Pular para o conteúdo principal

Superando Einstein: mistério do efeito fotoelétrico é revelado


Alexander Hartung conta que se tornou pai duas vezes no tempo que levou para construir o aparelho.
[Imagem: Alexander Hartung]

Entendendo a mecânica dos fótons e elétrons

Albert Einstein recebeu o Prêmio Nobel por explicar o efeito fotoelétrico. Em sua forma mais intuitiva, um único átomo é irradiado pela luz; segundo Einstein, a luz consiste em partículas (fótons) que transferem apenas energia quantizada para o elétron do átomo.

Esse processo está na base de quase todas as atuais tecnologias envolvendo a luz, da energia solar aos LEDs. Mas isso não significa que já entendemos todos os meandros do que acontece entre a luz e a matéria.

Por exemplo, se a energia do fóton for suficiente, ele arranca elétrons do átomo; mas o que acontece com o momento do fóton nesse processo?

A questão de qual parceiro da reação (núcleo do átomo ou os elétrons) conserva o momento do fóton tem ocupado os físicos há mais de 30 anos. Por exemplo, quando inúmeros fótons de um pulso de laser bombardeiam um átomo, eles o ionizam. Quebrar o átomo consome parcialmente a energia do fóton. A energia restante é transferida para o elétron liberado. Mas detectar o destino dessa energia era algo que nenhum aparelho conseguia fazer.

Para responder a essa pergunta, físicos desenvolveram e construíram um novo espectrômetro com resolução anteriormente inatingível: ele usa pulsos de laser ultracurtos, com precisão de tempo em uma escala de um attossegundo, o equivalente a 0,000000000000000001 segundo.

Alexander Hartung, da Universidade de Frankfurt, na Alemanha, conta que se tornou pai duas vezes no tempo que levou para construir o aparelho. O dispositivo, com três metros de comprimento e 2,5 metros de altura, contém aproximadamente tantas peças quanto um automóvel. Sua operação consiste em ionizar átomos de argônio individuais - ou quebrar moléculas - e então determinar com precisão o momento das partículas.

Outra esquisitice quântica

"A ideia mais simples é a seguinte: desde que o elétron esteja ligado ao núcleo, o momento é transferido para a partícula mais pesada, ou seja, o núcleo do átomo. Assim que ele se liberta, o momento do fóton é transferido para o elétron," explica o professor Reinhard Dörner, da Universidade Goethe, parceiro no desenvolvimento do aparelho.

Isso seria análogo ao vento transferindo seu impulso para a vela de um barco. Enquanto a vela estiver firmemente presa, o impulso do vento impulsiona o barco para frente. No instante em que o mastro se quebrar, no entanto, o momento do vento é transferido apenas para a vela.

No entanto, a resposta que Hartung descobriu através de seu experimento é - como é típico para a mecânica quântica - mais surpreendente. O elétron não apenas recebe o momento esperado, mas também recebe um adicional equivalente a um terço do momento do fóton, que deveria ter ido para o núcleo do átomo, segundo as teorias. A vela do barco, portanto, "conhece" o acidente iminente antes que o mastro se rompa e roube um pouco do momento do barco.

Para explicar o resultado com mais precisão, Hartung destaca-se da explicação de Einstein da luz como partícula e usa o conceito da luz como uma onda eletromagnética: "Sabemos que os elétrons tunelam através de uma pequena barreira de energia. Ao fazer isso, eles são afastados do núcleo pelo forte campo elétrico do laser, enquanto o campo magnético transfere esse momento adicional para os elétrons."


Esquema do aparelho que permitiu esclarecer o que acontece com o momento do fóton.
[Imagem: Alexander Hartung]

Física e química

Além das implicações óbvias para a fotônica e demais tecnologias ligadas à luz, o novo equipamento eleva a um novo patamar a capacidade de controlar elétrons em átomos e moléculas.

A longo prazo, é concebível que este e outros conhecimentos sobre como os átomos e as moléculas funcionem proporcionem uma oportunidade para melhorar a maneira como as reações são controladas nas moléculas, o que por sua vez pode abrir o caminho para uma química mais eficaz.

Bibliografia:

Artigo: Magnetic fields alter strong-field ionization
Autores: A. Hartung, S. Eckart, S. Brennecke, J. Rist, D. Trabert, K. Fehre, M. Richter, H. Sann, S. Zeller, K. Henrichs, G. Kastirke, J. Hoehl, A. Kalinin, M. S. Schöffler, T. Jahnke, L. Ph. H. Schmidt, M. Lein, M. Kunitski, R. Dörner
Revista: Nature Physics
Vol.: 123, 133201
DOI: 10.1038/s41567-019-0653-y

Artigo: Fano's Propensity Rule in Angle-Resolved Attosecond Pump-Probe Photoionization
Autores: David Busto, Jimmy Vinbladh, Shiyang Zhong, Marcus Isinger, Saikat Nandi, Sylvain Maclot, Per Johnsson, Mathieu Gisselbrecht, Anne L'Huillier, Eva Lindroth, Jan Marcus Dahlström
Revista: Physical Review Letters
DOI: 10.1103/PhysRevLett.123.133201

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…