Pular para o conteúdo principal

Supostas formas de vida microbióticas estariam alterando a atmosfera de Vênus


Imagem de Vênus visto pela sonta japonesa Akatsuki Orbiter (Imagem: Institute of Space and Astronautical Science/Japan Aerospace Exploration Agency)

Por Daniele Cavalcante

Em 1967, Carl Sagan propôs que talvez existisse vida em Vênus. Não é uma hipótese muito popular na comunidade científica, já que os principais candidatos a abrigar organismos no Sistema Solar são algumas Luas de Saturno e Júpiter, e até mesmo Plutão. Vênus é quente e hostil demais para haver vida como a conhecemos em sua superfície, mas e se estivermos olhando para o lugar errado? Um novo estudo sugere que formas microbióticas estariam não apenas vivendo nas nuvens de Vênus, como também alterando a sua atmosfera.

As nuvens venusianas têm algumas manchas escuras muito estranhas, detectadas pela primeira vez pelos astrônomos há quase um século. Elas absorvem a radiação ultravioleta e alguma luz visível do Sol, o que causa efeitos profundos no clima do planeta. Além disso, elas também mostram vestígios de ácido sulfúrico concentrado e outras partículas desconhecidas que absorvem luz.

Pesquisadores ainda não sabem exatamente o que seriam essas partículas e, embora existam algumas sugestões, “nenhuma é capaz de explicar satisfatoriamente as propriedades de formação e absorção”, disse Yeon Joo Lee, o autor sênior do estudo publicado no The Astronomical Journal. Ao lado de Sanjay Limaye, co-autor da pesquisa, ele sugere que tais manchas poderiam ser algum tipo de microorganismo que está alterando as condições climáticas do nosso planeta vizinho.

De acordo com os autores, as tais partículas que formam essas manchas têm aproximadamente o mesmo tamanho dos microorganismos na atmosfera da Terra, e também possuem as mesmas propriedades de absorção de luz. Essa ideia não é exatamente uma novidade, já que o próprio Limaye publicou um estudo em 2018 sugerindo essa mesma possibilidade. Ele explica que, da mesma forma que alguns micróbios da Terra são capazes de se alimentar de dióxido de carbono e produzir ácido sulfúrico — condições parecidas com as nuvens de Vênus —, é possível que conglomerados maciços de microrganismos semelhantes possam formar as manchas escuras de Vênus.

Agora, no novo estudo, os pesquisadores afirmam que isso estaria afetando a atmosfera venusiana. Lee e seus colegas observaram as nuvens de lá usando instrumentos como a sonda Akatsuki do Japão e a Venus Express da Agência Espacial Europeia (ESA), para ver como elas mudam ao longo do tempo. Em um período de aproximadamente dez anos (contando a partir de 2006), a quantidade de luz ultravioleta refletida foi reduzida pela metade e depois voltou ao seu nível original. Isso significa que muito mais radiação solar foi absorvida em alguns pontos do que em outros, o que afetou o clima — especialmente na atmosfera superior.

Uma possível história da vida em Vênus

Mas como esses micróbios se formaram? E como foram parar nas nuvens venusianas? Isso pode ser explicado através das teorias sobre a antiga habitabilidade de Vênus. Acontece que, provavelmente, o nosso “vizinho infernal”, que é o planeta mais quente do Sistema Solar, nem sempre foi assim tão hostil. Há indícios fortes de que o planeta já teve uma atmosfera bem mais fria, oceanos líquidos em sua superfície e um clima habitável por mais de 2 bilhões de anos. Ou seja: Vênus já pode ter sido lar de algumas criaturas, há muito tempo.

Porém, toda a forma de vida teria sido eliminada devido a um efeito descontrolado dos gases de efeito estufa, de acordo com uma das teorias sobre o assunto. Assim, toda a água evaporou na atmosfera, o que aumentou ainda mais o aquecimento.

Imagine, no entanto, que durante o período habitável de Vênus alguma vida de fato se desenvolveu. As formas de vida, grandes e pequenas, teriam sido eliminadas, exceto microorganismos capazes de sobreviver nas nuvens do planeta, absorvendo luz. Eles teriam subido até lá junto com a água que evaporou, e por lá permaneceram e prosperaram, até hoje, segundo o estudo do momento.

Ainda é muito cedo para qualquer confirmação sobre a vida nas nuvens venusianas, mas o novo estudo pode despertar interesse em mais cientistas, o que pode nos revelar novas descobertas sobre o clima em nosso próprio planeta, inclusive. E estudos do tipo também colaboram para que haja ainda mais interesse de enviar sondas para investigar melhor nosso vizinho — como pode ser o caso da missão HAVOC, que a NASA deseja enviar ao "planeta infernal" no futuro. Seria bastante curioso se a primeira confirmação de vida fora da Terra se desse justamente em Vênus, o mundo mais hostil do nosso Sistema Solar.

FONTE: W News via canaltech.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…