Pular para o conteúdo principal

Ondas íon-ciclotrônicas explicam terceiro anel de radiação da Terra


Agora se sabe que o Cinturão de Van Allen é formado por pelo menos três anéis de radiação, que respondem diretamente às influências das partículas emitidas pelo Sol.[Imagem: NASA/Goddard Space Flight Center]

Cinturão de Van Allen

Por mais de meio século, os cientistas acreditaram que a Terra possuía dois anéis de partículas carregadas, o chamado Cinturão de Van Allen.

No início deste ano, duas sondas lançadas pela NASA - as sondas Van Allen, que têm colaboração brasileira - descobriram o terceiro anel da formação.

Descoberto novo cinturão de radiação ao redor da Terra
Agora, a equipe da missão Van Allen acredita ter encontrado uma explicação para o quase inexplicável anel, formado por partículas tão rápidas que são conhecidas como ultra-relativísticas.

"Alguns dos elétrons alcançam energias tão gigantescas que eles são dirigidos por um conjunto inteiramente diferente de processos físicos," diz a nota da NASA.

As energias envolvidas são tão altas que os elétrons atingem velocidades equivalentes a 99,9% da velocidade da luz.

As teorias sobre o plasma conhecido - o ambiente de partículas carregadas onde os anéis se formam - simplesmente não conseguem explicar como os elétrons podem ser acelerados a energias tão elevadas e, sobretudo, como eles duram tanto a ponto de formarem um anel.


As sondas gêmeas da missão Van Allen viajam constantemente através dos anéis de radiação. [Imagem: NASA]

Ondas íon-ciclotrônicas

Embora essas partículas relativísticas não sejam afetadas por ondas que se sabe atuarem nessa região, como as VLF Chorus (ondas de Frequência Muito Baixa Chorus), a explicação para o fenômeno parece estar em uma classe muito especial de um outro tipo de onda, chamada EMIC (ondas eletromagnéticas íon-ciclotrônicas).

Ondas íon-ciclotrônicas - ou instabilidades íon-ciclotrônicas - são associadas a íons que giram ao redor de um campo magnético - a frequência das ondas varia de acordo com a velocidade de giro desses íons.

Segundo os pesquisadores, ondas EMIC muito fortes podem afetar as partículas ultra-relativísticas - os elétrons movendo-se a 99,9% da velocidade da luz - fazendo-as perder energia e deixando apenas um estreito anel de radiação protegido no interior de uma fronteira conhecida como plasmapausa.

As previsões indicam que, se nada de "extraordinário" acontecer, os elétrons supervelozes podem durar até 100 dias.

Contudo, os anéis podem ser alterados por nuvens de radiação emitidas pelas tempestades e erupções solares - foi o que aconteceu rapidamente no evento que registrou a descoberta do terceiro anel.

Assim, compreender a natureza desses cinturões de radiação e como eles incham e encolhem ao longo do tempo é uma peça essencial no quebra-cabeças que é interpretar - e, quem sabe um dia, prever - o tempo espacial ao redor do nosso planeta.

O clima espacial pode, entre outras coisas, causar complicações em sistemas eletrônicos a bordo de satélites científicos, de comunicações e GPS.

Na verdade, estudos recentes mostram que o clima espacial, mais especificamente, os chamados raios cósmicos, estão intimamente ligados com a formação das nuvens na atmosfera terrestre.

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…