Pular para o conteúdo principal

Virternity: projeto científico queria digitalizar a mente para a imortalidade



Por Natalie Rosa

A imortalidade é um tema que vem sendo debatido desde os primórdios da humanidade, de quando começamos a ter registros da vida. O que temos visto, até então, são discussões sobre o assunto envolvendo a ciência e, claro, a paranormalidade. Mas e quanto ao digital?

No ano passado, um grupo de pessoas que não tiveram seus nomes revelados lançaram a Virternity, um projeto que envolve dar a imortalidade digital a todos, criando um mundo que não é regido por governantes, mas pelas pessoas. O conceito, basicamente, consistia na transferência da sua consciência a um plano completamente novo, removendo quaisquer restrições físicas.

O Virternity, no entanto, não durou muito e sem nenhuma explicação acabou saindo do ar. Durante a sua existência online, o público não conseguiu entender completamente do que se tratava, apenas que a ideia era criar um mundo sem o controle governamental.

Uma matéria do The Conversation, escrita por David Evans Bailey, pesquisador de realidade virtual da Universidade de Tecnologia de Auckland, cita uma teoria que pode explicar a falha da proposta.

Pensadores como Gilles Deleuze e Henri Bergson, por exemplo, acreditam que existe uma consciência superior ao corpo físico, basicamente afirmando que mente e corpo não são a mesma coisa. Sendo assim, a ideia do Virternity iria por água abaixo, afinal como seria possível "transferir uma pessoa" para o computador?


Imagem: Reprodução

Por outro lado, entra a ciência no debate, pois neurocirurgiões afirmam que tudo o que existe é físico, então se é possível copiar o cérebro humano para uma forma digital, o que seria bastante complexo, todo o restante seria uma tarefa fácil. Existem propostas de cientistas que sugerem fazer microfatias físicas de cérebro e copiar a rede neural que seria revelada.

Porém, para fazer isso, seria necessária uma máquina capaz de criar as fatias de cérebro e, o mais difícil, um voluntário. A ideia parece irreal, mas existe uma startup, a Nectome, que tem essa proposta, com foco na preservação do cérebro até o dia em que, finalmente, ele possa ser digitalizado.

Em resumo, o conteúdo do cérebro do voluntário seria transferido para um computador, com o seu conteúdo permanecendo vivo ou, ainda, fazendo com que a mente da pessoa renasça. Esse tipo de varredura já foi feito com ratos, mas a digitalização de uma totalidade ainda não aconteceu.

A Virternity chegou a pensar na aplicação desse projeto em um futuro distante, citando que artistas, músicos e cientistas poderiam investir em suas carreiras por séculos e que nunca precisaríamos nos despedir de nossos familiares e amigos.

Se o projeto continuasse, o Virternity seria a primeira experiência imersiva de substituição da realidade física por uma digital. Para Bailey, uma vez digital, não haveria como voltar atrás. O especialista ainda deixa uma questão em aberto: o que aconteceria se o sistema fosse, simplesmente, desligado ou apagado.

Essa resposta não deve surgir tão cedo, pelo menos enquanto ninguém tentar seguir em frente com o projeto da Virternity.



FONTE: The Conversation via canaltech.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…