formar átomos ou matéria.

O mecanismo de Higgs foi proposto em 1964 por seis físicos – entre eles Peter Higgs – para cobrir essa lacuna.

…através do campo de Higgs.
O modelo postula que as partículas não têm massa inerente: na verdade, elas ganham massa passando pelo chamado campo de Higgs. Algumas passam direto por esse campo, sem interagir com ele, e portanto continuam sem massa. Enquanto isso, outras partículas ganham massa: quanto mais elas interagem com o campo, mais pesadas se tornam.

E onde fica esse campo? No universo inteiro. Ele surgiu um trilionésimo de segundo após o Big Bang: todas as partículas criadas não possuíam massa e eram todas iguais. Quando o universo esfriou, criou-se o campo de Higgs, que dá massa às partículas.

Mas, assim como todos os campos de força, ele precisa de uma partícula correspondente. Essa partícula é o bóson de Higgs. Ele é fundamental para a física quântica que conhecemos hoje.

O bóson de Higgs é conhecido por “partícula de Deus”…
O físico Leon Lederman, ganhador do Prêmio Nobel, publicou em 1993 um livro sobre o bóson de Higgs, chamado “A Partícula de Deus: Se o Universo é a resposta, qual é a pergunta?”. No livro, Lederman diz que o bóson de Higgs pode resolver tantos problemas da física, que só poderia ser considerado uma partícula divina. Mas a alcunha “partícula de Deus” só veio porque o editor do livro não gostou da sugestão de Lederman, que queria chamá-la de Partícula Maldita (Goddamn Particle).

O físico tcheco Luboš Motl apoiou o nome “Partícula de Deus”, e traçou um paralelo entre o livro Gênesis, da Bíblia, à formação do espaço de Higgs. Motl é ateu, e descreve aqui a versão “cientificamente correta” da formação do universo.

A expressão “partícula de Deus” é bastante usada pela mídia, mas os cientistas criticam seu uso por diversos motivos – entre eles, por criar um debate religioso onde não há. O físico Henrique Xavier, do Instituto de Física da USP, deixa claro nesta página qual a relação entre a questão teológica e a descoberta do bóson de Higgs: “nada”.

…e pode ter sido descoberto pelo CERN…
Apesar de postulado há cinquenta anos, até hoje ninguém provou empiricamente a existência do bóson de Higgs. Há tempos, cientistas usam colisores de partículas para procurar evidências de que o bóson de Higgs existe. Na verdade, eles nem sabem qual a massa dessa partícula – e o modelo não responde isto.

O que fazer? Verificar, em várias faixas de massa, se existe o bóson de Higgs. Os cientistas conseguiram excluir sua existência em diversas faixas de massa, restringindo-o entre 115 e 141 GeV, ou gigaelétron-volts. (Cientistas medem a massa das partículas como se fosse energia, já que toda massa tem uma equivalência em energia.)

Hoje, o CERN (Centro Europeu de Pesquisas Nucleares) divulga que encontrou “sinais claros de uma nova partícula, ao nível 5 sigma, com massa ao redor de 126 GeV”. 5 sigma significa 99,9999% de certeza, ou seja, trata-se de algo realmente relevante. “Isto é de fato uma nova partícula. Sabemos que deve ser um bóson, e este é o bóson mais pesado já encontrado”, diz o físico Joe Incandela do CERN.

Quer dizer, eles descobriram um novo bóson na faixa de massa do bóson de Higgs, e que se comporta como ele. Então eles acharam a partícula sem sombra de dúvida? Calma. Eles estão bem empolgados, mas ao mesmo tempo cautelosos: “as implicações são bem significativas, e é precisamente por este motivo que precisamos ser extremamente diligentes em todos os nossos estudos”.

…usando o Grande Colisor de Hádrons, ou LHC.
O LHC é o acelerador de partículas do CERN. Ele tem formato de anel, com circunferência de 27km, e fica abaixo do solo na fronteira entre a França e a Suíça. O LHC colide prótons a uma velocidade próxima a da luz para simular as condições do Big Bang. Assim, é possível encontrar partículas e verificar se a teoria do Modelo Padrão está certa.

Mas o bóson de Higgs é difícil de se observar. Acredita-se que ele só apareça em níveis de energia tão altos que só poderíamos gerá-lo usando o LHC. Além disso, o bóson de Higgs decai muito rápido – ou seja, se transforma em outras partículas – e não pode ser visto diretamente. Mas o modelo padrão prevê como o bóson de Higgs decai: se for encontrado o mesmo padrão, a teoria se confirma. Foi isso o que aconteceu: o CERN descobriu um bóson que se comporta como no modelo padrão.

O LHC é usado por dois grupos de pesquisa independentes, o CMS e o ATLAS. Apesar de usarem o mesmo aparelho, os resultados são separados. Mesmo assim, ambos chegaram à mesma conclusão: há uma nova partícula que pode ser o bóson de Higgs.

Agora, os dois grupos vão continuar testando como a nova partícula decai. Se os resultados seguirem conforme o previsto pelo modelo padrão, estará confirmado: trata-se mesmo do bóson de Higgs. Os estudos ainda serão publicados em periódicos científicos.

Mas ele pode não existir…
Pode ser que, aprofundando os estudos, o bóson de Higgs na verdade não exista. Se for o caso, este ano os cientistas param de procurar por ele. “Se percebermos uma falta de eventos em toda a faixa de massa, então claramente nós vamos começar a desfavorecer a presença do modelo de Higgs padrão em dados do LHC”, diz um porta-voz do grupo CMS.

Mas, como lembra o físico Matt Strassler, da Rutgers University, não precisamos de um bóson de Higgs para explicar a massa. Segundo ele, físicos só procuram pela partícula porque é a forma mais fácil de acessar o campo de Higgs.

Se a partícula não existe, há outras possibilidades. Por exemplo, é possível que o campo de Higgs não esteja vinculado a nenhuma partícula. Pode ser que uma quinta força desconhecida dê massa à matéria. Ou pode ser que o segredo se esconda na quarta dimensão. Há diversas teorias alternativas que podem tomar o lugar do bóson de Higgs – basta provar que ele não existe.

…e por mais que exista, ele ainda deixa muitas perguntas em aberto.
Se a existência do bóson de Higgs for confirmada, ainda restam muitas dúvidas. Ele explica a matéria, objeto central do modelo padrão, mas e o restante? Acredita-se que apenas 4% do universo é matéria: o restante seriam matéria escura e energia escura, que podem ser ainda mais difíceis de se observar.

Como lembra o próprio CERN, a jornada continua.



FONTE: http://gizmodo.uol.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…